Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
138,00 127,00 131,00
GO MT RJ
126,00 128,00 131,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1280,00
Garrote 18m 1520,00
Boi Magro 30m 1860,00
Bezerra 12m 960,00
Novilha 18m 1140,00
Vaca Boiadeira 1310,00

Atualizado em: 19/6/2018 10:04

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Produtor de MG terá que pagar mais uma taxa

 
 
 
Publicado em 07/03/2018

O fim da vacinação contra a febre aftosa, previsto para 2023, trouxe uma discussão: quem vai indenizar pelos animais sacrificados caso a doença volte a surgir em território brasileiro? Em Minas Gerais, um fundo indenizatório privado está sendo criado e vai cobrar taxas de produtores e indústrias para compor essa reserva.

O Brasil já tem a maior parte do seu território declarado livre da febre aftosa com vacinação. E o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento pretende acabar com a vacinação no país até 2023. Os pecuaristas do Triângulo Mineiro estão de acordo com a decisão.

“Nós somos totalmente a favor porque no Brasil desde 2003 não se vê um foco de febre aftosa no país. Então o produtor rural só tem a ganhar com isso. Há países que não compram carne de zona que tem vacinação de aftosa, por exemplo, a Indonésia, Japão, Coreia do Sul, Taiwan. Esses países representam 30% do consumo mundial de carne”, diz Cristiano Gouveia Farah, zootecnista e gerente da Agropecuária Diamantino.

Mesmo com toda essa evolução, é impossível afirmar que o país estará para sempre livre da doença. No momento em que a vacina for retirada, a imunidade dos animais vai cair, deixando o rebanho brasileiro totalmente suscetível a qualquer surgimento do vírus. De olho no futuro, alguns estados mantêm fundos indenizatórios, para garantir a segurança dos produtores, caso a doença volte a aparecer.

“Para isso, no processo de retirada de vacinação é fundamental a criação dos fundos, que a gente chama de fundos indenizatórios. Normalmente, eles ficam sob gestão privada ou mista. São instituições privadas que administram locais onde o fundo já existe, como São Paulo e Goiás”, dia João Gilberto Bento, gerente comercial da ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu).

“Eu acho muito salutar a formação desse fundo. Mais uns três ou quatro anos, a nossa expectativa é de chegar a ser livre de febre aftosa sem vacinação. Então acho que é importante a gente constituir o fundo para que, na hipótese de ocorrer algum caso de aftosa, o produtor ser ressarcido de alguma maneira”, afirma o produtor de gado de elite Cláudio Carvalho Filho.

Em Minas Gerais o fundo está sendo criado, seguindo os modelos já existentes em outros estados. “Quem está à frente desse fundo é a Federação da Agricultura com mais outras entidades representativas de cada segmento. E quem vai gerir esse fundo vai ser a federação, porque ela é a única que representa os produtores em todos os segmentos”, diz Rivaldo Machado Borges Júnior, vice-presidente da Faemg (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais).

Criado em 29 de Dezembro, o fundo se chama Fundesa. Ele foi a maneira encontrada para que o produtor rural tenha uma cobertura numa eventual necessidade de abater o rebanho.

O recolhimento deste fundo será feito da seguinte forma:

Será cobrado do produtor rural, a partir do dia 1º de abril,

- R$ 0,50 por animal que será abatido no frigorífico, e a indústria paga os outros R$ 0,50

- R$ 0,25 por litro de leite tirado da propriedade, e a indústria paga mais R$ 0,25

- R$ 10,56 por GTA (Guia de Trânsito Animal) tirado para suínos ou aves, independentemente do número de animais

- R$ 300,00 por leilão.

“Se houver algum foco de aftosa, brucelose e tuberculose numa determinada propriedade, essa propriedade vai receber uma comissão avaliadora. Os profissionais vão avaliar os animais que vão ser sacrificados, e o produtor rural vai ser imediatamente reembolsado por esses animais”, diz o vice-presidente da Faemg.

Mas e no caso de gado de elite e rebanhos de alto valor agregado? Esses animais serão avaliados de forma diferenciada? “No caso de rebanho de elite, a avaliação é a mesma de um animal de corte. O pecuarista não vai ter nenhum valor a mais em função disso”, afirma Borges Júnior.

“Eu acho que realmente vai ser um prejuízo muito grande para quem tem genética. Naviraí tem mais de 50 anos de seleção. Se acontecer uma tragédia dessa, seria um prejuízo muito grande”, afirma o produtor Carvalho Filho. Com informações do Canal Rural.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[19/06/2018] - PF indicia Batista e Miller por corrupção
[19/06/2018] - Arroba começa a dar sinais de alta
[19/06/2018] - Exportações de carne têm o pior junho em 9 anos
[19/06/2018] - Reposição sobe e arroba cai. E agora?
[19/06/2018] - Leite longa vida tem forte alta
[19/06/2018] - UE pressiona para que Mercosul ceda em acordo
[19/06/2018] - Temer espera que STF decida sobre fretes
[19/06/2018] - Ministro: tabela pode prejudicar caminhoneiros

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[18/06/2018] - Operação investiga corrupção em unidade da JBS
[18/06/2018] - Arroba: oferta encurta e frigoríficos pagam mais
[18/06/2018] - Frigoríficos subiram preço da carne no atacado
[18/06/2018] - Cai a procura por reposição
[18/06/2018] - Milho: preços caíram quase 8% em sete dias
[18/06/2018] - Cooperativas obtêm liminar contra tabela de frete
[15/06/2018] - Arroba: está sobrando boi?
[15/06/2018] - MS tem maior número de abates em dois anos
[15/06/2018] - STF trava ações sobre tabelamento de frete
[15/06/2018] - CADE é contra tabelamento de fretes
[15/06/2018] - Entidade obteve liminar contra tabela de frete
[15/06/2018] - Frigoríficos pressionam e chefe da inspeção cai
[15/06/2018] - O dólar alto vai afetar o preço do farelo de soja?
[15/06/2018] - Insegurança jurídica custa caro ao produtor
[14/06/2018] - Impasse no mercado do boi
[14/06/2018] - CEPEA: escalas ditam o valor do boi
[14/06/2018] - IBGE: abates em alta no Brasil
[14/06/2018] - Impasse adia reabertura de frigorífico
[14/06/2018] - Leite: produtores do PR perderam milhões de litros
[14/06/2018] - Exportações do Agro mostraram força em maio
[14/06/2018] - Governo prevê acordo com a UE antes das eleições
[14/06/2018] - Acordo UE-Mercosul preocupa deputados do Agro
[14/06/2018] - STF quer que governo explique a tabela de frete
[14/06/2018] - Brasil vai exportar genética para o Equador
[13/06/2018] - Arroba: pecuarista deve segurar o boi?
[13/06/2018] - Frigoríficos estão aproveitando oferta para ganhar
[13/06/2018] - Reposição continua parada no Paraná
[13/06/2018] - CNA vai ao STF contra tabelamento de frete
[13/06/2018] - Transportadoras também vão à Justiça contra tabela
[13/06/2018] - Maggi não vê solução breve para fretes
[13/06/2018] - Caminhoneiros querem 50% de aumento
[13/06/2018] - Impasse sobre frete travou venda de grãos
[13/06/2018] - CADE arquiva processo contra Friboi por cartel
[13/06/2018] - Crédito rural está em alta
[13/06/2018] - Maggi prevê piora na relação com a UE
[13/06/2018] - Índios são presos por cobrar pedágio no MT
[12/06/2018] - Arroba: mercado está retomando o ritmo
[12/06/2018] - Reposição volta à normalidade depois da greve
[12/06/2018] - Exportações caem em junho depois da greve
[12/06/2018] - Leite subiu depois da greve dos caminhoneiros
[12/06/2018] - Mantega admite encontro com Joesley Batista
[12/06/2018] - Caminhoneiros e produtores fecham acordo
[12/06/2018] - Indefinição sobre frete atrasa entregas no Agro
[12/06/2018] - IBGE prevê safra menor em 2018
[11/06/2018] - CNA tenta acordo sobre frete sem o governo
[11/06/2018] - Exportações reagem e batem 110 mil toneladas
[11/06/2018] - Arroba: com escalas mais longas, pressão continua
[11/06/2018] - Varejo não consegue repassar alta da carne
[11/06/2018] - Oferta aumenta e preço do milho cai
[11/06/2018] - Governo anuncia reforço na fiscalização

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br