Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
151,00 141,00 146,00
GO MT RJ
139,00 136,00 146,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2000,00
Bezerra 12m 1020,00
Novilha 18m 1250,00
Vaca Boiadeira 1420,00

Atualizado em: 17/12/2018 10:49

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Setor de saúde animal vê crescimento em 2018

 
 
 
Publicado em 09/03/2018

A recuperação da economia e o consequente aumento do consumo de proteína animal devem fazer com que a indústria de produtos de saúde animal cresça de 7% a 8% em 2018. O setor movimentou R$ 5 bilhões em 2017, segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan).

“Quando há uma melhora da economia, imediatamente há um aumento do consumo de proteína”, afirma o vice-presidente executivo do Sindan, Emílio Salani.

Caso a perspectiva se confirme, o setor movimentará R$ 5,4 bilhões neste ano. “Não é um crescimento de dois dígitos, mas pode ser uma injeção de ânimo para o setor”, avalia o dirigente.

Segundo ele, três das cinco principais companhias do setor devem divulgar seus resultados ao mercado na próxima semana. Ontem, a Ourofino reportou receita de R$ 505,3 milhões em 2017, aumento de 13,7% em relação ao ano anterior. Somente a área de aves, bovinos e suínos de produção da companhia faturou R$ 397,7 milhões, alta de 10,6%.

Ainda assim, Salani espera que o resultado consolidado de 2017 no setor repita os R$ 5 bilhões de 2016.

O ano passado foi marcado pela primeira etapa da operação Carne Fraca, que fechou mercados para exportação em um momento de crise no setor interno. Outro agravante foi a suspensão das exportações de carne bovina do Brasil “in natura” aos Estados Unidos apenas um ano após os norte-americanos terem dado início à importação do produto brasileiro. O País levou mais de uma década para conseguir abrir essa porta.

A ocorrência de abscessos em cortes enviados aos EUA, atribuídos a resíduos de vacina contra o vírus da febre aftosa, motivou a decisão e gerou debate e mudanças no segmento. “Foi um período difícil e de questionamento da vacina. De repente, todo mundo era especialista nesse assunto”, lembra o dirigente.

Ele não acredita, contudo, que a vacina – que responde por 6% a 7% do mercado de saúde animal – possa ser responsabilizada sozinha pela estagnação do mercado. “Considerando-se que foi um ano de crise, repetir o resultado do ano anterior já é importante.”

Na tentativa de reabrir o mercado norte-americano, o Ministério da Agricultura (Mapa) decidiu reduzir a dose da vacina de 5 ml para 2,5 ml e permitiu a retirada facultativa da saponina – substância que aumenta a resposta imune – da fórmula do produto. As novas doses passarão a ser administradas no rebanho bovino brasileiro em 2019. “As vacinas estão em análise e não sabemos se serão aprovadas”, afirma Salani. Segundo ele, 90 milhões de doses estão nas mãos do governo para avaliação.

Aftosa

No ano que vem, o setor terá pela frente o começo do processo de retirada da vacinação contra a doença no Brasil. A obrigatoriedade da aplicação das doses tem sido um alicerce importante para o segmento.

“O Sindan entende que este não é o momento adequado para esse movimento. Seria mais prudente dar início a esse processo em 2021 e não em 2019, como o governo pretende”, afirma Salani. Ele argumenta que o benefício da retirada da vacina é pequeno perto do risco de novos focos da doença.

Se o governo seguir o cronograma previsto, os primeiros estados a suspender a vacinação serão Rondônia e Acre. Salani calcula que, juntos, os estados demandem 24 milhões de doses, de um total de 330 milhões. “É um impacto pequeno e localizado”, diz. O Brasil tem um rebanho de 220 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos.

Ele espera um impacto mais significativo para o mercado quando a suspensão alcançar estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste do País, o que deve ocorrer até 2021. “Quando chegarmos nesse ponto, será preciso interromper a produção”, afirma.

Dois desses estados, Rio Grande do Sul e Paraná, já solicitaram ao Mapa a antecipação desse prazo, para que possam acompanhar Santa Catarina, que é o único livre de febre aftosa sem vacinação, para que consigam acessar mercados que exigem esse status para exportação, como Japão, por exemplo. Com informações do DCI.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[17/12/2018] - BOLETIM NOTÍCIAS DA PECUÁRIA EM RECESSO
[14/12/2018] - Arroba: frigoríficos continuam procurando boi
[14/12/2018] - Arroba sobe forte no RJ
[14/12/2018] - Agência otimista com a situação do Minerva
[14/12/2018] - Leite: importações podem ser suspensas
[14/12/2018] - CNA pede ao STF decisão urgente sobre frete
[14/12/2018] - Incerteza sobre frete trava negócios

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[13/12/2018] - Fux volta atrás e tabela de fretes volta a valer
[13/12/2018] - CNA recorrerá contra tabela do frete
[13/12/2018] - Líder dos caminhoneiros agradece Fux
[13/12/2018] - Exportações de gado em pé cresceram 80%
[13/12/2018] - Arroba chega ao maior valor do ano
[13/12/2018] - Abates de novilhas batem recorde
[13/12/2018] - Abates bovinos cresceram 7% em um ano
[13/12/2018] - Exportações poderiam ter crescido mais
[13/12/2018] - Leite: longa vida tem preços estáveis
[13/12/2018] - Mercado do leite está estagnado
[13/12/2018] - Onde criar gado é correr risco de vida
[12/12/2018] - Exportações devem bater recorde em 2019
[12/12/2018] - Arroba: frigoríficos precisam de boi para o Natal
[12/12/2018] - Para onde vai o preço da reposição?
[12/12/2018] - Fracassa leilão de frigorífico em SP
[12/12/2018] - Venda da parte do BNDES na JBS ficou para 2019
[12/12/2018] - Ruralistas nunca foram contra ambiente e índios
[12/12/2018] - Deputados querem prorrogar o Refis do Funrural
[11/12/2018] - PF investiga propina da JBS a Aécio Neves
[11/12/2018] - Árabes aumentam pressão sobre Bolsonaro
[11/12/2018] - Caminhoneiros temem falta de apoio para greve
[11/12/2018] - Arroba: festas de final de ano puxam o boi
[11/12/2018] - Oferta curta valoriza preço da reposição
[11/12/2018] - Alta no atacado puxa preço da carne no varejo
[11/12/2018] - Exportações de carne: dezembro começa forte
[10/12/2018] - Caminhoneiros protestam contra decisão do STF
[10/12/2018] - Arroba do boi segue subindo
[10/12/2018] - Atacado da carne tem recorde de preço
[10/12/2018] - Marfrig será líder global em hambúrguer
[10/12/2018] - Leite: oferta aumentou e derrubou preço
[10/12/2018] - MG terá nova referência para o preço do leite
[10/12/2018] - Milho: preços seguem firmes
[10/12/2018] - Agro dá apoio ao novo ministro do Meio Ambiente
[07/12/2018] - STF impede multa por desrespeito à tabela do frete
[07/12/2018] - Mais uma greve dos caminhoneiros?
[07/12/2018] - Arroba do boi ganha força na alta
[07/12/2018] - Mercado do boi está devagar em SC
[07/12/2018] - Marfrig fecha compra de unidades da BRF
[07/12/2018] - Tereza: produtor deve ser pago para preservar
[07/12/2018] - Milho deve ficar mais caro em 2019
[07/12/2018] - Funai irá para o Ministério dos Direitos Humanos
[06/12/2018] - Arroba do boi voltou a subir em São Paulo
[06/12/2018] - Exportação de boi em alta em novembro
[06/12/2018] - Boi deve subir no Mato Grosso
[06/12/2018] - Há frigoríficos pagando mais pelo boi
[06/12/2018] - CNA pede suspensão de multas por tabela
[06/12/2018] - Custos devem derrubar PIB do Agro em 2018
[06/12/2018] - Dívida do Funrural será extinta?
[06/12/2018] - Minerva nega oferta para comprar ativos da BRF
[06/12/2018] - Prazo para o CAR termina em 31 de dezembro

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br