Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
151,00 141,00 146,00
GO MT RJ
139,00 136,00 146,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2000,00
Bezerra 12m 1020,00
Novilha 18m 1250,00
Vaca Boiadeira 1420,00

Atualizado em: 17/12/2018 10:49

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Produtor de MG terá que pagar mais uma taxa

 
 
 
Publicado em 07/03/2018

O fim da vacinação contra a febre aftosa, previsto para 2023, trouxe uma discussão: quem vai indenizar pelos animais sacrificados caso a doença volte a surgir em território brasileiro? Em Minas Gerais, um fundo indenizatório privado está sendo criado e vai cobrar taxas de produtores e indústrias para compor essa reserva.

O Brasil já tem a maior parte do seu território declarado livre da febre aftosa com vacinação. E o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento pretende acabar com a vacinação no país até 2023. Os pecuaristas do Triângulo Mineiro estão de acordo com a decisão.

“Nós somos totalmente a favor porque no Brasil desde 2003 não se vê um foco de febre aftosa no país. Então o produtor rural só tem a ganhar com isso. Há países que não compram carne de zona que tem vacinação de aftosa, por exemplo, a Indonésia, Japão, Coreia do Sul, Taiwan. Esses países representam 30% do consumo mundial de carne”, diz Cristiano Gouveia Farah, zootecnista e gerente da Agropecuária Diamantino.

Mesmo com toda essa evolução, é impossível afirmar que o país estará para sempre livre da doença. No momento em que a vacina for retirada, a imunidade dos animais vai cair, deixando o rebanho brasileiro totalmente suscetível a qualquer surgimento do vírus. De olho no futuro, alguns estados mantêm fundos indenizatórios, para garantir a segurança dos produtores, caso a doença volte a aparecer.

“Para isso, no processo de retirada de vacinação é fundamental a criação dos fundos, que a gente chama de fundos indenizatórios. Normalmente, eles ficam sob gestão privada ou mista. São instituições privadas que administram locais onde o fundo já existe, como São Paulo e Goiás”, dia João Gilberto Bento, gerente comercial da ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu).

“Eu acho muito salutar a formação desse fundo. Mais uns três ou quatro anos, a nossa expectativa é de chegar a ser livre de febre aftosa sem vacinação. Então acho que é importante a gente constituir o fundo para que, na hipótese de ocorrer algum caso de aftosa, o produtor ser ressarcido de alguma maneira”, afirma o produtor de gado de elite Cláudio Carvalho Filho.

Em Minas Gerais o fundo está sendo criado, seguindo os modelos já existentes em outros estados. “Quem está à frente desse fundo é a Federação da Agricultura com mais outras entidades representativas de cada segmento. E quem vai gerir esse fundo vai ser a federação, porque ela é a única que representa os produtores em todos os segmentos”, diz Rivaldo Machado Borges Júnior, vice-presidente da Faemg (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais).

Criado em 29 de Dezembro, o fundo se chama Fundesa. Ele foi a maneira encontrada para que o produtor rural tenha uma cobertura numa eventual necessidade de abater o rebanho.

O recolhimento deste fundo será feito da seguinte forma:

Será cobrado do produtor rural, a partir do dia 1º de abril,

- R$ 0,50 por animal que será abatido no frigorífico, e a indústria paga os outros R$ 0,50

- R$ 0,25 por litro de leite tirado da propriedade, e a indústria paga mais R$ 0,25

- R$ 10,56 por GTA (Guia de Trânsito Animal) tirado para suínos ou aves, independentemente do número de animais

- R$ 300,00 por leilão.

“Se houver algum foco de aftosa, brucelose e tuberculose numa determinada propriedade, essa propriedade vai receber uma comissão avaliadora. Os profissionais vão avaliar os animais que vão ser sacrificados, e o produtor rural vai ser imediatamente reembolsado por esses animais”, diz o vice-presidente da Faemg.

Mas e no caso de gado de elite e rebanhos de alto valor agregado? Esses animais serão avaliados de forma diferenciada? “No caso de rebanho de elite, a avaliação é a mesma de um animal de corte. O pecuarista não vai ter nenhum valor a mais em função disso”, afirma Borges Júnior.

“Eu acho que realmente vai ser um prejuízo muito grande para quem tem genética. Naviraí tem mais de 50 anos de seleção. Se acontecer uma tragédia dessa, seria um prejuízo muito grande”, afirma o produtor Carvalho Filho. Com informações do Canal Rural.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[17/12/2018] - BOLETIM NOTÍCIAS DA PECUÁRIA EM RECESSO
[14/12/2018] - Arroba: frigoríficos continuam procurando boi
[14/12/2018] - Arroba sobe forte no RJ
[14/12/2018] - Agência otimista com a situação do Minerva
[14/12/2018] - Leite: importações podem ser suspensas
[14/12/2018] - CNA pede ao STF decisão urgente sobre frete
[14/12/2018] - Incerteza sobre frete trava negócios

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[13/12/2018] - Fux volta atrás e tabela de fretes volta a valer
[13/12/2018] - CNA recorrerá contra tabela do frete
[13/12/2018] - Líder dos caminhoneiros agradece Fux
[13/12/2018] - Exportações de gado em pé cresceram 80%
[13/12/2018] - Arroba chega ao maior valor do ano
[13/12/2018] - Abates de novilhas batem recorde
[13/12/2018] - Abates bovinos cresceram 7% em um ano
[13/12/2018] - Exportações poderiam ter crescido mais
[13/12/2018] - Leite: longa vida tem preços estáveis
[13/12/2018] - Mercado do leite está estagnado
[13/12/2018] - Onde criar gado é correr risco de vida
[12/12/2018] - Exportações devem bater recorde em 2019
[12/12/2018] - Arroba: frigoríficos precisam de boi para o Natal
[12/12/2018] - Para onde vai o preço da reposição?
[12/12/2018] - Fracassa leilão de frigorífico em SP
[12/12/2018] - Venda da parte do BNDES na JBS ficou para 2019
[12/12/2018] - Ruralistas nunca foram contra ambiente e índios
[12/12/2018] - Deputados querem prorrogar o Refis do Funrural
[11/12/2018] - PF investiga propina da JBS a Aécio Neves
[11/12/2018] - Árabes aumentam pressão sobre Bolsonaro
[11/12/2018] - Caminhoneiros temem falta de apoio para greve
[11/12/2018] - Arroba: festas de final de ano puxam o boi
[11/12/2018] - Oferta curta valoriza preço da reposição
[11/12/2018] - Alta no atacado puxa preço da carne no varejo
[11/12/2018] - Exportações de carne: dezembro começa forte
[10/12/2018] - Caminhoneiros protestam contra decisão do STF
[10/12/2018] - Arroba do boi segue subindo
[10/12/2018] - Atacado da carne tem recorde de preço
[10/12/2018] - Marfrig será líder global em hambúrguer
[10/12/2018] - Leite: oferta aumentou e derrubou preço
[10/12/2018] - MG terá nova referência para o preço do leite
[10/12/2018] - Milho: preços seguem firmes
[10/12/2018] - Agro dá apoio ao novo ministro do Meio Ambiente
[07/12/2018] - STF impede multa por desrespeito à tabela do frete
[07/12/2018] - Mais uma greve dos caminhoneiros?
[07/12/2018] - Arroba do boi ganha força na alta
[07/12/2018] - Mercado do boi está devagar em SC
[07/12/2018] - Marfrig fecha compra de unidades da BRF
[07/12/2018] - Tereza: produtor deve ser pago para preservar
[07/12/2018] - Milho deve ficar mais caro em 2019
[07/12/2018] - Funai irá para o Ministério dos Direitos Humanos
[06/12/2018] - Arroba do boi voltou a subir em São Paulo
[06/12/2018] - Exportação de boi em alta em novembro
[06/12/2018] - Boi deve subir no Mato Grosso
[06/12/2018] - Há frigoríficos pagando mais pelo boi
[06/12/2018] - CNA pede suspensão de multas por tabela
[06/12/2018] - Custos devem derrubar PIB do Agro em 2018
[06/12/2018] - Dívida do Funrural será extinta?
[06/12/2018] - Minerva nega oferta para comprar ativos da BRF
[06/12/2018] - Prazo para o CAR termina em 31 de dezembro

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br