Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
156,00 143,00 148,00
GO MT RJ
143,00 142,00 144,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1430,00
Garrote 18m 1720,00
Boi Magro 30m 2100,00
Bezerra 12m 1080,00
Novilha 18m 1350,00
Vaca Boiadeira 1480,00

Atualizado em: 22/4/2019 10:08

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Corda de enforcado

 
 
 
Publicado em 18/07/2007

Xico Graziano

Algo de errado acomete as finanças da agropecuária nacional. Quanto mais o campo se desenvolve, mais produtores se penduram na carteira do banco. O endividamento do setor rural triplicou em dez anos, atingindo R$ 131 bilhões. Alguém trabalha, outrem ganha.

O governo se gaba. Acaba de anunciar que a agricultura terá crédito de R$ 70 bilhões para o plantio da próxima safra. O recurso ultrapassa 16% o valor anterior. Caiu ainda a taxa de juros do custeio básico, de 8,75% para 6,75%. Aumenta, a cada ano, o crédito rural.

A dívida rural, porém, também se eleva continuamente. A somatória dos débitos já ultrapassa 60% do Produto Interno Bruto (PIB) da agricultura. Tal proporção, em 1995, representava 35%. Piora a cada safra.

É contraditório. O agronegócio vai bem. Evolui a área plantada, rebanhos se multiplicam, a tecnologia se moderniza, as exportações estouram. As fronteiras se expandem, a agroindústria se multiplica. Tanta pujança no campo, todavia, menos se reflete no bolso do agricultor. O agronegócio lucra, o agricultor se aperta.

O endividamento do campo surgiu, ou melhor, aflorou em 1994, com a estabilização da economia. Antes do Plano Real, ninguém sabia, na verdade, quanto devia. Nem interessava. Através do conhecido "mata-mata", tomava-se crédito para quitar o débito anterior. Empurrava o buraco para frente.

A ciranda financeira, com tudo indexado, resultava num ciclo vicioso. Agricultores, como tantos na economia, dedicavam-se mais a gerenciar seu caixa bancário, menosprezando a produção. Parecia mágica. Dinheiro do cheque especial pagava conta de adubo; crédito de custeio virava caminhonete. A ilusão monetária permitia qualquer trambique. Trabalhar menos valia.

Quando a nova moeda assoprou, definitivamente, a fumaça da inflação, o rombo acabou descoberto. Com um agravante. Famigerados planos econômicos, anteriores ao Real, provocaram um descasamento entre as dívidas rurais e os preços agrícolas. Criou-se um fosso entre a receita e o custo da produção.

Durante bom período, naqueles anos, atordoados e temerosos, milhares de agricultores fugiram dos bancos. Depois, ameaçados de execução judicial, tomaram coragem para espernear. Assim promoveram, em 1995, o primeiro tratoraço em Brasília. Quando Fernando Henrique decidiu, corretamente, securitizar as dívidas do setor, foi aí que o sistema bancário, puxado pelo Banco do Brasil, barbarizou. Taxas de inadimplência, multas contratuais e demais sem-vergonhices financeiras engordaram os débitos agrícolas. Resultado: quem financiou um trator, acabou devendo quatro.

De lá para cá, nunca mais a situação se normalizou. Sucessivas rolagens trouxeram à situação presente. Há, também, débitos novos. Entre 2004 e 2006 verificou-se recuo na renda da agropecuária, causada pela queda dos preços internacionais, combinada com a valorização do câmbio. Pesou, também, o elevado custo do óleo diesel, dos fertilizantes e agrotóxicos. Conjuntura perversa.

O xis da questão do endividamento rural está na instabilidade da renda. Sabe-se que existe época de vaca gorda, entremeada com fase de vaca magra. No caso brasileiro, entretanto, conforme denominou Marcos Jank, o problema não é cíclico, mas ciclotímico. O humor da agricultura varia de eufórico para depressivo em tempo recorde.

Uma espécie de psicose maníaco-depressiva do campo se alimenta no sistema de crédito rural. Nos momentos de bom ganho, os empréstimos ultrapassam, num piscar de olhos, a própria capacidade de pagamento. Foi o que ocorreu no começo dessa década. Produtores rurais financiaram máquinas acima do recomendável. Enquanto a carência se cumpria, céu de brigadeiro. Dois anos depois, porém, as parcelas do principal fritaram o freguês. Tempestade brava.

Corda de enforcado. Crédito subsidiado, sem amparo no planejamento cuidadoso, pode criar nova dependência, quando não leva à falência e à perda da terra. Esse processo acaba por enfraquecer o campo. Onde está o equívoco?

Ao invés de mais crédito, carece a agropecuária de um sistema de seguro, capaz de oferecer maior estabilidade à sua renda. Ano passado, cerca de R$ 50 bilhões engordaram as carteiras de financiamento. No seguro rural, entretanto, o dispêndio mal atingiu R$ 40 milhões. Menos de 0,1% dos empréstimos. Aqui reside a grande fragilidade da agropecuária nacional.

Há uma década, desde a crise pós-Plano Real, restou claro que o objetivo básico da política agrícola deveria ser a proteção da renda. A lição se perdeu no tempo. Agora, nova rolagem será efetuada, prorrogando parcialmente dívidas no valor de R$ 6,5 bilhões. Filme velho. Empurra com a barriga a montanha do endividamento rural.

Polan Lacki, agrônomo ligado a FAO, escreveu certa vez instigante artigo, onde perguntava: "No guichê do banco ou no banco da escola?". Tentava ele responder aos dilemas do desenvolvimento rural latino-americano. Fica claro, aos estudiosos da economia rural, que a grande massa dos agricultores carece de educação empreendedora. Um choque de profissionalismo e consciência empresarial. Rumo à tecnologia.

Crédito rural somente funciona bem quando vinculado a projeto técnico de produção, amparado por mecanismos de proteção da renda do agricultor. Fora disso, coberto pelo Tesouro, dinheiro farto alimenta a malandragem e cultiva oportunistas. Agricultor que se preze gosta de trabalhar duro. Sabe que filho mimado, com mesada fácil, não aprende a viver.

*Xico Graziano é engenheiro Agrônomo, mestre em Economia Rural e doutor em Administração, foi presidente do INCRA no governo Fernando Henrique Cardoso e Secretário da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, durante o primeiro mandato de Mário Covas, ao término do qual foi eleito Deputado Federal. Hoje é o Secretário de Estado do Meio Ambiente.

Artigo publicado dia 17/7/2007 pelos Jornais O Estado de S. Paulo e O Tempo (MG).

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[22/04/2019] - Doença na China pode ajudar pecuaristas do Brasil
[22/04/2019] - Arroba perde força mas oferta está curta
[22/04/2019] - Como está o mercado do boi no Maranhão?
[22/04/2019] - Caminhoneiros estão divididos sobre greve
[22/04/2019] - Caminhoneiros: governo enfrenta negociação difícil
[22/04/2019] - Milho cai ao menor valor desde novembro
[22/04/2019] - Produtores rurais argentinos criticam Macri

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[18/04/2019] - Arroba: não tem espaço para baixa
[18/04/2019] - Melhorou cenário para o confinamento?
[18/04/2019] - Chuvas puxam preço do boi no Mato Grosso
[18/04/2019] - Como está a reposição no Pará?
[18/04/2019] - RS procura mercados para exportar gado em pé
[18/04/2019] - Exportações: receita do frango supera carne bovina
[18/04/2019] - Caminhoneiros vão mesmo entrar em greve?
[18/04/2019] - Pecuaristas preocupados com a volta da aftosa
[17/04/2019] - Arroba: tem frigorífico pagando mais
[17/04/2019] - Carne: varejo dá sinais de melhora
[17/04/2019] - Leite vai continuar subindo?
[17/04/2019] - Especialistas defendem prazo maior para o CAR
[17/04/2019] - Governo quer destravar o crédito rural
[16/04/2019] - Arroba: alta perdeu força
[16/04/2019] - É hora de vender o boi?
[16/04/2019] - Carne: preços não têm força para subir
[16/04/2019] - Exportações estão mais fracas em abril
[16/04/2019] - China fala em ampliar compras de carne do Brasil
[16/04/2019] - Rússia adia visita que liberaria mais frigoríficos
[16/04/2019] - Bertin terá que explicar negócio com a JBS
[16/04/2019] - Banco prevê alta forte para ações da JBS
[16/04/2019] - PIB do Agro deverá crescer mais que o previsto
[16/04/2019] - Nova Previdência trará investimentos para o Agro
[16/04/2019] - Governo anuncia pacote para evitar greve
[16/04/2019] - Caminhoneiros se dizem insatisfeitos com ajuda
[15/04/2019] - Invasões de terra caíram com Bolsonaro
[15/04/2019] - Arroba: preço não dá sinal de queda
[15/04/2019] - Reposição está ficando mais cara
[15/04/2019] - Bezerro está em falta no Mato Grosso
[15/04/2019] - JBS vale R$ 35 bilhões a mais após a delação
[15/04/2019] - Produtores rurais cobram aplicação de impostos
[15/04/2019] - Vai sobrar milho em 2019?
[12/04/2019] - Governo teme nova greve dos caminhoneiros
[12/04/2019] - Líder dos caminhoneiros elogia ação de Bolsonaro
[12/04/2019] - Arroba: boi segue em subindo com força
[12/04/2019] - Milho: como ficará a produção em 2019?
[12/04/2019] - Arroba em alta forte também no Pará
[12/04/2019] - Paraná vai debater fim da vacinação
[12/04/2019] - Crise chega forte à pecuária argentina
[11/04/2019] - Arroba: boi continua subindo sem parar
[11/04/2019] - CEPEA: uma mudança importante na arroba
[11/04/2019] - Exportação de gado em pé subiu em março
[11/04/2019] - Imposto sobre a carne sobe 140%
[11/04/2019] - Catástrofe sanitária pode beneficiar a JBS
[11/04/2019] - Lácteos: importações caíram com força em março
[11/04/2019] - Bolsonaro: Brasil está de braços abertos a árabes
[11/04/2019] - Qual opinião dos árabes sobre encontro?
[11/04/2019] - Bolsonaro enfrenta dilema com setor rural
[10/04/2019] - A arroba do boi vai continuar subindo?
[10/04/2019] - Arroba do boi em alta firme

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br