Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
151,00 138,00 146,00
GO MT RJ
136,00 136,00 144,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2000,00
Bezerra 12m 1020,00
Novilha 18m 1250,00
Vaca Boiadeira 1420,00

Atualizado em: 14/1/2019 12:58

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Exigência da UE pode prejudicar setor do leite

 
 
 
Publicado em 02/02/2018

Uma exigência da União Europeia para que produtores brasileiros não usem mais termos como parmesão, gorgonzola e prosecco tem preocupado o setor de queijos e vinhos do país.

Como parte das negociações para um acordo comercial com o Mercosul, a UE solicitou ao Brasil e aos demais países membros o reconhecimento de mais de cerca de 340 indicações geográficas (IGs) registradas no bloco europeu.

As IGs identificam produtos cujo local de produção tenha se tornado conhecido ou quando suas características estão atreladas ao meio geográfico de origem. É o caso da champagne, que só é chamada assim se vier da região de Champagne, na França.

O problema é que algumas denominações reivindicadas como IGs já são amplamente usadas em diversos países e conhecidas por seus consumidores.

Na parte de laticínio, a lista da UE ao Mercosul inclui, por exemplo, variedades especiais de queijos como os franceses brie e camembert, os italianos gorgonzola, provolone e parmesão, o suíço emental e o holandês gouda.

Os termos da UE que forem reconhecidos pelo Mercosul não poderão mais ser usados comercialmente em produtos não procedentes das respectivas regiões da Europa, como aconteceu na transição de "champagne" para "espumante", em 2013.

O parmesão, por exemplo, passaria a ser usado exclusivamente para o queijo parmigiano reggiano, produzido na Itália.

A Abiq (Associação Brasileira da Indústria de Queijos) diz ter encaminhado documento ao Mdic (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços) e ao Mapa (Ministério da Agricultura) alegando que vários dos nomes listados pela UE seriam genéricos e estariam no domínio mundial.

"Estados Unidos e Japão já se posicionaram contra exigências desse tipo e disseram que vão continuar usando as nomenclaturas", afirma Fabio Scarcelli, presidente da associação. A Abiqestima que a produção nacional de queijos fechou 2017 em 1,1 milhão de toneladas —7% de queijos especiais.

Luiz Fernando Esteves Martins, presidente do Conil (Conselho Nacional da Indústria de Laticínios) e superintendente da Barbosa & Marques, dona da marca Regina, conta que, em 2011, a UE pleiteou barrar nomes como "Camembert da Normandia", "o que nós aceitamos sem problemas, mas agora a comunidade europeia ficou muito mais restritiva", diz.

Martins prevê que as restrições propostas pela União Europeia poderiam afetar quase todos os fabricantes de queijo no país, exceto aqueles que trabalham com produtos de denominação brasileira, como o queijo da Canastra, original de Minas.

"Quanto a produtores rurais, fornecedores de leite para a indústria, estimo que mais da metade será afetada, pois o queijo absorve quase 40% da produção leiteira do país, mas é nesse setor que se concentram os produtores com menor volume", afirma.

O Mercosul também encaminhou à UE uma lista com 200 indicações geográficas.

"É importante que o produtor brasileiro também se profissionalize, que o país crie suas próprias IGs e consiga exportar para outros mercados, porque embora não tenhamos uma variedade tão grande, temos produtos interessantes que também precisam de alguma proteção lá fora", diz Roberta Arantes, sócia do Daniel Legal & IP Strtegy, escritório especializado em propriedade intelectual.

'TIPO BRIE'

Para tentar driblar restrições, os países costumam usar "artifícios" como acrescentar a palavra "tipo" ("queijo tipo gorgonzola"), o que acontece no Brasil; na Argentina utiliza-se "queijo gorgonzola argentino".

Isso também não seria mais permitido, segundo Martins. "A indústria nacional teria que inventar novas denominações às quais o consumidor não está habituado."

O "jeitinho" é uma prática comum do mercado, mas que pode ser considerada "expressão infratora", segundo Arantes.

"Da mesma forma como tenta dissociar do original, também associa. O produto é feito com matéria-prima nacional e tenta se aproximar do paladar do original, mas não tem exatamente as mesmas características", afirma.

Procurados, o Mapa e a representação da União Europeia em Brasília não se manifestaram. Com informações da Folha.

 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[17/12/2018] - BOLETIM NOTÍCIAS DA PECUÁRIA EM RECESSO
[14/12/2018] - Arroba: frigoríficos continuam procurando boi
[14/12/2018] - Arroba sobe forte no RJ
[14/12/2018] - Agência otimista com a situação do Minerva
[14/12/2018] - Leite: importações podem ser suspensas
[14/12/2018] - CNA pede ao STF decisão urgente sobre frete
[14/12/2018] - Incerteza sobre frete trava negócios

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[13/12/2018] - Fux volta atrás e tabela de fretes volta a valer
[13/12/2018] - CNA recorrerá contra tabela do frete
[13/12/2018] - Líder dos caminhoneiros agradece Fux
[13/12/2018] - Exportações de gado em pé cresceram 80%
[13/12/2018] - Arroba chega ao maior valor do ano
[13/12/2018] - Abates de novilhas batem recorde
[13/12/2018] - Abates bovinos cresceram 7% em um ano
[13/12/2018] - Exportações poderiam ter crescido mais
[13/12/2018] - Leite: longa vida tem preços estáveis
[13/12/2018] - Mercado do leite está estagnado
[13/12/2018] - Onde criar gado é correr risco de vida
[12/12/2018] - Exportações devem bater recorde em 2019
[12/12/2018] - Arroba: frigoríficos precisam de boi para o Natal
[12/12/2018] - Para onde vai o preço da reposição?
[12/12/2018] - Fracassa leilão de frigorífico em SP
[12/12/2018] - Venda da parte do BNDES na JBS ficou para 2019
[12/12/2018] - Ruralistas nunca foram contra ambiente e índios
[12/12/2018] - Deputados querem prorrogar o Refis do Funrural
[11/12/2018] - PF investiga propina da JBS a Aécio Neves
[11/12/2018] - Árabes aumentam pressão sobre Bolsonaro
[11/12/2018] - Caminhoneiros temem falta de apoio para greve
[11/12/2018] - Arroba: festas de final de ano puxam o boi
[11/12/2018] - Oferta curta valoriza preço da reposição
[11/12/2018] - Alta no atacado puxa preço da carne no varejo
[11/12/2018] - Exportações de carne: dezembro começa forte
[10/12/2018] - Caminhoneiros protestam contra decisão do STF
[10/12/2018] - Arroba do boi segue subindo
[10/12/2018] - Atacado da carne tem recorde de preço
[10/12/2018] - Marfrig será líder global em hambúrguer
[10/12/2018] - Leite: oferta aumentou e derrubou preço
[10/12/2018] - MG terá nova referência para o preço do leite
[10/12/2018] - Milho: preços seguem firmes
[10/12/2018] - Agro dá apoio ao novo ministro do Meio Ambiente
[07/12/2018] - STF impede multa por desrespeito à tabela do frete
[07/12/2018] - Mais uma greve dos caminhoneiros?
[07/12/2018] - Arroba do boi ganha força na alta
[07/12/2018] - Mercado do boi está devagar em SC
[07/12/2018] - Marfrig fecha compra de unidades da BRF
[07/12/2018] - Tereza: produtor deve ser pago para preservar
[07/12/2018] - Milho deve ficar mais caro em 2019
[07/12/2018] - Funai irá para o Ministério dos Direitos Humanos
[06/12/2018] - Arroba do boi voltou a subir em São Paulo
[06/12/2018] - Exportação de boi em alta em novembro
[06/12/2018] - Boi deve subir no Mato Grosso
[06/12/2018] - Há frigoríficos pagando mais pelo boi
[06/12/2018] - CNA pede suspensão de multas por tabela
[06/12/2018] - Custos devem derrubar PIB do Agro em 2018
[06/12/2018] - Dívida do Funrural será extinta?
[06/12/2018] - Minerva nega oferta para comprar ativos da BRF
[06/12/2018] - Prazo para o CAR termina em 31 de dezembro

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br