Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
 
 
 
 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Confinamento de carneiro faz sucesso em GO
 
 
Publicado em 22/08/2011

Goiás ocupa uma posição de destaque quando o assunto é confinamento de bovinos. Mas, confinamento de ovinos é novidade em Goiás. Uma experiência de criação de carneiros em sistema fechado está dando certo na região sudoeste do Estado.

Os animais engordam 300 gramas por dia e, aos seis meses de idade, com 35 quilos, já estão prontos para o abate.

A paixão do médico veterinário Aguilar Leão Motta são estes pequenos animais. Na fazenda que fica em Santo Antônio da Barra, a 180 km de Goiânia, a criação de carneiros é uma das principais atividades.

Até os dois meses, eles são criados no pasto com capins tifton e massai. Parece simples, mas esta é a fase mais difícil.

Segundo Aguilar, esta é a fase que diferencia a atividade e indica se vai ser um bom negócio ou não. “Tem que ter muito cuidado nessa fase de manejo, de rotação de pastagem”, reforça.

A fêmea leva de 10 a 12 meses para começar a reproduzir e tem uma média de dois partos por ano. Se a alimentação for boa, aumentam as chances de ter gêmeos. O que é bom para o criador.

E além do cuidado com a alimentação, é importante prevenir doenças, que atacam muitos borregos. “O controle da verminose tem que ser bem eficiente. A gente faz de três a quatro aplicações por ano”, observa o médico veterinário.

Existem 15 pequenos criadores de ovinos na região sudoeste de Goiás. Mas Aguilar foi o único a implementar um sistema que acelerou a engorda, de um jeito muito simples. Foi só aproveitar o espaço que já existia no curral.

A estrutura do curral foi praticamente mantida. Os antigos cochos, usados para engordar os animais, que participavam de exposições agropecuárias, ainda permanecem.

A única mudança foi adaptar a altura dos cochos aos novos hóspedes. Em 100 metros quadrados, estão confinados 60 cordeiros.

Os animais chegam novinhos, pesando, no máximo, 20 quilos. Eles comem à vontade, no mínimo três vezes por dia, uma ração específica para ovinos. E assim, engordam 300 gramas por dia.

Com seis ou sete meses já estão prontos para o abate, como é o caso de um carneiro macho, da raça Santa Inês, que nem trocou os dentes ainda.

Segundo o médico veterinário, ele está no ponto para o abate. “Pesa em torno de 35 quilos e sua área de lombo e de cortes nobres está formada. O macho atinge o ponto de abate mais rapidamente do que a fêmea”, explica Aguilar.

Diferentemente do confinamento de bovinos, o de ovinos costuma ser feito durante o ano todo.

A ideia surgiu há quatro anos por causa da necessidade de padronizar o rebanho para o abate.

“Às vezes a gente chegava na propriedade para comprar o animal e tinha animal de 20 kg e de 40kg. Então, para padronizar os cortes, optamos por montar um confinamento onde lá é possível padronizar uma carcaça. Se eu quero uma carcaça de 16kg, preciso abater um animal de 40kg. Pois o carneiro dá um rendimento de aproximadamente 40%”, explica Aguilar .

O confinamento gera também uma economia e torna a atividade bem mais lucrativa. O veterinário é otimista quando fala da produção.

Hoje são 50 animais todos em plenas condições de engorda. “Se tivéssemos 500 também teríamos condições de engordá-los. O problema é que falta animal no mercado. A atividade é limitada pela falta de oferta de cordeiros”, declara Aguilar.

Segundo ele, o mercado é excelente. “Se eu tivesse 500 animais por mês, conseguiria vender os 500 e ainda iria faltar. O mercado está extremamente aberto e a carne está caindo no gosto do consumidor”, avalia o produtor rural. Com informações do Globo Rural.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[27/01/2015] - Especulação toma conta do mercado do boi
[27/01/2015] - Falta boi no Mato Grosso
[27/01/2015] - Boi firme em Três Lagoas
[27/01/2015] - Liminar impede demissões no Marfrig
[27/01/2015] - Justiça manda União indenizar produtores
[27/01/2015] - Produtores recorrem contra demarcação

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[26/01/2015] - Oferta curta segura a arroba do boi
[26/01/2015] - Rebanho em alta no Mato Grosso
[26/01/2015] - Preço da carne dispara no RS
[26/01/2015] - Churrasco está mais caro também em SP
[26/01/2015] - Venezuela quer comprar mais carne brasileira
[26/01/2015] - Seguro rural: calote ainda sem solução
[23/01/2015] - Arroba: vendas de carne preocupam frigoríficos
[23/01/2015] - Fim do embargo russo: preocupação para o Brasil?
[23/01/2015] - JBS já é a quarta maior exportadora do Brasil
[23/01/2015] - Falta de chuva e preço travam a reposição
[23/01/2015] - Produtores de leite vivem drama no RS
[23/01/2015] - Crise no leite também chegou a SC
[23/01/2015] - Carne já é apontada como vilã da iinflação
[23/01/2015] - Crédito: o maior desafio de Kátia Abreu
[23/01/2015] - Venezuela deve US$ 5 bi a exportadores do Brasil
[22/01/2015] - Governo investiga brucelose em frigorífico
[22/01/2015] - Já tem frigorífico pagando mais pela arroba
[22/01/2015] - CEPEA: pecuarista não aceita pressão
[22/01/2015] - Kátia promete novas regras para frigoríficos
[22/01/2015] - Dilma volta a obrigar produtor a emplacar trator
[22/01/2015] - Indicados por Kátia respondem a processos
[22/01/2015] - Superávit do agro caiu 17% em SP
[21/01/2015] - Arroba do boi: animais de pasto começam a aparecer
[21/01/2015] - Kátia Abreu define relacionamento com frigoríficos
[21/01/2015] - Vendas caem mas preço da carne se mantém
[21/01/2015] - Inseminação cresce com alta na arroba
[21/01/2015] - Brasil dobrou exportações de lácteos em 2014
[21/01/2015] - Ministro quer Kátia fora da PEC das demarcações
[21/01/2015] - Governo tenta solucionar calote do seguro rural
[20/01/2015] - Sindicato ameaça Marfrig com greve nacional
[20/01/2015] - Mais um Batista para dominar o mercado?
[20/01/2015] - Mercado do boi gordo espera por uma definição
[20/01/2015] - Cinco países dominam exportações do agro do Brasil
[20/01/2015] - Bezerro 45% mais caro em Rondônia
[20/01/2015] - Importação de lácteos caiu em 2014
[20/01/2015] - Processo de rastreabilidade gera polêmica no MS
[19/01/2015] - Queda da carne trava compra de boi
[19/01/2015] - Frango na frente na concorrência com o boi
[19/01/2015] - Governo quer dar benefícios para manter Marfrig
[19/01/2015] - Área do milho deve cair 10%
[19/01/2015] - Kátia Abreu: abertura chinesa ajudou pouco
[16/01/2015] - Tabelamento do frete causa polêmica no MT
[16/01/2015] - Rial sai no melhor momento do Marfrig
[16/01/2015] - Um uruguaio no comando do Marfrig
[16/01/2015] - Mercado do boi termina a semana firme
[16/01/2015] - Demanda por reposição deve aumentar
[16/01/2015] - Oferta curta segura a arroba no Tocantins
[16/01/2015] - Como é feito o estudo epidemiológico para aftosa?
[15/01/2015] - CEO do Marfrig renuncia, papéis caem na Bolsa
[15/01/2015] - Frigoríficos já pagam mais pela arroba

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br