Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
 
 
 
 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Qual o tamanho de um módulo fiscal ou rural?
 
 
Publicado em 02/06/2011

As mudanças no Código Florestal aprovadas na última semana pela Câmara dos Deputados ainda têm um longo caminho até se transformar em lei. Enquanto isso não ocorre, continuam as dúvidas sobre diversos pontos do projeto. Um deles é o módulo fiscal, que pode definir a recomposição das áreas de Reserva Legal que foram desmatadas.

O texto aprovado pela Câmara isenta pequenos produtores da obrigatoriedade de recompor a reserva legal em propriedades de até quatro módulos fiscais. Esta unidade de medida expressa em hectares é específica para cada município brasileiro e definida por uma série de itens.

– É a cultura predominante naquele município, a renda obtida por aquela cultura, a distância dos grandes centros, outras culturas que não são predominantes, mas que são importantes na renda da formação familiar daquele município. Este conjunto de culturas é que vai definir por município qual é o seu módulo fiscal – explica chefe da divisão de ordenamento da estrutura fundiária Incra, Francisco Lemos.

Nas maiores capitais brasileiras o módulo fiscal equivale a cinco hectares. E nenhum módulo vale menos que isso. No Acre, ele chega ao limite de cem hectares nos municípios do interior e é fixado em 70 hectares em Rio Branco, a capital do Estado.

No Rio Grande do Sul, que apresenta culturas diversificadas, como uva, arroz, soja, trigo, além da pecuária, os módulos fiscais ficam, em média, entre 18 e 20 hectares, podendo chegar a 40.

Em Santa Catarina, o valor médio do módulo fiscal fica entre 12 e 20 hectares. A atividade predominante é a exploração de leite, aves, suínos e grãos. O Código Florestal, como está proposto, trouxe ânimo aos produtores da região. No Estado, 96% das propriedades rurais se encaixam no perfil de agricultura familiar, com menos de quatro módulos.

Nos 399 municípios do Paraná, os módulos fiscais variam de 20 a 120 hectares. As principais atividades são o plantio de soja, milho e trigo e a pecuária de corte e leiteira. O Estado tem 514 mil propriedades rurais cadastradas. Desse total, mais de 470 mil têm até quatro módulos fiscais. Elas representam 92% das propriedades paranaenses que não vão precisar recompor a reserva legal a partir da aprovação do novo Código Florestal.

Minas Gerais é o Estado brasileiro com o maior número de municípios, são 853. Em alguns deles, o módulo fiscal chega a 70 hectares. É o caso de Pirapora, por exemplo, onde áreas com até 280 hectares estariam isentas de recompor a Reserva Legal. Os produtores acreditam que pela diversidade produtiva mineira, todas as culturas vão ser beneficiadas, do café ao leite.

Em São Paulo, os municípios com menor módulo fiscal ficam na região de Mogi Mirim, no cinturão verde, com foco na produção de hortaliças. Já os maiores módulos fiscais ficam na região do Vale do Paraíba, tradicional produtor de frutas. Em média, os módulos equivalem a 19,2 hectares no Estado. Mais da metade dos municípios paulistas estão abaixo deste índice.

Em Mato Grosso, Estado com uma vasta extensão territorial, o tamanho do módulo fiscal é grande se comparado ao de outras regiões do país. Com exceção da capital, Cuiabá, onde o módulo corresponde a 30 hectares, nos demais municípios vai de 60 a até cem hectares. Em Sorriso, cidade reconhecida por registrar as maiores produções de soja e milho safrinha do Brasil, propriedades com até 360 hectares não vão precisar recompor a reserva legal caso o novo Código Florestal seja sancionado. Com informações do Canal Rural.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/01/2015] - Oferta curta segura a arroba do boi
[26/01/2015] - Rebanho em alta no Mato Grosso
[26/01/2015] - Preço da carne dispara no RS
[26/01/2015] - Churrasco está mais caro também em SP
[26/01/2015] - Venezuela quer comprar mais carne brasileira
[26/01/2015] - Seguro rural: calote ainda sem solução

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/01/2015] - Arroba: vendas de carne preocupam frigoríficos
[23/01/2015] - Fim do embargo russo: preocupação para o Brasil?
[23/01/2015] - JBS já é a quarta maior exportadora do Brasil
[23/01/2015] - Falta de chuva e preço travam a reposição
[23/01/2015] - Produtores de leite vivem drama no RS
[23/01/2015] - Crise no leite também chegou a SC
[23/01/2015] - Carne já é apontada como vilã da iinflação
[23/01/2015] - Crédito: o maior desafio de Kátia Abreu
[23/01/2015] - Venezuela deve US$ 5 bi a exportadores do Brasil
[22/01/2015] - Governo investiga brucelose em frigorífico
[22/01/2015] - Já tem frigorífico pagando mais pela arroba
[22/01/2015] - CEPEA: pecuarista não aceita pressão
[22/01/2015] - Kátia promete novas regras para frigoríficos
[22/01/2015] - Dilma volta a obrigar produtor a emplacar trator
[22/01/2015] - Indicados por Kátia respondem a processos
[22/01/2015] - Superávit do agro caiu 17% em SP
[21/01/2015] - Arroba do boi: animais de pasto começam a aparecer
[21/01/2015] - Kátia Abreu define relacionamento com frigoríficos
[21/01/2015] - Vendas caem mas preço da carne se mantém
[21/01/2015] - Inseminação cresce com alta na arroba
[21/01/2015] - Brasil dobrou exportações de lácteos em 2014
[21/01/2015] - Ministro quer Kátia fora da PEC das demarcações
[21/01/2015] - Governo tenta solucionar calote do seguro rural
[20/01/2015] - Sindicato ameaça Marfrig com greve nacional
[20/01/2015] - Mais um Batista para dominar o mercado?
[20/01/2015] - Mercado do boi gordo espera por uma definição
[20/01/2015] - Cinco países dominam exportações do agro do Brasil
[20/01/2015] - Bezerro 45% mais caro em Rondônia
[20/01/2015] - Importação de lácteos caiu em 2014
[20/01/2015] - Processo de rastreabilidade gera polêmica no MS
[19/01/2015] - Queda da carne trava compra de boi
[19/01/2015] - Frango na frente na concorrência com o boi
[19/01/2015] - Governo quer dar benefícios para manter Marfrig
[19/01/2015] - Área do milho deve cair 10%
[19/01/2015] - Kátia Abreu: abertura chinesa ajudou pouco
[16/01/2015] - Tabelamento do frete causa polêmica no MT
[16/01/2015] - Rial sai no melhor momento do Marfrig
[16/01/2015] - Um uruguaio no comando do Marfrig
[16/01/2015] - Mercado do boi termina a semana firme
[16/01/2015] - Demanda por reposição deve aumentar
[16/01/2015] - Oferta curta segura a arroba no Tocantins
[16/01/2015] - Como é feito o estudo epidemiológico para aftosa?
[15/01/2015] - CEO do Marfrig renuncia, papéis caem na Bolsa
[15/01/2015] - Frigoríficos já pagam mais pela arroba
[15/01/2015] - CEPEA: pecuaristas resistem a arroba menor
[15/01/2015] - Cai a diferença entre a arroba de SP e MT
[15/01/2015] - Leite longa vida continua caindo
[15/01/2015] - Banco vê tendência de concentração no leite
[15/01/2015] - Agro: um setor de quase meio trilhão
[14/01/2015] - Frigoríficos pagam acima da referência pelo boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br