Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
140,00 132,00 135,00
GO MT RJ
132,00 129,00 136,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1200,00
Garrote 18m 1430,00
Boi Magro 30m 1720,00
Bezerra 12m 900,00
Novilha 18m 1130,00
Vaca Boiadeira 1350,00

Atualizado em: 19/10/2017 10:19

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Produtor rural cria fazenda auto-sustentável

 
 
 
Publicado em 19/10/2006

Rodrigo Rievers
Da Agência Sebrae

Você já imaginou uma pequena propriedade rural auto-sustentável? Em se tratando de agronegócio de pequeno porte, isso não é muito comum. No entanto, essa fazenda existe. E, mais do que isso, funciona. Situada na cidade paulista de Caconde, na divisa com o sul de Minas Gerais, a Pork Terra cria suínos para abate no frigorífico construído dentro da propriedade. Mas a história não pára por aí.

Com os dejetos dos animais, faz biofertilizante para a lavoura de café, além de biogás, que supre 50% da energia da propriedade. Já a banha não aproveitada na linha de torresmo pré-pronto vira combustível para tratores e veículos. E a glicerina, subproduto desse inovador biodiesel de origem animal, transforma-se em sabão para lavar máquinas, instalações e veículos.

O responsável por essa cadeia de inovações é João Paulo Muniz, filho de produtores rurais, que cursou apenas o primeiro ano de Direito. Largou a faculdade para dedicar-se ao de sonho de fazer a propriedade familiar ser sustentável do ponto de vista econômico e, porque não, ambiental.

"Todo o trabalho é baseado no tripé de ser sustentável ambientalmente, olhar os trinta funcionários de carteira assinada sob o foco na responsabilidade social e, é claro, ser economicamente viável. E pontuo essa questão de ser economicamente viável porque o tripé só funciona se houver lucro. Sem lucro nada disso vai para frente", aponta.

João Paulo apresentou a experiência da Pork Terra durante o seminário "Agroenergia e Pequenos Negócios", promovido pela Unidade de Agronegócios e Territórios Específicos do Sebrae Nacional, nos dias 16 e 17 de outubro em Brasília. Com um investimento que girou em torno de R$ 100 mil, ele passou a aproveitar os dejetos dos suínos - antes descartados numa nascente dentro da fazenda - para fazer biofertilizante e biogás. E o 1,5 centímetro de banha de porco descartado no processo de produção do carro-chefe do frigorífico Pork Terra, o torresmo, para produzir biodiesel.

É fato que João Paulo encontrou pela frente a pessoa certa, que lhe deu suporte técnico e científico para viabilizar todas essas inovações - o químico Deuva Magalhães Poli, que depois de décadas trabalhando na capital paulista, aposentou-se e voltou para sua terra natal, a pequena Caconde. Ele foi o responsável pelas pesquisas que deram origem ao biodiesel feito com banha de porco e ao biogás e biofertilizantes - ambos feitos a partir dos dejetos dos animais. "O primeiro biodiesel que saiu foi um terror. Mas, fomos tentando, batalhando e fizemos", diz Deuva, que também participou do seminário.

O fato é que o biodiesel de banha de porco funciona. São 190 litros por mês. "Já dá para fazer rodar os tratores e veículos da fazenda", diz João Paulo. Com isso, a fazenda não compra nem mais uma gota de combustível. "É 100% de economia", diz o produtor que, para provar que o produto está sendo feito dentro dos padrões e especificações da Agência Nacional de Petróleo (ANP), encaminhou o biodiesel de banha de porco para um laboratório de análises de Nova Paulínia, em São Paulo.

Esse laboratório emitiu laudo técnico, mostrando que o combustível segue os padrões da ANP. Com isso, João Paulo pode utilizar o biodiesel nas máquinas e veículos da fazenda. "O laudo não me dá autorização para vender, porém permite utilizar o combustível na fazenda", explica João Paulo.

Mas a inovação trouxe um novo problema. É que o biodiesel gera um subproduto que não pode ser descartado na natureza, a glicerina. Então, o que fazer com a glicerina? Produzir sabão. Isso mesmo, sabão. Hoje, o produto, com comprovado teor de limpeza, é usado para lavar instalações, máquinas e veículos da fazenda Pork Terra. "É mais 100% de economia", afirma.

Energia

As inovações também permitiram que a fazenda Pork Terra reduzisse em 50% o gasto com energia elétrica. Os dejetos dos suínos, que têm alta concentração de gás metano, um dos principais responsáveis pelo aquecimento global, eram jogados em uma nascente dentro da fazenda. Com as pesquisas, João Paulo passou a produzir biogás - que hoje alimenta não apenas a parte elétrica, como também é utilizado nos fogões a gás da propriedade. "Não compro mais gás liquefeito de petróleo, o GLP", diz o empresário.

Além de energia, os dejetos são transformados em biofertilizante usado nos 75 hectares de café da fazenda. Nesse caso, a economia atual é de 40%, já que o produtor rural optou por misturar o fertilizante que produz aos encontrados hoje no mercado. "É que no início usei 100% e houve uma quebra, ainda que pequena, da safra. Isso acontece sempre que se muda o trato", diz.

E, depois de tantas inovações, qual será o próximo passo desse empreendedor rural? "Ainda não descobri, mas vou embalar "berro" de porco para vender para os palmeirenses", diz. Bom, pode ser que dê certo, afinal o símbolo do Palmeiras é um porco.

Contato:
Pork Terra - João Paulo Muniz - (19) 3662-8162
Agência Sebrae de Notícias - (61) 3348-7494

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[19/10/2017] - Saída da JBS trava mercado do boi no MS
[19/10/2017] - Pecuaristas não aceitam tombo da arroba no MS
[19/10/2017] - CPI: ação da JBS é estratégia do medo
[19/10/2017] - Protesto de funcionários da JBS reúne 4 mil no MS
[19/10/2017] - Com parada da JBS, pecuaristas pedem ICMS menor
[19/10/2017] - Justiça suspende bloqueio de bens dos Batista
[19/10/2017] - Arroba: parada da JBS afeta mercado do boi em SP

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[19/10/2017] - Incerteza trava o mercado do boi
[19/10/2017] - Cade: venda do Mataboi deve ser anulada em 1 mês
[19/10/2017] - Marfrig reinicia abates em mais uma unidade
[19/10/2017] - Exportação de boi tem queda de quase 70%
[19/10/2017] - Leite cada vez mais caro para produzir
[19/10/2017] - Queda do leite deixa produtores com dívidas
[19/10/2017] - Produtores e índios querem trabalhar. E a Funai?
[19/10/2017] - Juízes e fiscais se recusam a aplicar nova lei
[18/10/2017] - JBS suspende abates em todas as unidades do MS
[18/10/2017] - Cade rejeita compra do Mataboi por Júnior Friboi
[18/10/2017] - BNDES pagou caro por ações da JBS, diz TCU
[18/10/2017] - Arroba: mercado do boi está devagar
[18/10/2017] - Polpa cítrica está mais cara
[18/10/2017] - Cade em alerta por concentração em insumos
[17/10/2017] - A verdade sobre a portaria do trabalho escravo
[17/10/2017] - Funcionários da JBS temem demissões em massa
[17/10/2017] - JBS disse que quer vender ações nos EUA em 2018
[17/10/2017] - CVM abre processo contra diretor da JBS
[17/10/2017] - Exportações de carne bovina sinalizam recorde
[17/10/2017] - UE: França vai usar Carne Fraca para barrar acordo
[17/10/2017] - Arroba: mercado trava com ofertas baixas
[17/10/2017] - Reposição sofre com a seca e indefinição da arroba
[17/10/2017] - Maggi: bloqueio ao leite uruguaio é temporário
[17/10/2017] - Produtores pedem maior atenção à pecuária de leite
[16/10/2017] - JBS desiste de oferta de ações nos EUA
[16/10/2017] - Cade deve rejeitar nesta semana compra do Mataboi
[16/10/2017] - Arroba: mercado vive impasse
[16/10/2017] - Atacado da carne caiu mas margem de frigo subiu
[16/10/2017] - ICMS cai, mas preço da carne não cairá
[16/10/2017] - Leite: produtor pede socorro
[16/10/2017] - Governo envia missão para discutir leite uruguaio
[16/10/2017] - Reposição lenta não derruba preços em MG
[16/10/2017] - Uréia agrícola está mais cara
[16/10/2017] - Argentina quer 5% do mercado da UE para o Mercosul
[11/10/2017] - MPF concorda com a PF e denuncia irmãos Batista
[11/10/2017] - PF vê risco de calote bilionário da JBS
[11/10/2017] - Frigoríficos esperam novos mercados ainda em 2017
[11/10/2017] - Arroba: mercado em ritmo de feriadão
[11/10/2017] - MAPA tenta solução para vender mais ao Irã
[11/10/2017] - Brasil suspende importação de leite do Uruguai
[11/10/2017] - O leite vai subir com embargo ao Uruguai?
[11/10/2017] - CEPEA: consumo de leite ainda é fraco
[11/10/2017] - Produtor de leite vive momento complicado
[11/10/2017] - Milho volta a subir
[10/10/2017] - Justiça já bloqueou R$ 730 milhões da JBS
[10/10/2017] - PF aponta que irmãos Batista manipularam o mercado
[10/10/2017] - Carne: preço sobe e ensaia recuperação
[10/10/2017] - Exportações: outubro começou com alta de 25%
[10/10/2017] - Arroba: frigoríficos estão testando o pecuarista
[10/10/2017] - Governo do MT não vai prorrogar ICMS menor

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br