Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
140,00 132,00 135,00
GO MT RJ
132,00 129,00 136,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1200,00
Garrote 18m 1430,00
Boi Magro 30m 1720,00
Bezerra 12m 900,00
Novilha 18m 1130,00
Vaca Boiadeira 1350,00

Atualizado em: 19/10/2017 10:19

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Gases da pecuária - o outro lado da moeda

 
 
 
Publicado em 31/01/2007
por Maurício Palma Nogueira*

A FAO – órgão das Nações Unidas para questões relacionadas à agricultura e alimentação - recomendou que a pecuária bovina resolvesse o “problema” ambiental que causa. Em recente estudo divulgado com o capcioso nome de “A grande sombra da pecuária”, de autoria de Henning Steinfeld, concluiu-se que os bovinos estão entre os grandes responsáveis pelo efeito estufa.

Segundo o estudo, o maior problema da pecuária é a emissão de metano (CH4). Cerca de 35% a 40% das emissões de metano vêm da pecuária bovina. O metano é 21 vezes mais prejudicial que o gás carbônico (CO2).

As produções de metano pelos bovinos variam de acordo com a alimentação. De maneira geral, animais alimentados exclusivamente a pasto emitem mais metano (CH4) que animais suplementados com concentrados. Em média, considera-se que bovinos emitam 56 kg/ano de metano. A emissão de gás carbônico, num rebanho de composição proporcional ao brasileiro, é de cerca de 50 kg/ano. As informações são baseadas em dados do IPCC (Intergovermental Panel on Climate Change), painel inter-governamental que acompanha as mudanças climáticas no mundo.

No entanto, os resultados são apresentados de maneira parcial, contendo apenas meias verdades. A impressão que fica é que a pecuária acaba sendo proibitiva, sob pena de grandes impactos ao meio ambiente. É preciso avaliar a contrapartida desta realidade; se os bovinos, assim como todos os demais animais, emitem gases poluidores, é preciso analisar os efeitos positivos da produção de pastagens para criá-los.

A pecuária brasileira, segundo estimativas da Scot Consultoria, possui 191,3 milhões de cabeças distribuídas em 176 milhões de hectares. Em média, portanto, existe 1,08 bovino sobre cada hectare de pastagem. Sendo assim, por hectare, os bovinos brasileiros emitem 60,5 kg de metano e 54 kg de gás carbônico por ano.

Porém, as mesmas pastagens que sustentam os bovinos também seqüestram carbono. Ainda existem poucos estudos, mas há estimativas de que, nas atuais condições, as pastagens brasileiras seqüestrem cerca de uma tonelada de carbono por ano para cada hectare. Outros dados sugerem que, quando bem manejadas, as pastagens podem seqüestrar 2 toneladas de carbono por ano/hectare. São informações de pesquisadores da Embrapa e de outras instituições, em estudos divulgados recentemente.

Nestas condições, o saldo ambiental da atividade pecuária é de 860 kg/ha de carbono seqüestrado por ano. Em outras palavras, para cada quilo de carbono emitido pelos bovinos, a mesma área ocupada retém 15,3 quilos.

Extrapolando a partir da demanda de matéria seca por animal, eficiência de pastejo, porcentagem de carbono na matéria seca e quantidade de carbono que fica retida no solo, pode-se estimar, grosso modo, aumentos da ordem de 1,5 a 2,0 toneladas de carbono seqüestrados para cada unidade animal que se aumentar na lotação da área.

O próprio nitrogênio da adubação contribuiria para aumentar o seqüestro de carbono. Para que o carbono não vá para a atmosfera, é preciso haver uma relação ideal entre carbono e nitrogênio. O nitrogênio ajuda na retenção de carbono.

Portanto, a pecuária não é problema ambiental nenhum. Mas é possível reduzir ainda mais as emissões, com melhor uso de resíduos, biodigestores, aumento de nitrogênio no sistema e outras medidas que permitam maior eficiência no uso do carbono.

*Maurício Palma Nogueira é engenheiro agrônomo diretor da Scot Consultoria.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[19/10/2017] - Saída da JBS trava mercado do boi no MS
[19/10/2017] - Pecuaristas não aceitam tombo da arroba no MS
[19/10/2017] - CPI: ação da JBS é estratégia do medo
[19/10/2017] - Protesto de funcionários da JBS reúne 4 mil no MS
[19/10/2017] - Com parada da JBS, pecuaristas pedem ICMS menor
[19/10/2017] - Justiça suspende bloqueio de bens dos Batista
[19/10/2017] - Arroba: parada da JBS afeta mercado do boi em SP

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[19/10/2017] - Incerteza trava o mercado do boi
[19/10/2017] - Cade: venda do Mataboi deve ser anulada em 1 mês
[19/10/2017] - Marfrig reinicia abates em mais uma unidade
[19/10/2017] - Exportação de boi tem queda de quase 70%
[19/10/2017] - Leite cada vez mais caro para produzir
[19/10/2017] - Queda do leite deixa produtores com dívidas
[19/10/2017] - Produtores e índios querem trabalhar. E a Funai?
[19/10/2017] - Juízes e fiscais se recusam a aplicar nova lei
[18/10/2017] - JBS suspende abates em todas as unidades do MS
[18/10/2017] - Cade rejeita compra do Mataboi por Júnior Friboi
[18/10/2017] - BNDES pagou caro por ações da JBS, diz TCU
[18/10/2017] - Arroba: mercado do boi está devagar
[18/10/2017] - Polpa cítrica está mais cara
[18/10/2017] - Cade em alerta por concentração em insumos
[17/10/2017] - A verdade sobre a portaria do trabalho escravo
[17/10/2017] - Funcionários da JBS temem demissões em massa
[17/10/2017] - JBS disse que quer vender ações nos EUA em 2018
[17/10/2017] - CVM abre processo contra diretor da JBS
[17/10/2017] - Exportações de carne bovina sinalizam recorde
[17/10/2017] - UE: França vai usar Carne Fraca para barrar acordo
[17/10/2017] - Arroba: mercado trava com ofertas baixas
[17/10/2017] - Reposição sofre com a seca e indefinição da arroba
[17/10/2017] - Maggi: bloqueio ao leite uruguaio é temporário
[17/10/2017] - Produtores pedem maior atenção à pecuária de leite
[16/10/2017] - JBS desiste de oferta de ações nos EUA
[16/10/2017] - Cade deve rejeitar nesta semana compra do Mataboi
[16/10/2017] - Arroba: mercado vive impasse
[16/10/2017] - Atacado da carne caiu mas margem de frigo subiu
[16/10/2017] - ICMS cai, mas preço da carne não cairá
[16/10/2017] - Leite: produtor pede socorro
[16/10/2017] - Governo envia missão para discutir leite uruguaio
[16/10/2017] - Reposição lenta não derruba preços em MG
[16/10/2017] - Uréia agrícola está mais cara
[16/10/2017] - Argentina quer 5% do mercado da UE para o Mercosul
[11/10/2017] - MPF concorda com a PF e denuncia irmãos Batista
[11/10/2017] - PF vê risco de calote bilionário da JBS
[11/10/2017] - Frigoríficos esperam novos mercados ainda em 2017
[11/10/2017] - Arroba: mercado em ritmo de feriadão
[11/10/2017] - MAPA tenta solução para vender mais ao Irã
[11/10/2017] - Brasil suspende importação de leite do Uruguai
[11/10/2017] - O leite vai subir com embargo ao Uruguai?
[11/10/2017] - CEPEA: consumo de leite ainda é fraco
[11/10/2017] - Produtor de leite vive momento complicado
[11/10/2017] - Milho volta a subir
[10/10/2017] - Justiça já bloqueou R$ 730 milhões da JBS
[10/10/2017] - PF aponta que irmãos Batista manipularam o mercado
[10/10/2017] - Carne: preço sobe e ensaia recuperação
[10/10/2017] - Exportações: outubro começou com alta de 25%
[10/10/2017] - Arroba: frigoríficos estão testando o pecuarista
[10/10/2017] - Governo do MT não vai prorrogar ICMS menor

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br