Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
150,00 144,00 144,00
GO MT RJ
142,00 134,00 144,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1350,00
Garrote 18m 1570,00
Boi Magro 30m 1940,00
Bezerra 12m 980,00
Novilha 18m 1150,00
Vaca Boiadeira 1380,00

Atualizado em: 11/10/2018 13:36

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Empréstimo público pode pagar compra da Itambé

 
 
 
Publicado em 13/11/2017

A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda (CCPR) está recorrendo ao governo de Minas Gerais para tentar levar adiante seus planos de voltar a ser dona de 100% do laticínio Itambé. A empresa pediu um financiamento ao Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) para a operação de recompra de 50% da Itambé. Essa fatia, que custará R$ 600 milhões à CCPR, havia sido vendida para a Vigor, controlada pela J&F, em 2013, por R$ 410 milhões, e hoje está nas mãos da mexicana Lala.

"O BDMG está analisando a possibilidade de concessão de empréstimo para essa operação da CCPR", disse ao Valor o presidente do banco público, Marco Aurélio Crocco. Segundo ele, o BDMG é uma das fontes de capital a qual a cooperativa recorre. "O banco não dará o total de recursos necessários", disse. "A informação que eu tenho é que está sendo montado um sindicato de bancos para essa operação, que outros estão sendo chamados."

O valor total da operação de recompra de 50% da Itambé envolve um montante de R$ 600 milhões. "Dificilmente um banco no Brasil participaria sozinho disso", afirmou Crocco. Ele não revelou que outros bancos estão em conversas com a CCPR.

Em outubro, o Valor informou que o mineiro Banco Mercantil do Brasil faria parte de um consórcio para emprestar à CCPR. Procurado, o banco não se pronunciou.

Apesar das dificuldades financeiras por que passa Minas Gerais – que leva a pagamentos parcelados dos salários de parte dos servidores e a investimentos reduzidos -, o BDMG tem sido mantido como braço de investimento para empresas de Minas.

O governo fez recentemente um aporte de R$ 100 milhões no caixa do banco e não tem aberto mão de receber dividendos.

A assessoria do governador Fernando Pimentel afirmou à reportagem que está procurando ajudar a cooperativa por meio do BDMG.

Embora fontes do setor de lácteos afirmem que a Codemig, companhia pública que é dona de uma série de ativos em Minas Gerais, também fará parte da operação com a compra de participação na Itambé, não há, segundo a assessoria do governo estadual, conversas envolvendo a empresa de participações.

Conforme as mesmas fontes, a CCPR também teria conversado com o BNDESPar, braço de participações do BNDES. Procurado, o banco de fomento não comentou.

A direção da CCPR também foi questionada sobre as eventuais fontes de financiamento da operação, mas não se pronunciou.

Inicialmente, o Banco do Brasil estava à frente de um pool de bancos que iria financiar ou buscar investidores para a CCPR recomprar a participação da Vigor na Itambé. Mas o BB saiu da transação em razão do prazo curto para levantar os recursos necessários para a operação.

A CCPR anunciou que iria exercer o direito de preferência e recomprar a participação da Vigor na Itambé no dia 20 de setembro, um mês e meio depois de a Vigor ter sido vendida à mexicana Lala, por R$ 5,725 bilhões. O valor da transação incluía também a compra de até 100% da Itambé, isto é, contemplava a participação de 50% da CCPR na empresa. A possibilidade de recompra da participação pela central de cooperativas estava prevista no acordo de acionistas em caso de venda da Vigor.

A CCPR tinha até 20 de outubro para pagar pela participação adicional, do contrário ficaria sujeita a uma multa de R$ 200 milhões. Mas no dia 16 de outubro, a central protocolou Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) documentos relativos à aquisição da fatia de 50% que a Vigor tinha na Itambé. Não há concentração no negócio, mas a CCPR recorreu ao expediente, segundo uma fonte, para ter mais tempo para buscar recursos. Normalmente, a apreciação de operações como a envolvendo a CCPR e a Itambé leva entre 30 e 45 dias.

Embora a CCPR tenha optado por comprar os 50% que pertenciam à sócia na Itambé, ao concluir a operação, no dia 26 de outubro, a Lala pagou à controladora J&F R$ 5,025 bilhões, referentes à aquisição de 99,9% das ações da Vigor Alimentos e aos 50% das ações da Itambé. Assim, agora, a CCPR terá de pagar à Lala os R$ 600 milhões referentes aos 50% na Itambé. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[11/10/2018] - Exportações do Agro devem chegar a R$ 100 bi
[11/10/2018] - Exportações de carne bovina devem bater R$ 7 bi
[11/10/2018] - Arroba: frigoríficos pressionam e mercado trava
[11/10/2018] - CEPEA: preço do boi oscila com força
[11/10/2018] - EUA batem recorde na exportação de carne
[10/10/2018] - Aliado detalha propostas de Bolsonaro para o Agro
[10/10/2018] - Bancada vai ao RJ para dar apoio a Bolsonaro

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[10/10/2018] - Arroba: confinamento pressiona cotação do boi
[10/10/2018] - Preço da carne não caiu
[10/10/2018] - Leite: primeira queda em sete meses
[10/10/2018] - Custo para produzir leite continua subindo
[10/10/2018] - Novas regras devem facilitar o SISBOV
[10/10/2018] - Mato Grosso bate recorde de exportação de carne
[10/10/2018] - Senado deixa Funrural para o último dia
[09/10/2018] - Arroba: frigoríficos testam o mercado
[09/10/2018] - Carne tem preço firme no varejo
[09/10/2018] - Abrafrigo: exportações bateram recorde histórico
[09/10/2018] - Exportação começa outubro mantendo ritmo
[09/10/2018] - UE comprará mais carne bovina dos EUA
[09/10/2018] - Exportação de couro cresceu quase 20%
[09/10/2018] - Leite: preço do longa vida continua recuando
[09/10/2018] - JBS dobra capacidade em duas unidades
[09/10/2018] - CNA tenta cancelar audiência sobre frete
[08/10/2018] - Bolsonaro e Haddad farão segundo turno
[08/10/2018] - Como fica a Bancada do Agro após as eleições?
[08/10/2018] - JBS sofre processo por carne contaminada
[08/10/2018] - Arroba: frigoríficos pisam no freio
[08/10/2018] - Queda do dólar chega ao farelo de soja
[08/10/2018] - Milho: preço cai com retração compradora e dólar
[08/10/2018] - MAPA investiga multas canceladas
[08/10/2018] - Paraná deve antecipar retirada da vacina
[05/10/2018] - BB vê ótimas perspectivas para carne bovina
[05/10/2018] - Arroba: mercado sem força para cair
[05/10/2018] - Qual a perspectiva para os preços de reposição?
[05/10/2018] - Preço da carne pára de subir
[05/10/2018] - Para onde vão os preços do leite?
[05/10/2018] - Italac negocia fusão e acirra guerra pelo leite
[05/10/2018] - Deputado diz que prazo do Refis será prorrogado
[05/10/2018] - Foco de aftosa tira certificado da Colômbia
[04/10/2018] - Arroba: exportações firmes sustentam o boi
[04/10/2018] - Arroba: oferta curta segue puxando o boi
[04/10/2018] - JBS faz recall de carne por suspeita de salmonela
[04/10/2018] - Leite: pressão de baixa sobre o longa vida
[04/10/2018] - Milho: preços recuam
[04/10/2018] - A confusão sobre o fim do Refis do Funrural
[03/10/2018] - Sauditas vão importar boi e carne do Brasil
[03/10/2018] - Arroba continua em alta, sem sinal de virada
[03/10/2018] - Leite: depois de 7 meses, preço caiu
[03/10/2018] - Queda de postes mata 18 vacas no RS
[02/10/2018] - Exportações de carne bovina batem novo recorde
[02/10/2018] - Frente do Agro oficializa apoio a Jair Bolsonaro
[02/10/2018] - Frigorífico tenta justificar dívida milionária
[02/10/2018] - JBS faz refinanciamento bilionário do Funrural
[02/10/2018] - Arroba: poucos ajustes, mas para cima
[02/10/2018] - Carne subiu no atacado
[02/10/2018] - Reposição: poder de compra do pecuarista melhorou
[02/10/2018] - Milho: safra é 25% menor no MS

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br