Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
151,00 141,00 146,00
GO MT RJ
139,00 136,00 146,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2000,00
Bezerra 12m 1020,00
Novilha 18m 1250,00
Vaca Boiadeira 1420,00

Atualizado em: 17/12/2018 10:49

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Laticínios preferem comprar de grandes produtores

 
 
 
Publicado em 12/04/2018

Num ano em que a produção brasileira de leite se recuperou, a captação da matéria-prima pelas 14 maiores empresas de lácteos do país avançou 5,6%, de acordo com o ranking de 2017 da Leite Brasil - associação que reúne produtores. O levantamento mostrou que essas companhias receberam um total de 8,605 bilhões de litros no ano passado - as mesmas empresas haviam captado 8,152 bilhões de litros em 2016.

Mais uma vez, a multinacional Nestlé foi a primeira no ranking de captação de leite, com a aquisição de 1,694 bilhão de litros no ano passado, levemente acima do resultado de 2016. No entanto, a francesa Lactalis, que havia sido a segunda no ranking de 2016 - com 1,622 bilhão de litros no ano -, não participou do último levantamento. Isso levou o Laticínios Bela Vista, dono da marca Piracanjuba, ao posto de segundo colocado na lista, com o recebimento de 1,322 bilhão de litros de leite, quase 21% acima da captação de 2016, quando ficara na quarta posição.

Sem a Lactalis, que teria reduzido sua captação, segundo fontes do mercado, o ranking passou a ter 14 empresas - haviam sido 15 no ano anterior.

Outra mudança relevante em relação a 2016 foi o desempenho da Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR)/Itambé, cuja captação teve queda de 9,8%, para 996 milhões de litros, o que fez a empresa cair uma posição no ranking.

Embora sirva como termômetro sobre a captação de leite no país, o ranking da Leite Brasil não inclui empresas relevantes, como Italac e Tirol, que não fornecem seus números. Segundo fontes do mercado, a Italac captaria um volume de leite semelhante ao da Nestlé e a catarinense Tirol, uma quantia superior à da CCPR.

Grandes responsáveis por mudanças no ranking de captação em 2017, Lactalis e CCPR/Itambé travam uma disputa com a Vigor, hoje controlada pela mexicana Lala e décima na lista das maiores. Em dezembro do ano passado, a francesa comprou a Itambé da CCPR, negócio questionado pela Vigor na Justiça e na Câmara de Arbitragem Brasil-Canadá. A transação foi anunciada um dia depois de a CCPR exercer seu direito de preferência e recomprar da Vigor os 50% na Itambé. A possibilidade de recompra estava prevista no acordo de acionistas entre CCPR e Vigor, e foi deflagrada com a venda da Vigor para a Lala, em setembro de 2017.

A indefinição sobre o futuro da Itambé gerou incertezas na empresa e levou à perda de produtores para concorrentes, por isso houve queda na captação de leite em 2017, segundo fontes do setor. E o futuro da empresa segue indeterminado, pois em março a Câmara de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu suspender a venda da Itambé à Lactalis até decisão do tribunal arbitral sobre a validade do negócio.

A Lactalis, que chegará a uma captação estimada de cerca de 2,5 bilhões de litros de leite por ano se o negócio com a Itambé for confirmado, não respondeu ao pedido da reportagem para comentar sua saída do ranking. A CCPR também não comentou.

Para analistas, o ranking mostra o movimento de consolidação pelo qual passa o segmento de lácteos no país. Revela ainda que cada vez mais grandes empresas dão preferência a produtores de leite de maior porte, mais tecnificados e produtivos. Segundo o ranking, o número de fornecedores para as 14 empresas em 2017 caiu 5%. Por outro lado, o volume diário de litros por produtor cresceu 7,1%.

Primeira no ranking, a Nestlé disse, em nota, que "o aumento da capacidade de produção diária de leite está ligado a uma série de ações que realizamos com a cadeia fornecedora em busca de uma atuação com mais qualidade e eficiência". Sobre a redução de 12,2% no número de fornecedores, disse que "com o aumento da capacidade de produção diária de nossos produtores, atingimos a captação de leite necessária para nossas operações com um número menor de fornecedores". Por isso, transferiu um posto de recepção de leite no Rio Grande do Sul a outra empresa, que absorveu a capacidade dos produtores locais.

A Laticínios Bela Vista, por sua vez, viu seu número de fornecedores de leite subir 7,7 % no ano passado sobre 2016. Segundo a empresa, isso ocorreu porque houve crescimento de capacidade em sua unidade no Sul do país, onde grande parte dos fornecedores é de menor porte.

A companhia informou ainda que conseguiu ampliar os volumes de leite adquiridos em 2017 para industrialização porque havia oportunidade no mercado para ocupar espaço de concorrentes que enfrentaram dificuldades.

Jorge Rubez, presidente da Leite Brasil, observa que 2017 foi um ano de recuperação na industrialização de leite, quando os laticínios do país como um todo adquiriram 24,1 bilhões de litros, 4,1% mais que no ano anterior. Para ele, o aumento poderia ter sido maior não fosse a queda nos preços ao produtor de leite no segundo semestre do ano passado. Para 2018, a expectativa do dirigente é que "a produção industrializada deve crescer modestamente". Com informações do Valor.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[17/12/2018] - BOLETIM NOTÍCIAS DA PECUÁRIA EM RECESSO
[14/12/2018] - Arroba: frigoríficos continuam procurando boi
[14/12/2018] - Arroba sobe forte no RJ
[14/12/2018] - Agência otimista com a situação do Minerva
[14/12/2018] - Leite: importações podem ser suspensas
[14/12/2018] - CNA pede ao STF decisão urgente sobre frete
[14/12/2018] - Incerteza sobre frete trava negócios

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[13/12/2018] - Fux volta atrás e tabela de fretes volta a valer
[13/12/2018] - CNA recorrerá contra tabela do frete
[13/12/2018] - Líder dos caminhoneiros agradece Fux
[13/12/2018] - Exportações de gado em pé cresceram 80%
[13/12/2018] - Arroba chega ao maior valor do ano
[13/12/2018] - Abates de novilhas batem recorde
[13/12/2018] - Abates bovinos cresceram 7% em um ano
[13/12/2018] - Exportações poderiam ter crescido mais
[13/12/2018] - Leite: longa vida tem preços estáveis
[13/12/2018] - Mercado do leite está estagnado
[13/12/2018] - Onde criar gado é correr risco de vida
[12/12/2018] - Exportações devem bater recorde em 2019
[12/12/2018] - Arroba: frigoríficos precisam de boi para o Natal
[12/12/2018] - Para onde vai o preço da reposição?
[12/12/2018] - Fracassa leilão de frigorífico em SP
[12/12/2018] - Venda da parte do BNDES na JBS ficou para 2019
[12/12/2018] - Ruralistas nunca foram contra ambiente e índios
[12/12/2018] - Deputados querem prorrogar o Refis do Funrural
[11/12/2018] - PF investiga propina da JBS a Aécio Neves
[11/12/2018] - Árabes aumentam pressão sobre Bolsonaro
[11/12/2018] - Caminhoneiros temem falta de apoio para greve
[11/12/2018] - Arroba: festas de final de ano puxam o boi
[11/12/2018] - Oferta curta valoriza preço da reposição
[11/12/2018] - Alta no atacado puxa preço da carne no varejo
[11/12/2018] - Exportações de carne: dezembro começa forte
[10/12/2018] - Caminhoneiros protestam contra decisão do STF
[10/12/2018] - Arroba do boi segue subindo
[10/12/2018] - Atacado da carne tem recorde de preço
[10/12/2018] - Marfrig será líder global em hambúrguer
[10/12/2018] - Leite: oferta aumentou e derrubou preço
[10/12/2018] - MG terá nova referência para o preço do leite
[10/12/2018] - Milho: preços seguem firmes
[10/12/2018] - Agro dá apoio ao novo ministro do Meio Ambiente
[07/12/2018] - STF impede multa por desrespeito à tabela do frete
[07/12/2018] - Mais uma greve dos caminhoneiros?
[07/12/2018] - Arroba do boi ganha força na alta
[07/12/2018] - Mercado do boi está devagar em SC
[07/12/2018] - Marfrig fecha compra de unidades da BRF
[07/12/2018] - Tereza: produtor deve ser pago para preservar
[07/12/2018] - Milho deve ficar mais caro em 2019
[07/12/2018] - Funai irá para o Ministério dos Direitos Humanos
[06/12/2018] - Arroba do boi voltou a subir em São Paulo
[06/12/2018] - Exportação de boi em alta em novembro
[06/12/2018] - Boi deve subir no Mato Grosso
[06/12/2018] - Há frigoríficos pagando mais pelo boi
[06/12/2018] - CNA pede suspensão de multas por tabela
[06/12/2018] - Custos devem derrubar PIB do Agro em 2018
[06/12/2018] - Dívida do Funrural será extinta?
[06/12/2018] - Minerva nega oferta para comprar ativos da BRF
[06/12/2018] - Prazo para o CAR termina em 31 de dezembro

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br