Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
141,00 133,00 137,00
GO MT RJ
133,00 130,00 136,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1200,00
Garrote 18m 1430,00
Boi Magro 30m 1720,00
Bezerra 12m 900,00
Novilha 18m 1130,00
Vaca Boiadeira 1350,00

Atualizado em: 16/10/2017 10:09

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

O sucesso do bife de 115 reais

 
 
 
Publicado em 15/02/2007
O espanhol Belarmino Iglesias, dono da cadeia de restaurantes Rubaiyat, detém há anos o título de melhor churrasqueiro do Brasil. Suas carnes foram eleitas seguidamente as melhores do país, e o reinado parecia incontestável. A surpresa veio quando um de seus principais concorrentes, a churrascaria Varanda, também de São Paulo, lançou no ano passado uma novidade: o bife de Kobe, carne de origem japonesa e praticamente desconhecida no país. O lançamento causou um dos maiores rebuliços gastronômicos do ano passado. Essa sensação toda se deve a dois motivos. O primeiro é o preço. Cada bife custa 115 reais, o dobro da média das melhores churrascarias. O segundo foi a espantosa percepção de que aquele preço todo era justo. Afinal, a carne demonstrou um nível de maciez e sabor muito superior aos similares nacionais. O bife de Kobe conquistou fãs, e o Varanda viu-se repentinamente beneficiado pelo boca-a-boca que se espalhou. Iglesias, porém, decidiu reagir. Em janeiro, uma versão da carne japonesa foi incluída no cardápio de dois de seus restaurantes. Ao longo deste ano estará disponível em toda a rede. "Fui em busca do bife certo", diz o espanhol.

A carne que mobilizou Belarmino Iglesias é uma das mais refinadas iguarias da gastronomia. Especialistas colocam o bife de Kobe ao lado do foie gras, das trufas brancas e das ovas de esturjão-beluga como ícones da culinária mundial. A genética é a grande explicação para sua excelência. O wagyu, raça japonesa da qual é extraída a carne, tem uma imensa quantidade de gordura, e a peculiar maneira com que essa gordura se mistura à carne dá aos bifes suculência e maciez incomparáveis. O gado é originário da região de Hyogo, onde fica a cidade de Kobe. Até meados do século 19, essa raça era usada apenas para puxar carros de boi no cultivo de arroz. O consumo começou com a Revolução Meiji, de 1868, e aos poucos os japoneses descobriram as características únicas da carne e desenvolveram métodos especiais para potencializar essas qualidades. Os animais são alimentados com aveia, bebem cerveja e recebem três sessões diárias de massagem -- tratamento dispensado apenas a atletas olímpicos. Em algumas fazendas, toca-se música clássica para relaxar o gado, e os massagistas usam saquê para deixar o pêlo brilhante. No Japão, as autoridades criaram um índice para medir o nível de gordura entremeada à carne, que vai de 1 a 12. Os cortes que recebem notas acima de 9 são considerados os melhores do planeta.

Além de sabor, maciez, suculência e outros atributos, a conseqüência de tamanho cuidado é o preço. No Japão, o quilo do bife de Kobe chega a custar cerca de 1 000 dólares. No restaurante Nello, em Nova York, um bife acompanhado de batatas fritas sai por 750 dólares. Caso ganhe algumas raspas de trufas brancas, a conta sobe para 1 050 dólares. Uma mania mais recente é a transformação da carne de wagyu em hambúrguer, algo visto pelos mais puristas como um sacrilégio equivalente a fazer um suco de caviar com laranja. Na Indonésia, o hotel Four Seasons oferece um hambúrguer de wagyu, foie gras, cogumelo de Portobello e pêra coreana por 110 dólares. Recentemente, o restaurante madrileno Estik lançou um hambúrguer de Kobe que custa cerca de 250 euros. No Brasil, os cortes custam por volta de 100 reais. O bife mais pedido é o contra-filé -- extraído da região dorsal do animal, a que recebe mais massagens e tem maior quantidade de gordura.

O SUCESSO DO BIFE JAPONES vem causando problemas no mercado brasileiro: está ficando difícil encontrá-lo. Restaurantes como o Madame Butterfly, no Rio de Janeiro, e o D'Artagnan, em Belo Horizonte, contam com a iguaria no cardápio, mas sofrem com a oferta limitada e inconstante. "Tive de tirar a carne do cardápio", diz Jorge Coterno, dono do Tuzzetto, no Rio. Há cerca de 30 produtores no país e a concorrência é grande. A saída encontrada pelos maiores, como Varanda e Rubaiyat, é copiar o sistema desenvolvido pelos restaurantes americanos e criar o próprio rebanho wagyu. No caso do Rubaiyat, trata-se de uma versão híbrida, uma espécie de Kobe paraguaio -- mistura de wagyu com brangus, raça que já abastece a rede. Além das diferenças genéticas, a versão brasileira do gado tem um tratamento menos nababesco que o dispensado a seus ancestrais orientais. Ele não bebe cerveja, por exemplo -- fica na água mesmo. Como se pode atestar pelo crescimento da demanda, porém, os carnívoros brasileiros não têm sentido falta.

Fonte: Exame

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[16/10/2017] - JBS desiste de oferta de ações nos EUA
[16/10/2017] - Cade deve rejeitar nesta semana compra do Mataboi
[16/10/2017] - Arroba: mercado vive impasse
[16/10/2017] - Atacado da carne caiu mas margem de frigo subiu
[16/10/2017] - ICMS cai, mas preço da carne não cairá
[16/10/2017] - Leite: produtor pede socorro
[16/10/2017] - Governo envia missão para discutir leite uruguaio

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[16/10/2017] - Reposição lenta não derruba preços em MG
[16/10/2017] - Uréia agrícola está mais cara
[16/10/2017] - Argentina quer 5% do mercado da UE para o Mercosul
[11/10/2017] - MPF concorda com a PF e denuncia irmãos Batista
[11/10/2017] - PF vê risco de calote bilionário da JBS
[11/10/2017] - Frigoríficos esperam novos mercados ainda em 2017
[11/10/2017] - Arroba: mercado em ritmo de feriadão
[11/10/2017] - MAPA tenta solução para vender mais ao Irã
[11/10/2017] - Brasil suspende importação de leite do Uruguai
[11/10/2017] - O leite vai subir com embargo ao Uruguai?
[11/10/2017] - CEPEA: consumo de leite ainda é fraco
[11/10/2017] - Produtor de leite vive momento complicado
[11/10/2017] - Milho volta a subir
[10/10/2017] - Justiça já bloqueou R$ 730 milhões da JBS
[10/10/2017] - PF aponta que irmãos Batista manipularam o mercado
[10/10/2017] - Carne: preço sobe e ensaia recuperação
[10/10/2017] - Exportações: outubro começou com alta de 25%
[10/10/2017] - Arroba: frigoríficos estão testando o pecuarista
[10/10/2017] - Governo do MT não vai prorrogar ICMS menor
[10/10/2017] - Acrimat: ICMS menor estimula concorrência pelo boi
[09/10/2017] - MPF vê risco de quebra da JBS
[09/10/2017] - Pecuaristas ainda preocupados com a crise da JBS
[09/10/2017] - Carne sobe e pode puxar a arroba do boi
[09/10/2017] - Arroba: frigoríficos tentam pressão sobre o boi
[09/10/2017] - Reposição: esperando pela chuva e pela alta do boi
[09/10/2017] - Pecuaristas do Mercosul criticam oferta européia
[06/10/2017] - Juiz bloqueia todos os bens da família Batista
[06/10/2017] - Justiça do MS bloqueia unidades e R$ 115 mi da JBS
[06/10/2017] - JBS reage a bloqueio de bens e dinheiro no MS
[06/10/2017] - Arroba: nem para lá, nem para cá
[06/10/2017] - Brasil abre mais um mercado para carne
[06/10/2017] - Arroba: preço do boi cai em Belo Horizonte
[06/10/2017] - Pecuaristas pedem volta do ICMS menor no MT
[06/10/2017] - Mato Grosso tem receita recorde com a carne bovina
[06/10/2017] - Pecuaristas denunciam fraude no leite uruguaio
[06/10/2017] - Funrural: Receita ignora resolução do Senado
[06/10/2017] - Governo prorroga desconto no ICMS de insumos
[05/10/2017] - BNDES volta a pedir mudanças na JBS
[05/10/2017] - Advogados vão atrás de provas contra os Batista
[05/10/2017] - Arroba: frigoríficos oferecem mais
[05/10/2017] - Arroba: exportações em alta não deixam sobrar boi
[05/10/2017] - Maggi negocia ampliação das vendas à Rússia
[05/10/2017] - Pecuarista joga 1.000 litros de leite fora
[05/10/2017] - Temer nega ter prometido arrendamento de reservas
[04/10/2017] - Arroba: reação dos preços está próxima?
[04/10/2017] - Reposição: relação de troca melhora no Tocantins
[04/10/2017] - Coaf identifica repasse de frigoríficos a político
[04/10/2017] - Coutinho diz que não apoiou monopólio da JBS
[04/10/2017] - PIB do Agro bate recorde histórico no Mato Grosso
[04/10/2017] - UE oferece cota baixa para carne do Mercosul

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br