Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
147,00 142,00 140,00
GO MT RJ
137,00 133,00 143,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1370,00
Garrote 18m 1600,00
Boi Magro 30m 1970,00
Bezerra 12m 1000,00
Novilha 18m 1190,00
Vaca Boiadeira 1390,00

Atualizado em: 14/11/2018 10:38

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

JBS diz ter pago R$ 70 mi ao governador do MS

 
 
 
Publicado em 13/09/2018

O sócio da JBS, Wesley Batista, afirmou ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) que a empresa de carnes pagou R$ 70 milhões em propina ao governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), atual candidato à reeleição, do início de 2015 ao final de 2016 em troca de benefícios fiscais.

Segundo ele e seu irmão, Joesley, os pagamentos foram tratados pessoalmente com o tucano.

Azambuja e outros políticos e empresários foram alvos nesta quarta-feira (12) da Operação Vostok, deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal com autorização do ministro do STJ, Félix Fischer, relator do inquérito no tribunal.

O ministro determinou a prisão temporária, por cinco dias, de 14 pessoas, incluindo um dos filhos do governador, Rodrigo Souza. Ele também autorizou buscas e apreensões em três endereços vinculados ao governador, um dos quais o próprio gabinete de trabalho na Governadoria.

Segundo a decisão de Fischer, o Coaf (órgão de inteligência financeira do Ministério da Fazenda) localizou uma transferência, “desvinculada de justificativa”, de R$ 244 mil da JBS direto para a conta pessoal de Azambuja, além de “movimentações atípicas” na sua conta no valor de R$ 27 milhões num espaço de 12 meses, de 2016 a 2017.

A investigação sobre o governador começou em junho de 2017, depois que os irmãos Batista e outros funcionários da JBS fecharam um acordo de delação premiada com a PGR (Procuradoria Geral da República). O caso foi enviado ao STJ porque governadores têm a prerrogativa de serem investigados naquele tribunal.

Em dezembro passado, os Batista contaram à PF, autorizada pelo STJ, detalhes das suspeitas sobre o governador. Disseram que a empresa mantinha um esquema com o governo de MS desde o ano 2003, o que seria do conhecimento de três governadores desde então: José Orcírio, o Zeca do PT, André Puccinelli (MDB), também preso pela PF em outra investigação, e Azambuja.

O sistema funcionava, segundo os Batista, da seguinte forma: o governador garantia, em decretos e aditivos, determinadas isenções fiscais para a JBS e, em troca, a empresa destinava em propina para o chefe do Executivo correspondente a 20% (de 2003 a 2006) e 30% (de 2007 a 2016) do valor total dos créditos tributários recebidos pela empresa.

Em março de 2015, Azambuja assinou um aditivo a um decreto estadual que existia desde os anos 2000, pelo qual estendeu benefícios fiscais à JBS. Segundo a PGR informou ao STJ, os valores eram pagos de três formas: doações eleitorais legais, entregas de dinheiro em espécie e pagamentos a frigoríficos que emitiam notas fiscais “frias”, ou seja, sem a entrega dos bois. As empresas recebiam os valores e redirecionavam a outras contas bancárias.

Dos R$ 70 milhões destinados a Azambuja, segundo Wesley, cerca de R$ 53 milhões foram para as empresas que emitiam notas fajutas. Os irmãos Batista afirmaram ainda que a lista das empresas às quais a JBS deveria destinar os valores foi apresentada pelo próprio Azambuja.

De acordo com Joesley, em certa ocasião o próprio governador lhe entregou pessoalmente, na Governadoria, seis notas fiscais “frias” que deveriam justificar alguns dos pagamentos.

Um dos fazendeiros que emitiram notas mas não venderam gado, segundo os delatores, foi o ex-secretário de Fazenda de Azambuja e atual conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado), Márcio Campos Monteiro, um dos presos na operação desta quarta-feira.

Em dezembro de 2016, ele recebeu R$ 333 mil da JBS. Monteiro prestou depoimento à PF em março passado. Ele disse que recebeu o pagamento por ter vendido 140 cabeças de gado à JBS e usou o dinheiro para “quitar um compromisso bancário”.

No depoimento, Monteiro reconheceu que o governo do estado recolheu em tributos do grupo J&F, controlador da JBS, cerca de R$ 55 milhões em 2015, R$ 100 milhões em 2016 e R$ 200 milhões em 2017, ano em que veio à tona a delação premiada feita pelos executivos da empresa.

Esse crescimento nos recolhimentos, segundo Monteiro, ocorreu “sem que houvesse o aumento do abate pela empresa no estado” e após "a renegociação dos termos de acordo firmados com as empresas” do grupo empresarial.

A assessoria do governador, procurada, não se manifestou. A assessoria informou que desde as 14h30 Azambuja “prestava esclarecimentos” em depoimento à PF de Campo Grande (MS), que não havia acabado até o fechamento deste texto. Monteiro negou qualquer irregularidade com a venda dos bois. Com informações da Folha.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[14/11/2018] - Exportações têm o terceiro maior valor da história
[14/11/2018] - Exportações puxam abates no terceiro trimestre
[14/11/2018] - Funrural leva JBS a prejuízo
[14/11/2018] - Arroba: feriado não puxou preço do boi
[14/11/2018] - Exportação de boi cai com crise na Turquia
[14/11/2018] - Paraná: está mais caro repor o gado
[14/11/2018] - CNA pede que multas por frete sejam suspensas

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[14/11/2018] - Carne Fraca ainda preocupa o MAPA
[13/11/2018] - Qual a previsão para a pecuária em 2019?
[13/11/2018] - Frigoríficos crêem em ano bom para eles
[13/11/2018] - STJ manda soltar Joesley Batista
[13/11/2018] - Arroba: prisão de Batista não afetou cotações
[13/11/2018] - Reposição: preços firmes para quem vende
[13/11/2018] - Atacado da carne segue sem definição
[13/11/2018] - Como estão as exportações em novembro?
[13/11/2018] - MAPA começa a fazer a transição
[13/11/2018] - Brasileiros vão à Venezuela combater a aftosa
[12/11/2018] - Justiça solta dois presos da Operação Capitu
[12/11/2018] - Operação começou por gravação com Geller
[12/11/2018] - Arroba: pressão de baixa diminuiu
[12/11/2018] - Carne: varejo segue devagar
[12/11/2018] - Milho sobe, depois de três meses de queda
[12/11/2018] - Tereza Cristina fala sobre o futuro do MAPA
[12/11/2018] - Minerva negocia investimento com árabes
[12/11/2018] - Crise não reduz consumo de carne na Argentina
[12/11/2018] - Mosca-dos-estábulos: como controlar?
[09/11/2018] - PF: Batista pagava para garantir monopólio à JBS
[09/11/2018] - Com Joesley preso, desconfiança volta à JBS
[09/11/2018] - Arroba: confinamento pressiona e o boi cai
[09/11/2018] - Preço do boi firme no RS
[09/11/2018] - Leite: segundo mês de queda para o produtor
[09/11/2018] - Leite: custo de produção tem leve queda
[09/11/2018] - Milho: pressão de baixa pode acabar
[09/11/2018] - Funrural: governo oficializa prazo até 31/12
[09/11/2018] - Tereza: frete não pode esperar até janeiro
[09/11/2018] - Descumprir tabela do frete: multa de R$ 10,5 mil
[08/11/2018] - Arroba: mercado está devagar
[08/11/2018] - CEPEA: alguns frigoríficos pagam mais pelo boi
[08/11/2018] - Consumo de leite segue fraco
[08/11/2018] - Tereza Cristina será a nova titular do MAPA
[08/11/2018] - Nova ministra quer defender a propriedade
[07/11/2018] - Arroba: alta da carne pode puxar o preço do boi
[07/11/2018] - Reposição em alta em Rondônia
[07/11/2018] - Irã e Egito querem importar gado do RS
[07/11/2018] - Bolsonaro: decisão sobre Israel não está tomada
[07/11/2018] - Sergio Moro defende punição contra invasões
[07/11/2018] - Bancada participa da transição de governo
[07/11/2018] - Bancada ruralista sai fortalecida das eleições
[07/11/2018] - Minerva anuncia prejuízo e culpa alta do dólar
[07/11/2018] - Marfrig: margem com carne em alta nos EUA
[06/11/2018] - Arroba: frigoríficos tentam pagar menos pelo boi
[06/11/2018] - Reposição sobe há 18 semanas
[06/11/2018] - CEPEA: lácteos seguem em queda
[06/11/2018] - JBS fecha acordo bilionário para vender carne
[06/11/2018] - Exportações do agro faturaram 10% mais
[06/11/2018] - Retaliação árabe traz apreensão ao mercado
[06/11/2018] - Marfrig reduz prejuízo

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br