Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
145,00 133,00 135,00
GO MT RJ
129,00 128,00 143,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1300,00
Garrote 18m 1600,00
Boi Magro 30m 1930,00
Bezerra 12m 980,00
Novilha 18m 1150,00
Vaca Boiadeira 1400,00

Atualizado em: 24/2/2017 12:48

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Argentina aposta firme na pecuária e agricultura

 
 
 
Publicado em 13/12/2016

Desde que o presidente Maurício Macri assumiu o poder, há um ano, suas políticas favoráveis ao mercado não impulsionaram a abatida economia da Argentina. A produção geral está encolhendo, o desemprego permanece insistentemente alto e a produção industrial patina.

Mas a história é outra entre as pastagens verdejantes que um dia tornaram esse país rico. Os produtores de grãos da Argentina, afetados por mais de dez anos de controles internos de preços e impostos elevados sobre as exportações, estão plantando a um ritmo recorde este ano agora que Macri está eliminando esses obstáculos.

A agricultura pode provocar uma expansão econômica de 3,5% em 2017, uma alta expressiva ante a expectativa de contração de 2,5% deste ano, diz Fausto Spotorno, economista-chefe da consultoria argentina Orlando J. Ferreres & Associates. "Os agricultores estão se tornando o principal motor da virada econômica", diz ele.

Os antecessores de Macri, Cristina Kirchner e, antes dela, seu marido Néstor Kirchner, elevaram os impostos de exportação para ajudar a financiar programas populares de combate à pobreza e pagar 300 mil novos funcionários do governo federal, segundo o centro de estudos Cippec, de Buenos Aires.

Mesmo enquanto os preços globais das commodities disparavam, os impostos desencorajavam os agricultores a elevar a produção de quase tudo, exceto a soja, que apesar de um imposto de exportação de 35% - o mais elevado -, permaneceu lucrativa porque a forte demanda chinesa mantinha os preços altos.

Quando os produtores protestaram, Cristina Kirchner chamou-os de oligarcas e golpistas na televisão estatal. "Os agricultores praticamente passaram os últimos 10 anos se escondendo debaixo do tapete", diz Ricardo Baccarin, diretor da Panagrícola, corretora de commodities local. "Eles aprenderam a viver em modo de subsistência." Macri eliminou a maioria dos impostos e todos os limites de preços em dezembro como parte de sua cruzada para acabar com as políticas populistas da presidente anterior.

"Sessenta por cento da população mundial fará parte da classe média em 2030 e eles comprarão mais alimentos", diz Ricardo Negri, secretário do Ministério da Agroindústria da Argentina. "Queremos estar bem posicionados para exportar mais."

Há riscos. Não só climáticos. Macri precisa que a economia decole logo para evitar a perda de assentos na eleição de 2017.

Ele expandiu programas sociais, tirou os manifestantes das ruas e demitiu apenas cerca de 11 mil funcionários públicos. Mas o aumento dos gastos junto com a redução da receita levou a um enorme déficit orçamentário de 7% do produto interno bruto. Embora a inflação esteja desacelerando, ela está entre as mais altas do mundo, 45% ao ano, o que mantém o custo dos empréstimos elevado. O desemprego permanece em 8,5%.

Macri aposta que o crescimento econômico vai diminuir o déficit em 2017. Mas depois de reduzir o imposto sobre a soja para 30%, ele adiou novos cortes.

Ainda assim, as mudanças já foram sentidas imediatamente pelo pecuarista Federico Stange, que voltou a fazer planos de longo prazo. "Antes, você nunca sabia quanto poderia exportar, ou quando eles iriam permitir", diz Stange. "Agora, o horizonte está bem claro, e isso nos permite prever o crescimento e investir adequadamente."

Os investidores estrangeiros também estão apostando no setor, que produz comida suficiente para alimentar 400 milhões de pessoas por ano.

Em novembro, a Mitsui & Co., uma das maiores tradings japonesas, fechou acordo para comprar 2 milhões de toneladas de farelo de soja argentino ao longo dos próximos cinco anos. E a Victoria Capital Partners, firma de investimentos argentina, se uniu à Corporação Financeira Internacional, o IFC, na sigla em inglês, instituição de desenvolvimento do Banco Mundial, para investir US$ 100 milhões no Grupo Los Grobos, empresa local de agronegócio, com o objetivo de dobrar suas vendas anuais para US$ 1 bilhão em quatro anos.

A Coca-Cola, que já compra anualmente US$ 875 milhões em produtos alimentícios da Argentina para suprir suas operações globais, pode elevar suas compras e investimentos no país, disse o diretor-presidente Muhtar Kent, que anunciou recentemente que deixará o cargo em maio, em um fórum recente.

Com os agricultores gastando mais, outros setores também estão se beneficiando. As vendas dos caminhões Toyota Hilux subiram 17% este ano, segundo a Acara, a associação das concessionárias do país. Os pedidos também cresceram 20% na Pauny, fabricante argentina de tratores, diz Raúl Giai Levra, diretor-presidente da empresa.

A Argentina era a terceira maior exportadora de carne bovina há 10 anos. Os limites de preços e as cotas de exportação impostas pelos Kirchners fizeram a produção cair, levando 138 frigoríficos a pedir recuperação judicial e muitos pecuaristas a trocarem o gado pela soja, segundo a Sociedade Rural Argentina.

O rebanho bovino caiu 20%, para 48 milhões de cabeças, informa o Instituto de Promoção da Carne Bovina Argentina. Os produtores locais viram com desespero o Paraguai e o Uruguai, seus pequenos vizinhos, ultrapassarem a Argentina como fornecedores globais de carnes nobres.

Hoje, tanto a pecuária como a agricultura estão mais lucrativas, diz Emilce Terré, diretor de pesquisa da bolsa de grãos de Rosário. Os agricultores já venderam US$ 1,2 bilhão de contratos futuros de milho e trigo para a próxima safra, ante US$ 285 milhões há um ano, segundo os mais recentes dados do Ministério da Agroindústria.

Os pecuaristas estimam que a produção de carne bovina crescerá 15% em três anos. E embora a produção de soja, o produto agrícola mais lucrativo da Argentina, deva cair 3% com a migração dos agricultores para outras culturas, o país continuará sendo o terceiro maior produtor mundial, atrás dos Estados Unidos e do Brasil.

Santiago del Solar, produtor de grãos e de produtos lácteos, considera as mudanças um "novo começo". "Antes, com todos os impostos, estávamos em desvantagem com os produtores americanos e australianos", diz. "Agora estamos competindo em um nível mais equilibrado." Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[24/02/2017] - Marfrig: prejuízo alto ainda preocupa
[24/02/2017] - Apesar do prejuízo, Marfrig se diz otimista
[24/02/2017] - BRF registra primeiro prejuízo da história
[24/02/2017] - Arroba: pressão de baixa perde força
[24/02/2017] - Carne cai no atacado: e a arroba?
[24/02/2017] - CNA quer prazo para pecuaristas pagarem dívidas
[24/02/2017] - MT tenta agilizar obra em BR que cruza reserva

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/02/2017] - Arroba: pecuarista não aceita preços menores
[23/02/2017] - Frigoríficos tentam segurar preço da carne
[23/02/2017] - Projeto permite pastagem na Reserva Legal
[23/02/2017] - Marfrig faz acordo para fechar unidade
[22/02/2017] - Arroba: escalas encurtaram
[22/02/2017] - IMEA alerta para excesso de oferta de boi
[22/02/2017] - Reposição: queda do boi trava mercado em MG
[22/02/2017] - Lucro do Minerva cai 81%
[22/02/2017] - Frigorífico será leiloado após decisão do STJ
[22/02/2017] - Não haverá acordo com a UE sem carne bovina
[22/02/2017] - Exportações do agro: alta de quase 18% em janeiro
[22/02/2017] - Agro ajuda a amenizar a crise em Minas Gerais
[21/02/2017] - Delator: Batista queria controlar fiscalização
[21/02/2017] - Arroba: o carnaval tem ajudado?
[21/02/2017] - Arroba: como fica a recria?
[21/02/2017] - Arroba tem queda no MS
[21/02/2017] - PIB da Pecuária deve cair no Mato Grosso
[21/02/2017] - Mercado do leite ganha força em Santa Catarina
[21/02/2017] - Câmbio pressiona preço do farelo de soja
[21/02/2017] - Açougues deverão mostrar fornecedor no MT
[20/02/2017] - Nova delação implica Joesley Batista, da JBS
[20/02/2017] - Agronegócio, de novo, puxará recuperação
[20/02/2017] - Governo fala em retirar vacina contra aftosa
[20/02/2017] - Setor rural vai pagar a conta da reforma?
[20/02/2017] - Arroba: referência caiu em SP
[20/02/2017] - Exportações: otimismo para frigoríficos?
[20/02/2017] - Preço do leite sobe também em fevereiro
[20/02/2017] - Preço do milho segue em queda
[20/02/2017] - Entrega de fertilizantes recorde
[17/02/2017] - ABIEC confirma exportações fortes em janeiro
[17/02/2017] - Arroba: onde os frigoríficos pagam mais?
[17/02/2017] - Para onde vão os preços da reposição?
[17/02/2017] - Expoinel MG não vendeu nenhum animal
[17/02/2017] - Leite em alta
[17/02/2017] - Governo liberará compra de terras por estrangeiros
[17/02/2017] - Estrangeiros: preço da terra vai subir?
[16/02/2017] - Arroba: vender a prazo vale a pena?
[16/02/2017] - CEPEA: frigoríficos tentam pagar cada vez menos
[16/02/2017] - Carne bovina ganha espaço em relação à suína
[16/02/2017] - CPI da Funai não consegue votar quebra de sigilo
[16/02/2017] - Coordenadora do MST é presa com arma ilegal
[15/02/2017] - Joesley Batista nega que vá deixar o JBS
[15/02/2017] - Batista nega que Lulinha seja sócio do JBS
[15/02/2017] - Maggi vê indícios de cartel de frigoríficos
[15/02/2017] - Arroba: pecuarista não aceita preço menor
[15/02/2017] - Arroba: varejo tem lucro recorde, pecuarista paga
[15/02/2017] - Abate de fêmeas deve voltar a crescer
[15/02/2017] - Exportações de carne do MT dobraram
[15/02/2017] - Confinamento: será difícil fechar a conta em 2017
[15/02/2017] - Produtores de leite pedem socorro ao MAPA

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br