Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
142,00 130,00 136,00
GO MT RJ
131,00 128,00 130,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1270,00
Garrote 18m 1520,00
Boi Magro 30m 1820,00
Bezerra 12m 960,00
Novilha 18m 1160,00
Vaca Boiadeira 1330,00

Atualizado em: 18/7/2018 09:19

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Época: caso JBS é escandaloso

 
 
 
Publicado em 16/04/2018

Em maio de 2016, quando Michel Temer assumiu a Presidência da República e anunciou Maria Silvia Bastos Marques como chefe do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, os executivos do BNDES tremeram. O banco enfrentava uma crise profunda, em virtude do avanço da Lava Jato e da calamidade econômica provocada pela política intervencionista dos governos petistas.

Os fatos que vinham a público cotidianamente expunham anos de uma gestão desastrosa, que beneficiara sobretudo empresários amigos do PT e, estava evidente, não contribuíra lhufas para o desenvolvimento econômico e social do país. Duvidava-se abertamente da lisura dos diretores do banco, fosse em comissões no Congresso, fosse na opinião pública. Investigações do Ministério Público, da Polícia Federal e do Tribunal de Contas da União examinavam a legalidade dos investimentos bilionários do BNDES. A chegada de Maria Silvia, uma economista tida como rigorosa, embutia, na perspectiva de alguns dos principais executivos do banco, uma mensagem velada: não haveria mais proteção a quem metera dinheiro grosso nas empresas parceiras do PT, como JBS e Odebrecht. 

Um dos que mais temiam essa caçada era Sergio Földes Guimarães. Ele chefiara o Departamento de Mercado de Capitais do BNDES entre o final de 2004 e janeiro de 2009 e, posteriormente, foi superintendente da Área Internacional do banco, de janeiro de 2010 a junho de 2016. Ou seja, ocupou posições de comando durante mais de dez anos da gestão petista. O cargo era estratégico. Nele, Földes supervisionara os investimentos pesados na JBS e nos demais campeões nacionais — aquele grupo de empresas que faturou alto com a política dos governos Lula e Dilma de criar colossos globais por meio de dinheiro público. Em um intervalo de dez anos, de 2005 a 2014, por exemplo, o BNDES despejara R$ 10 bilhões na empresa dos irmãos Batista, usando critérios questionáveis. Às 14h48 de 27 de maio, poucos dias depois do anúncio de Maria Silvia como presidente do banco, Földes enviou uma mensagem de WhatsApp a um colega de carreira do BNDES, Otávio Vianna. Este também chegara a comandar a área de Mercado de Capitais entre outubro de 2011 e março de 2015, durante o governo Dilma Rousseff. Ambos permaneciam no BNDES.

“E aí? Algum boato novo?”, perguntou Földes. Ele buscava notícias sobre as trocas que Maria Silvia faria nos cargos de comando. Em resposta, Vianna enumerou erros da gestão petista e disse que os diretores seriam trocados justamente por isso. “Estão todos contaminados pelo passado”, respondeu ao colega, às 16 horas. Em sucessivas mensagens de texto, Vianna revelou detalhes pouco conhecidos das entranhas do BNDES: “Não sei qual será a posição dela frente às investigações do TCU. Será que vai proteger a galera? O caso da JBS é escandaloso. Precificar opção por fluxo de caixa é indefensável”. Vianna referia-se ao modo pelo qual o BNDES decidira colocar dinheiro na empresa de Joesley Batista. Envolvia um aporte de R$ 1 bilhão do BNDES à JBS, em 2008, por meio de cálculos considerados duvidosos pelos técnicos do TCU, que apontaram superfaturamento no preço pago por ação.

Inéditas, as trocas de mensagem por WhatsApp foram extraídas pela Polícia Federal do celular de Földes, apreendido em 12 de maio do ano passado. As informações contidas no aparelho, obtidas com exclusividade por ÉPOCA, foram classificadas pela PF como “relevantes para a devida apuração dos fatos investigados”. Pela primeira vez, funcionários de alto escalão do banco aparecem falando em graves erros na condução dos negócios da instituição. Nas conversas, não há confissão de crimes ou irregularidades. Mas as trocas francas de mensagens confirmam que não só os executivos questionavam internamente as opções do banco, como apontavam suspeitas de favorecimento a determinadas empresas nos aportes bilionários. Como os executivos participaram, direta ou indiretamente, das operações suspeitas, eles sabem do que estão falando. As suspeitas são investigadas na Operação Bullish, conduzida pelo procurador Ivan Cláudio Marx, da Procuradoria da República no Distrito Federal, e pela delegada da PF Danielle Mady.

Na interpretação da PF, as conversas revelam indícios de problemas não apenas nos aportes à JBS, mas em investimentos na Odebrecht e na Bertin. O material será usado para reforçar os indícios de irregularidades no caso JBS, cujo inquérito deve ser concluído em poucos meses. O procurador Ivan Marx já afirmou publicamente que a empresa, apesar de ter feito acordos de delação e de leniência, omitiu crimes praticados no BNDES, por isso ele não aderiu ao acordo da empresa. O material apreendido também abrirá novas frentes de investigação envolvendo o banco. As provas sigilosas incluem ainda trocas de e-mails entre o ex-presidente do BNDES Luciano Coutinho e o empresário Marcelo Odebrecht, nos quais Coutinho promete resolver uma demanda da empreiteira. Revela-se, também, a apreensão de US$ 168 mil, em dinheiro vivo, na residência de um ex-diretor do banco.

A primeira conversa entre Földes e Vianna, ambos investigados na Bullish, resume o receio com as apurações que avançavam sobre o banco. Földes disse acreditar que a nova presidente acabaria protegendo os funcionários. “A menos que msgs (mensagens) ou delações comprometam o banco”, escreveu ao colega, às 16h02 do mesmo 27 de maio de 2016. Vianna afirmou: “Ela precisa preservar a todo custo a imagem da instituição”. Via a possibilidade de a delação premiada de Marcelo Odebrecht, naquele momento ainda em negociação, atingir a instituição. “Será que vem bomba contra os diretores com MO? ODB Agro foi entre os turnos da eleição e foi a maior operação em anos”, afirmou, às 16h04 do mesmo dia, em referência a um aporte de R$ 2 bilhões do banco à Odebrecht Agroindustrial, no fim de 2014. Földes respondeu: “Tenho medo”. Com informações da revista Época.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[18/07/2018] - Lucro dos frigoríficos melhorou com greve e dólar
[18/07/2018] - Frigoríficos seguem pagando acima da referência
[18/07/2018] - Reposição se movimenta no MS
[18/07/2018] - Frigorífico fechado pela JBS será reaberto
[18/07/2018] - Leite longa vida parou de subir

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[17/07/2018] - Exportações batem recorde de outubro de 2014
[17/07/2018] - Arroba: boi deveria subir mais
[17/07/2018] - Carne não sobe e reduz margem do frigorífico
[17/07/2018] - MT: 300 mil animais tiveram que ser revacinados
[17/07/2018] - Preços do milho sem direção definida
[16/07/2018] - Lula teria pedido para agilizar verba para a JBS
[16/07/2018] - Arroba: frigoríficos oferecem acima da referência
[16/07/2018] - Reposição ganhou força
[16/07/2018] - Exportações de boi em pé cresceram 84%
[16/07/2018] - Exportações do Agro seguem firmes, apesar da greve
[13/07/2018] - Arroba: frigoríficos cm dificuldade para comprar
[13/07/2018] - Preço da carne continua caindo no varejo
[13/07/2018] - STF nega liminar que suspenderia tabela de frete
[13/07/2018] - Frete: aprovação não derruba ações judiciais
[13/07/2018] - O Brasil ganha ou perde com a guerra comercial?
[13/07/2018] - Preço do milho recua e pode cair mais
[13/07/2018] - CNA: campo precisa entrar na política de segurança
[12/07/2018] - Arroba subiu, frigoríficos já pagam mais
[12/07/2018] - CEPEA: arroba em alta, carne em baixa
[12/07/2018] - Frigoríficos apostam em retomada das exportações
[12/07/2018] - Abates batem recorde positivo no MT após a greve
[12/07/2018] - PIB da Pecuária recua no MT mas deve se recuperar
[12/07/2018] - Câmara aprova tabela de frete
[12/07/2018] - Senado aprova tabela de frete em tempo recorde
[12/07/2018] - Lactalis vai produzir marca francesa no Brasil
[11/07/2018] - Arroba: frigoríficos não acham boi para comprar
[11/07/2018] - Carne bovina deve subir mais
[11/07/2018] - Leite pára de subir
[11/07/2018] - Custo deve subir até 50% com tabela de frete
[11/07/2018] - Frete alto dificulta entrega de fertilizantes
[11/07/2018] - JBS: Noruega decide não investir e cita corrupção
[11/07/2018] - Polpa cítrica: oferta está menor
[10/07/2018] - Quem quer vender boi a R$ 150 a arroba?
[10/07/2018] - Consumo de carne bovina segue devagar
[10/07/2018] - Proibição da exportação pode ser votada hoje
[10/07/2018] - Inspeção privada tem data para começar no RS
[10/07/2018] - Crise e inflação podem piorar com tabela
[10/07/2018] - Tabelamento do frete pode ser aprovado hoje
[10/07/2018] - Doença que atinge o milho chegou ao Paraná
[10/07/2018] - Prefeitura fecha acordo para reabrir frigorífico
[09/07/2018] - Arroba: feriado em SP pode puxar cotação do boi
[09/07/2018] - Proibição das exportações pode parar na Justiça
[09/07/2018] - Milho: compradores esperam que preços caiam
[09/07/2018] - Brasil precisa vender melhor lá fora
[06/07/2018] - Consultoria prevê aumento das exportações
[06/07/2018] - MAPA tenta ampliar vendas aos árabes
[06/07/2018] - Arroba: consumo ainda segura a alta do boi
[06/07/2018] - Reposição começa a se movimentar
[06/07/2018] - Pecuaristas do MS pedem redução do ICMS
[06/07/2018] - Proibição de exportação é adiada novamente

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br