Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
153,00 138,00 145,00
GO MT RJ
137,00 138,00 141,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2060,00
Bezerra 12m 1050,00
Novilha 18m 1300,00
Vaca Boiadeira 1480,00

Atualizado em: 15/2/2019 12:26

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Deputados do Agro são contra tabelamento de frete

 
 
 
Publicado em 04/07/2018

Com a presença do deputado Osmar Terra (MDB-RS), relator da Comissão Mista que analisa a Medida Provisória 832/18, sobre a Política de Preços Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) discutiu os andamentos da MP no Congresso Nacional nesta terça-feira (3).

A MP tem prazo de validade de até 120 dias. Se não for votada nesse período, perde a validade. “Temos de estar com esse processo resolvido até o dia 17 de julho, quando inicia o recesso parlamentar”, afirmou o relator. Para Terra, não atender aos pleitos dos caminhoneiros é jogar o país de novo na instabilidade. “O setor, hoje, não está equilibrado”, ressaltou na reunião. O deputado espera aprovar o relatório amanhã (4) no Plenário da Câmara para que a proposta siga ao Senado Federal semana que vem.

Para o relator, a tendência é acatar o custo mínimo do frete e criar um colegiado que contemple representações de todos os envolvidos no processo, como cooperativas, caminhoneiros, entidades das cadeias produtivas do Brasil. “Nossa missão no Congresso é tentar diminuir a radicalização, com uma proposta onde haja bom senso. O objetivo agora, com a MP, é definir se tem ou não custo mínimo do frete. Quem vai regulamentar, com regras específicas, depois é a ANTT”, ressaltou o deputado.

Após greve do segmento de transportadores de cargas que durou mais de 10 dias, o Governo Federal editou três medidas provisórias para atender reivindicações da categoria. No entanto, a iniciativa gerou grande repercussão tanto nas representações dos caminhoneiros quanto no setor agropecuário nacional, que é contra o tabelamento do frete.

O Supremo Tribunal Federal (STF) também foi envolvido na discussão, já que houve questionamento da constitucionalidade da proposta do governo. O ministro Luis Fux, que está com a relatoria do tema no STF, informou que tomará decisões somente após realização de audiência pública marcada para o dia 27 de agosto.

Para a presidente da FPA, deputada Tereza Cristina (DEM-MS), há de se ter sensibilidade ao momento, mas tabelar frete em forma de Lei é uma temeridade. Segundo a presidente, a posição da maioria da Frente é contrária ao tabelamento. “Precisamos achar uma fórmula matemática de custo, com variáveis para cada cadeia produtiva nacional. Algo ajustável e não um valo rígido por Lei”, destacou a deputada.

A presidente citou alternativas, como o Consecana-SP (Conselho dos Produtores de Cana-de-açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo e o Conseleite-Paraná, que são entidades certificadoras e isentas que realizam os cálculos dos custos dos fretes. “O país tem uma gama enorme de segmentações do frete: os de curta e longa distância, o de retorno, o que envolve contêiner, o de carga líquida, de carga seca. Não é fácil se chegar a um consenso”, disse Tereza Cristina.

O vice-presidente da FPA, deputado Alceu Moreira (MDB-RS), ressaltou que há muita oscilação de preços no mercado que influenciam o custo do frete. “Não tem como tabelar isso. É uma Política de Estado intervencionista”. Para ele, o desafio é encontrar uma instituição da confiança de todos os segmentos envolvidos para realizar as projeções de todas as variáveis dos fretes no país.

“Seria um custo mínimo, mês a mês, que serviria de referência ao processo. Colocar um preço fixo mínimo do frete pode inviabilizar a comercialização de determinados produtos”, disse Moreira. O vice-presidente da FPA na Região Sul, deputado Sérgio Souza (MDB-PR), também defendeu que a única solução para o impasse é uma tabela que sirva de referência.

No Rio Grande do Sul, por exemplo, segundo o deputado Valdir Colatto (MDB-SC), coordenador de Meio Ambiente da FPA, o ICMS está sendo cobrado em cima da tabela prevista na MP. “Os transportadores estão sendo notificados quando não seguem a tabela. Isso causa uma enorme insegurança jurídica”.

Para o deputado, há de se existir sim um valor de custo variável baseado em estudos de instituições credenciadas para isso. “O valor deve ser discutido mensalmente, pois existem variáveis que influenciam nisso, como o preço do petróleo. Engessar isso em Lei torna o processo insustentável”, afirmou Colatto. Ele ainda destacou que o texto do relatório não atende, em sua totalidade, os embarcadores, os transportadores de empresas e os autônomos.

Na ocasião, o deputado Evandro Gussi (PV-SP), coordenador jurídico da FPA, alertou que existe uma irracionalidade econômica ao se propor um custo mínimo. “Tabelamento nunca funcionou em lugar nenhum do mundo. Os caminhoneiros precisam ter conhecimento de como controlar custos, buscar as melhores práticas para tornar o serviço mais rentável e sustentável. Para mim, a única solução é um valor referencial, calculado por uma instituição crível para isso”, disse Gussi.

Segundo o deputado Covatti Filho (PP-RS), coordenador de Política Agrícola da FPA, a pressão maior é com o prazo para se resolver a situação, antes do recesso parlamentar e do período eleitoral. “Se não houver consenso, a proposta final será bastante prejudicial para um dos lados e uma nova paralisação pode acontecer. É preciso pensar no momento pelo qual o país passa. Mitigar os danos tentando uma negociação é o melhor caminho”, enfatizou Covatti.

Hoje, de acordo com o deputado Osmar Terra, o Brasil depende 90% do transporte rodoviário, operado, em sua maioria, por transportadores e caminhoneiros autônomos. “As entidades da categoria reclamam das condições insalubres e dos altos custos que colocam em xeque a sustentabilidade do setor”, disse o relator da MP. Com informações da FPA.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[15/02/2019] - Frigoríficos aumentam a pressão sobre o boi
[15/02/2019] - Carne: será que as vendas melhoram no Carnaval?
[15/02/2019] - Leite: governo ainda não aumentou tarifa da UE
[15/02/2019] - Leite: CEPEA mudará cálculo do preço ao produtor
[15/02/2019] - China fecha acordo para importar frango do Brasil
[15/02/2019] - Acordo com China puxa ações de frigoríficos
[15/02/2019] - JBS substitui Marfrig e assina parceria com ACNB

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[15/02/2019] - Empresa da JBS tem prejuízo nos EUA
[15/02/2019] - Marfrig já está exportando ao Japão
[14/02/2019] - Carne: margem de lucro do varejo aumentou
[14/02/2019] - Arroba: o mercado está devagar?
[14/02/2019] - CEPEA: produtividade aumentou nos últimos anos
[14/02/2019] - Justiça pede explicações sobre fim da tarifa
[14/02/2019] - Produtores de leite protestam por falta de energia
[14/02/2019] - Indígenas plantam 18 mil hectares de grãos
[14/02/2019] - Tereza defende o direito de índios de produzir
[14/02/2019] - Funrural: produtor tem dúvidas sobre o pagamento
[14/02/2019] - Governo incentiva financiamento rural
[14/02/2019] - Frio extremo mata gado leiteiro nos EUA
[13/02/2019] - Leite: como o governo aumentará a tarifa da UE?
[13/02/2019] - Reforma aumenta contribuição rural ao INSS
[13/02/2019] - Conta de luz rural pode aumentar
[13/02/2019] - Arroba: oferta curta está puxando preço do boi
[13/02/2019] - Exportações de couro em alta
[13/02/2019] - Oferta de gado pode diminuir
[13/02/2019] - MT: utilização de capacidade dos frigos é recorde
[13/02/2019] - Falta reposição no Pará
[13/02/2019] - Exportações do agro batem US$ 102 bi em 1 ano
[13/02/2019] - Minerva quer incentivo fiscal para reabrir unidade
[12/02/2019] - Exportações: fevereiro já começou com recordes?
[12/02/2019] - Exportações à Rússia em 2019 já batem 2018
[12/02/2019] - Governo deve rever fim de taxa ao leite europeu
[12/02/2019] - Arroba: frigoríficos têm dificuldade para comprar
[12/02/2019] - Reposição: expectativa pela chegada dos bezerros
[12/02/2019] - Carne: queda nos preços perde força
[12/02/2019] - Milho: produtor deve ter cautela
[12/02/2019] - Funrural: Abrafrigo diz que dívida não existe
[12/02/2019] - Crédito rural tem forte alta nas contratações
[12/02/2019] - Índios e produtores comemoram colheita juntos
[11/02/2019] - Arroba: pecuarista segura o boi esperando a alta
[11/02/2019] - Exportações de gado cresceram 55% em 1 ano
[11/02/2019] - Conta do boi não fecha, diz líder rural
[11/02/2019] - Ministério não vê danos com leite da UE
[11/02/2019] - Produtores pedem taxa sobre o leite em pó
[11/02/2019] - Milho: colheita não reduziu preços
[11/02/2019] - Milho: safrinha gera preocupação
[11/02/2019] - Farelo de soja: preço caiu
[11/02/2019] - Crédito: Tereza pede redução gradual de subsídio
[08/02/2019] - Marfrig demite 400 funcionários de frigorífico
[08/02/2019] - Marfrig pode exportar carne para o Japão
[08/02/2019] - Frigoríficos estão em alta na Bolsa
[08/02/2019] - Arroba teve pequena alta em SP
[08/02/2019] - Arroba: mercado está devagar em Goiânia
[08/02/2019] - STF confirma que tabela de frete está valendo
[08/02/2019] - Alimentos em alta no mercado internacional
[08/02/2019] - Brumadinho: BB deve suspender contratos
[08/02/2019] - Aftosa: MAPA publica manual de vacinação

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br