Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
146,00 130,00 138,00
GO MT RJ
134,00 132,00 134,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1280,00
Garrote 18m 1530,00
Boi Magro 30m 1920,00
Bezerra 12m 980,00
Novilha 18m 1170,00
Vaca Boiadeira 1350,00

Atualizado em: 23/2/2018 11:29

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

O vilão é o Brasil, seja qual for o motivo

 
 
 
Publicado em 03/05/2007

Por J.R. Guzzo / Revista Exame

Até muito pouco tempo atrás, a maioria das grandes forças da frente ecológica mundial insistia que o Brasil estava produzindo alimentos de mais. Por essa visão das coisas, havia muita soja, muito milho, muita carne, muito frango, e isso comprometia o delicado equilíbrio dos ecossistemas do cerrado, da Amazônia e, no fundo, de qualquer área utilizada para a agricultura ou a pecuária. Ultimamente os mesmos críticos, agora reforçados por Fidel Castro e Hugo Chávez, passaram a condenar o Brasil pelo motivo exatamente oposto. Com a rápida ascensão da cultura da cana, para atender à produção das usinas de etanol, o país estaria se tornando uma perigosa ameaça ao cultivo de alimentos -- para si próprio e para o resto do mundo. Antes, produzia comida em excesso. Agora, vai produzir comida de menos. Ontem desperdiçava, para a mera produção de alimentos, valiosas áreas de preservação ambiental. Hoje desperdiça, para a mera produção de combustíveis, valiosas áreas de cultivo alimentar -- e pode tornar-se um dos grandes responsáveis pela fome mundial. Assim fica difícil.

Na verdade o Brasil não fazia a primeira coisa e não está fazendo a segunda. Curiosamente, porém, o país parece aceitar mais uma vez a cadeira de réu que lhe mandam ocupar -- e, em vez de responder às críticas com fatos, assume passivamente o papel de penitente ecológico ao qual se acostumou nos últimos anos. Marco Aurélio Garcia, assessor especial para assuntos internacionais da Presidência da República, tem procurado defender o Brasil e trazer o assunto para o terreno da racionalidade. Não lhe faltam bons argumentos -- a começar pelo fato central, sublinhado com clareza por ele, de que as pessoas não passam fome pela escassez de alimentos, mas porque não têm dinheiro para comprá-los. Ou, então, pela evidência de que não há nenhuma contradição, nas condições físicas do Brasil, entre produzir ao mesmo tempo comida e etanol. Mas sua voz permanece perdida no ar -- parece não representar nem mesmo uma posição comum e fechada no governo do qual faz parte. Os palpites de qualquer ONG de país rico, ou de comentaristas que têm mais opiniões que conhecimentos, é que dão o tom -- com o reforço de estudos duvidosos do ponto de vista científico e suspeitos do ponto de vista das intenções.

O Brasil tem muito mais a dizer em seu favor no terreno da ecologia do que em geral se imagina. Para ficar num exemplo só, nenhum outro país do mundo preservou uma área tão extensa de florestas -- dos 7 milhões de quilômetros quadrados da Amazônia, dos quais mais de 60% estão no Brasil, cerca de 5,5 milhões continuam cobertos de mata. Só o Estado do Amazonas, o maior da região, conserva mais de 95% de sua cobertura florestal. Talvez isso se deva mais a uma longa história de subdesenvolvimento e de falta de capital do que a méritos próprios, mas o fato é que as árvores estão lá -- e não nos países ricos que, depois de terem destruído todas as suas florestas, acusam o Brasil, hoje, de delinqüência ecológica de primeiro grau e querem transformar a Amazônia num jardim botânico.

O verdadeiro problema ambiental do Brasil chama-se pobreza -- e sua principal manifestação chama-se falta de saneamento básico. Não é reduzindo a produção de soja, etanol ou seja lá o que for que se vai avançar um milímetro na solução disso.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[23/02/2018] - Banco está otimista com mercado de carne bovina
[23/02/2018] - Reabertura de exportações à Rússia pode demorar
[23/02/2018] - Falta de fiscais já prejudica as exportações
[23/02/2018] - Arroba: preço do boi pode voltar a cair
[23/02/2018] - Preço da carne caiu um pouco no varejo
[23/02/2018] - Farelo de soja subiu mais de 9% desde janeiro
[23/02/2018] - Ministro italiano: é hora de acordo com Mercosul

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[22/02/2018] - Wesley Batista não poderá voltar à JBS
[22/02/2018] - Exportações devem fechar fevereiro com alta de 31%
[22/02/2018] - Arroba: boi tem pequena alta
[22/02/2018] - Arroba: frigoríficos têm dificuldade para comprar
[22/02/2018] - Pecuaristas franceses contra acordo com o Mercosul
[22/02/2018] - Frigorífico da JBS continua fechado no MS
[22/02/2018] - Governo mantém sobretaxa sobre leite importado
[22/02/2018] - Justiça adia julgamento do caso Itambé-Vigor
[21/02/2018] - JBS: STJ decide soltar os irmãos Batista
[21/02/2018] - Incêndio atinge unidade da JBS
[21/02/2018] - Enchente paralisa abates em frigorífico
[21/02/2018] - Arroba: frigoríficos controlam as compras
[21/02/2018] - Qual a expectativa para o mercado de reposição?
[21/02/2018] - Brasil, enfim, livre oficialmente da aftosa
[21/02/2018] - Preço do leite começa a se recuperar no RS
[21/02/2018] - Brasil e Canadá negociarão acordo comercial
[21/02/2018] - STF retoma hoje julgamento do Código Florestal
[20/02/2018] - Arroba: impasse no mercado do boi
[20/02/2018] - Arroba: pecuarista tende a segurar o boi
[20/02/2018] - Carne: momento chave para o boi gordo
[20/02/2018] - Pecuária do MT deve crescer quase 4% em 2018
[20/02/2018] - Governo deve prorrogar adesão ao Refis do Funrural
[20/02/2018] - Acordo com UE pode gerar corrida de concorrentes
[20/02/2018] - Hospital pede doações do agro para sobreviver
[19/02/2018] - Arroba: escalas estão menores
[19/02/2018] - Margem do varejo subiu em 2018
[19/02/2018] - Pecuarista não tem culpa do preço da carne
[19/02/2018] - Reposição parada no Rio de Janeiro
[19/02/2018] - Deputado quer proibir exportação de gado em SP
[19/02/2018] - Laticínio fecha e deixa produtores na mão
[19/02/2018] - O mercado do leite vai melhorar?
[19/02/2018] - MG registra os maiores prejuízos com leite
[19/02/2018] - MAPA prevê PIB menor para o agro, boi deve crescer
[19/02/2018] - Milho: mercado lento com recesso de Carnaval
[19/02/2018] - Pecuarista vai pagar dívida de frigos com Funrural
[19/02/2018] - Depois de suspeitas, JBS fecha mesa de câmbio
[16/02/2018] - Arroba: preços firmes com alta da carne
[16/02/2018] - Preço do bezerro se recupera
[16/02/2018] - Malásia confirma missão de inspeção ao Brasil
[16/02/2018] - Produtores temem apagão do milho em 2018
[16/02/2018] - CVM abre novo inquérito sobre a JBS
[16/02/2018] - Funrural: deputado quer que Temer prorrogue prazo
[16/02/2018] - Crédito rural começa 2018 com força
[15/02/2018] - Arroba: é hora de vender?
[15/02/2018] - Tombo da arroba interrompe reposição no Maranhão
[15/02/2018] - Disputa pelo controle da Itambé continua
[15/02/2018] - Empresa da JBS nos EUA tem alta de 90% no lucro
[15/02/2018] - Briga entre China e EUA pode beneficiar o Brasil?
[14/02/2018] - Arroba: o que esperar desta semana?
[14/02/2018] - Preço da carne despenca no atacado

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br