Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
146,00 131,00 142,00
GO MT RJ
142,00 131,00 141,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1280,00
Garrote 18m 1550,00
Boi Magro 30m 1910,00
Bezerra 12m 950,00
Novilha 18m 1170,00
Vaca Boiadeira 1320,00

Atualizado em: 13/12/2017 12:20

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Entre o dólar e os impostos

 
 
 
Publicado em 08/02/2007

Editorial de "O Estado de S. Paulo" de 8/02/2007

Não é choradeira. A maior parte dos empresários tem motivos de sobra para reclamar da valorização do real. Com o dólar despencando para menos de R$ 2,09 no começo da semana, até os mais otimistas decidiram juntar-se ao coro de protestos. O problema aflige tanto exportadores quanto produtores voltados para o mercado interno. A questão não se reduz à concorrência chinesa, apoiada em custos baixos e moeda subvalorizada. Há sinais de inquietação até nos setores favorecidos pela demanda externa crescente e pelos preços em alta. Nesta altura, o risco é reconhecido tanto na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) quanto em Brasília. Mas qual a solução? Berrar é muito mais fácil do que apontar uma saída eficaz, mas, apesar disso, todos têm o direito de cobrar uma resposta do governo.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem preferido omitir-se, deixando ministros e aliados concentrar o fogo no Banco Central (BC). O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, foi obviamente além dos limites. Segundo ele, a política monetária é malconduzida e o BC bobeou - a palavra foi essa mesma - ao reduzir o ritmo de redução dos juros. Em qualquer organização bem administrada isso valeria pelo menos uma reprimenda, mas o presidente Lula não parece disposto a exercer esse tipo de liderança ou talvez não esteja preparado para isso.

Indisciplina à parte, resta avaliar o conteúdo da crítica. Muitos empresários, sindicalistas e economistas têm ponto de vista semelhante, mas é um evidente exagero apontar os juros como a causa principal da valorização do câmbio. Quando os juros básicos estavam em 19,75% ao ano, o dólar valia cerca de R$ 2,30. Os juros caíram para 13% e o dólar baixou até R$ 2,09, ontem, porque outros fatores também têm grande peso na formação do câmbio. O primeiro deles é o volume de dinheiro no mercado internacional. Sobram dólares em todo o mundo e esse é o primeiro dado relevante.

Em segundo lugar, o BC não pode simplesmente abandonar seu objetivo essencial, o controle da inflação, para cuidar do câmbio. Talvez pudesse baixar os juros mais velozmente, já que a política antiinflacionária tem sido um sucesso. Mas quanto poderia cortar, diante do evidente afrouxamento da política fiscal? Com a gastança em alta, a autoridade monetária continua sendo a única responsável pela contenção dos preços.

O BC poderia, argumentam alguns, limitar o ingresso de moeda estrangeira, impondo uma quarentena aos capitais de curto prazo. Mas essa medida seria um retrocesso político e poderia criar muito mais confusão e insegurança do que benefícios. Depois, a balança comercial continua altamente superavitária, apesar do aumento da importação, e a maior parte dos dólares tem entrado por essa porta. Continuariam a entrar, mesmo com juros mais baixos.

Parte desse dinheiro poderia ter ficado no exterior, graças à permissão para os empresários manterem fora do País 30% da receita comercial. Mas essa inovação, incluída no pacote cambial de agosto, nunca foi regulamentada, como lembrou na terça-feira o diretor do Departamento de Comércio Exterior da Fiesp, Roberto Giannetti da Fonseca. O governo, mais uma vez, se mostrou incapaz de pôr em prática uma inovação longamente discutida, aprovada e incorporada oficialmente ao arsenal da política econômica. Esta é a raiz da maior parte dos problemas do crescimento.

O debate sobre o câmbio poderia ser importante em qualquer circunstância. No Brasil, no entanto, sua relevância é ampliada de forma desmesurada, porque os produtores têm de carregar muito mais peso que seus concorrentes. Podem ser eficientes na fábrica ou na fazenda, mas seu poder de competição é corroído pela infra-estrutura deficiente, pela burocracia, pela escassez de crédito e, sobretudo, pelos impostos. Esses produtores são tributados muito mais pesadamente que os seus concorrentes desde a compra de máquinas e equipamentos.

Isso não mudará num prazo razoável. O governo poderá oferecer uma ou outra bondade fiscal, mas continuará a depender da tributação excessiva para cobrir seus gastos sem controle. Câmbio nunca é mais que uma solução temporária para problemas de competitividade. Solução para valer envolve outras ações. Os empresários têm feito sua parte. O governo recusa-se a fazer a sua.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[13/12/2017] - Arroba: frigoríficos estão precisando comprar boi
[13/12/2017] - Reposição ganha força com a chegada das chuvas
[13/12/2017] - Exportação de gado subiu quase 32% em 2017
[13/12/2017] - Agência prevê 2018 melhor para os frigoríficos
[13/12/2017] - Mercosul cede, mas UE adia acordo para 2018
[13/12/2017] - Brasil trabalha forte para abrir mercado britânico
[13/12/2017] - Maggi crê que mercado dos EUA será reaberto logo

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[13/12/2017] - Argentina ganha espaço entre os exportadores
[13/12/2017] - JBS deverá devolver terreno de frigorífico no MT
[13/12/2017] - Câmara conclui aprovação da Lei do Funrural
[13/12/2017] - Famato pede prorrogação para inscrição no CAR
[13/12/2017] - MST invade fazenda recém-desocupada no Paraná
[12/12/2017] - Exportações de carne bovina: recorde histórico
[12/12/2017] - MAPA vai atender exigências dos russos
[12/12/2017] - Arroba: frigoríficos tentam segurar alta do boi
[12/12/2017] - Produção de carne fica estável no MS
[12/12/2017] - Frigoríficos criticam imposto menor para o boi
[12/12/2017] - Mais um processo contra a JBS e Wesley Batista
[12/12/2017] - UE quer abertura, mas carne bovina ainda é entrave
[11/12/2017] - Operação da PF investiga propina da JBS a fiscal
[11/12/2017] - Arroba continua a subir com firmeza
[11/12/2017] - Carne sobe e melhora perspectiva para o boi
[11/12/2017] - Reposição começa a se agitar no Tocantins
[11/12/2017] - Acordo com a UE pode ser anunciado até o dia 21
[11/12/2017] - Missão oficial de Hong Kong inspeciona frigorífico
[11/12/2017] - Funrural: votação deve acabar amanhã na Câmara
[11/12/2017] - Venda de milho está parada
[08/12/2017] - Arroba: frigoríficos pagam cada vez mais pelo boi
[08/12/2017] - Frigoríficos: vendas para o Natal surpreendem
[08/12/2017] - Reação do mercado agora depende do consumidor
[08/12/2017] - JBS diz que vai recuperar o mercado perdido
[08/12/2017] - BNDES deve vender ações da JBS
[08/12/2017] - JBS mantém planos de vender ações em NY
[08/12/2017] - Venda da Itambé pode parar na Justiça
[08/12/2017] - Governo do MS reduz impostos para laticínios
[08/12/2017] - Preço do farelo de algodão cai com força
[07/12/2017] - Arroba: boi sobe e tem mais espaço para alta
[07/12/2017] - Preço do bezerro sobe com volta das chuvas
[07/12/2017] - Exportações podem fechar ano com forte alta
[07/12/2017] - Ameaça de Trump faz México buscar carne do Brasil
[07/12/2017] - Negociações para reabertura da Rússia vão bem
[07/12/2017] - Compra da Itambé cria nova líder no leite
[07/12/2017] - Índios pedem ajuda para poder produzir
[06/12/2017] - Arroba: cotações firmes e subindo
[06/12/2017] - Confinamento deve fechar o ano com alta de 5,5%
[06/12/2017] - CCPR surpreende e vende Itambé imediatamente
[06/12/2017] - Leite: qual a perspectiva para os próximos meses?
[06/12/2017] - Leite caiu, mas custo de produção segue subindo
[06/12/2017] - Lácteos: Brasil importa menos, mas deficit segue
[06/12/2017] - Gilmar Mendes pede vista e Wesley continuará preso
[06/12/2017] - CPI da JBS pode convocar Lula e Dilma para depor
[06/12/2017] - Bancada corre contra o tempo por Funrural
[06/12/2017] - CNA pede aprovação da Reforma da Previdência
[06/12/2017] - Fazenda de frigorífico falido é invadida em SP
[05/12/2017] - Arroba sobe com demanda firme
[05/12/2017] - Carnes sobem e devem puxar a arroba do boi
[05/12/2017] - Recuperação no consumo puxa ações de frigoríficos

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br