Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
141,00 129,00 136,00
GO MT RJ
131,00 128,00 130,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1270,00
Garrote 18m 1520,00
Boi Magro 30m 1820,00
Bezerra 12m 960,00
Novilha 18m 1160,00
Vaca Boiadeira 1330,00

Atualizado em: 16/7/2018 10:04

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Embargo russo pode ser retaliação

 
 
 
Publicado em 06/11/2017

A demora do Brasil em cumprir uma promessa feita para os russos há dois anos já afeta os exportadores de carne bovina do país e também pode respingar na indústria de carne suína, prejudicando um mercado responsável por 40% das exportações brasileiras do produto.

O Valor apurou que a Rússia vem demonstrando desconforto com o atraso na abertura dos mercados de pescados e de trigo do Brasil, anunciada em outubro de 2015 pela então ministra da Agricultura, Kátia Abreu. Insatisfeitos, os russos deram sinais de que poderão criar barreiras contra o setor, segundo fontes a par do tema.

Na semana passada, a ameaça começou a se materializar. O serviço sanitário do país (Rosselkhoznadzor) proibiu as compras de carne bovina do frigorífico do Mataboi em Santa Fé de Goiás (GO), e também colocou em controle reforçado - sob mais testes - quatro abatedouros de bovinos (de JBS, Frigol, Frigoestrela e Frigon) e um de suínos (Aurora). Na indústria de carne suína, a preocupação é que os russos possam ir além do controle reforçado, como sinalizaram na feira Anuga, na Alemanha.

Embora os russos sejam relevantes para o segmento de carne bovina do Brasil, sendo responsáveis por 11% dos embarques, na carne suína o quadro é bem mais crítico. O setor é dependente da Rússia. Entre janeiro e setembro, os russos adquiriram 40% do volume exportado pelos frigoríficos de carne suína, o equivalente a 47% da receita obtida.

Procurado pelo Valor antes de as primeiras restrições russas serem anunciadas, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que durante sua visita à Rússia, há um mês, as autoridades do país reafirmaram o interesse de vender trigo e pescados - principalmente bacalhau - ao Brasil. Os russos também querem exportar carne bovina ao mercado brasileiro, disse.

"No mercado internacional é assim mesmo. Tem que ter reciprocidade senão as portas se fecham", disse o ministro, acrescentando que a abertura do mercado de carne bovina do Brasil aos russos está próxima. Ele não deu prazo para a abertura dos mercados de pescados e trigo para os russos.

No sábado, segundo a "Agência Brasil", Maggi disse que a suspensão temporária das importações de carne bovina do frigorífico Mataboi, de Goiás é uma medida normal. Segundo ele, o aumento de controle de qualidade pela Rússia não tem ligação com a Operação Carne Fraca. Ele afirmou que a Pasta ainda não recebeu um comunicado oficial. " É absolutamente normal acontecer esse tipo de evento, com suspensão temporária ou, às vezes, mais prolongada, quando o importador detecta uma inconformidade", disse o ministro.

Uma fonte a par da negociações com os russos afirma que a demora do Brasil em abrir o mercado de pescados decorre de falhas russas, como o não envio da documentos pelas empresas interessadas.

Para fontes do setor, um eventual bloqueio que vá além da unidade do Mataboi significaria um retrocesso na relação com a Rússia. No passado, os importadores russos eram conhecidos pela instabilidade, e os embargos temporários corriqueiros, sendo usados até como instrumento para barganhar.

Desde 2014, o clima entre os brasileiros e os russos é mais amistoso. Em meio à crise geopolítica na Crimeia, os russos vetaram as importações de alimentos da União Europeia e dos Estados Unidos. Nesse cenário, o Brasil ganhou espaço e dezenas de unidades foram autorizadas a vender ao mercado russo.

Neste ano, a sintonia entre russos e brasileiros ficou evidente durante a crise de credibilidade que atingiu o setor depois da Operação Carne Fraca. Na ocasião, a maior parte dos países importadores proibiu temporariamente as carnes brasileiras. A Rússia manteve as compras dos produtos brasileiros e declarou publicamente confiar na carne nacional. Com informações do Valor.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[16/07/2018] - Lula teria pedido para agilizar verba para a JBS
[16/07/2018] - Arroba: frigoríficos oferecem acima da referência
[16/07/2018] - Reposição ganhou força
[16/07/2018] - Exportações de boi em pé cresceram 84%
[16/07/2018] - Exportações do Agro seguem firmes, apesar da greve

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[13/07/2018] - Arroba: frigoríficos cm dificuldade para comprar
[13/07/2018] - Preço da carne continua caindo no varejo
[13/07/2018] - STF nega liminar que suspenderia tabela de frete
[13/07/2018] - Frete: aprovação não derruba ações judiciais
[13/07/2018] - O Brasil ganha ou perde com a guerra comercial?
[13/07/2018] - Preço do milho recua e pode cair mais
[13/07/2018] - CNA: campo precisa entrar na política de segurança
[12/07/2018] - Arroba subiu, frigoríficos já pagam mais
[12/07/2018] - CEPEA: arroba em alta, carne em baixa
[12/07/2018] - Frigoríficos apostam em retomada das exportações
[12/07/2018] - Abates batem recorde positivo no MT após a greve
[12/07/2018] - PIB da Pecuária recua no MT mas deve se recuperar
[12/07/2018] - Câmara aprova tabela de frete
[12/07/2018] - Senado aprova tabela de frete em tempo recorde
[12/07/2018] - Lactalis vai produzir marca francesa no Brasil
[11/07/2018] - Arroba: frigoríficos não acham boi para comprar
[11/07/2018] - Carne bovina deve subir mais
[11/07/2018] - Leite pára de subir
[11/07/2018] - Custo deve subir até 50% com tabela de frete
[11/07/2018] - Frete alto dificulta entrega de fertilizantes
[11/07/2018] - JBS: Noruega decide não investir e cita corrupção
[11/07/2018] - Polpa cítrica: oferta está menor
[10/07/2018] - Quem quer vender boi a R$ 150 a arroba?
[10/07/2018] - Consumo de carne bovina segue devagar
[10/07/2018] - Proibição da exportação pode ser votada hoje
[10/07/2018] - Inspeção privada tem data para começar no RS
[10/07/2018] - Crise e inflação podem piorar com tabela
[10/07/2018] - Tabelamento do frete pode ser aprovado hoje
[10/07/2018] - Doença que atinge o milho chegou ao Paraná
[10/07/2018] - Prefeitura fecha acordo para reabrir frigorífico
[09/07/2018] - Arroba: feriado em SP pode puxar cotação do boi
[09/07/2018] - Proibição das exportações pode parar na Justiça
[09/07/2018] - Milho: compradores esperam que preços caiam
[09/07/2018] - Brasil precisa vender melhor lá fora
[06/07/2018] - Consultoria prevê aumento das exportações
[06/07/2018] - MAPA tenta ampliar vendas aos árabes
[06/07/2018] - Arroba: consumo ainda segura a alta do boi
[06/07/2018] - Reposição começa a se movimentar
[06/07/2018] - Pecuaristas do MS pedem redução do ICMS
[06/07/2018] - Proibição de exportação é adiada novamente
[06/07/2018] - Contra tabela, produtores compram caminhões
[06/07/2018] - Milho disparou. Para onde vão os preços?
[06/07/2018] - Crime: união com pecuaristas reduz furtos e roubos
[05/07/2018] - Arroba: frigoríficos já pagam acima da referência
[05/07/2018] - Preço da carne exportada bate recorde
[05/07/2018] - Carne bovina recupera espaço em relação ao frango
[05/07/2018] - Relator da tabela de fretes ignora produtores
[05/07/2018] - JBS: CVM não vê falha em divulgação da delação
[05/07/2018] - Deputado quer restringir importação de lácteos
[04/07/2018] - Arroba: escalas estão curtas

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br