Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
150,00 144,00 144,00
GO MT RJ
142,00 134,00 144,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1350,00
Garrote 18m 1570,00
Boi Magro 30m 1940,00
Bezerra 12m 980,00
Novilha 18m 1150,00
Vaca Boiadeira 1380,00

Atualizado em: 11/10/2018 13:36

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Aliado detalha propostas de Bolsonaro para o Agro

 
 
 
Publicado em 10/10/2018

Um eventual governo de Jair Bolsonaro buscará apoiar a todos os produtores rurais, não só os maiores, desburocratizar processos e acabar com a chamada “indústria das multas” do Ministério de Meio Ambiente, disse nesta terça-feira à Reuters Luiz Antônio Nabhan Garcia, aliado do candidato do PSL à Presidência.

Cotado para assumir um futuro Ministério da Agricultura e Meio Ambiente, que juntaria as duas pastas em um governo Bolsonaro, Garcia disse que é preciso dar segurança jurídica ao produtor rural, que assim poderia destravar investimentos.

“Não pode ter uma indústria da multa punitiva. Tem que ser uma indústria construtiva e educativa… Quem cometeu infração tem que ser punido, mas antes é preciso um projeto educacional, mostrar como preservar…”, declarou ele, líder da União Democrática Ruralista (UDR), entidade que se notabiliza pela defesa da propriedade rural e combate a movimentos de sem-terra, como o MST.

A proposta de Bolsonaro da fusão das pastas de Agricultura e Meio Ambiente, além de reduzir o número de ministérios, também seria importante para dar mais agilidade ao setor agropecuário, tido por algumas organizações não-governamentais como motor do desmatamento no Cerrado e na Amazônia.

O representante da UDR, um dos conselheiros de Bolsonaro para o setor do agronegócio, disse que é preciso “separar o joio do trigo”, aqueles que atuam legalmente de madeireiros e garimpeiros ilegais.

“Não dá para jogar (a culpa) nas costas do produtor rural…”, afirmou.

Para Garcia, que disse estar assessorando Bolsonaro “na solução dos principais gargalos do setor rural”, o Ministério do Meio Ambiente trabalha atualmente para arrecadar recursos à União.

“O Estado quer arrecadar e tem que acabar com isso. Aí o produtor fica dez anos se defendendo na Justiça”, ressaltou ele, criticando também integrantes do Meio Ambiente, que estariam “a serviço das ONGs, escusas e do interesse internacional”.

Garcia defendeu ainda que o futuro governo tem de zerar o repasse de recursos públicos para ONGs que atuam no Brasil, “porque milhares delas estão atuando com interesses escusos”. Ele não elaborou.

Procuradas, autoridades do Ministério de Meio Ambiente não comentaram as afirmações imediatamente.

Para o líder da UDR, o setor agrícola precisa de uma atenção especial do governo porque tem ajudado na economia nos últimos anos. A soja, por exemplo, é o principal produto de exportação do Brasil, que é o principal exportador da oleaginosa, de carnes bovina e de frango, entre outros produtos agrícolas.

“Se não fosse o setor rural o país tinha explodido nos últimos anos e não teria sobrado nada. O agronegócio é quem alavanca o país.”

Para todos

Durante sua campanha, Bolsonaro já criou polêmicas sobre demarcação de terras e preservação de áreas indígenas e quilombolas.

Mas Garcia negou que Bolsonaro vá fazer um governo, caso seja eleito, voltado para os grandes latifundiários do país.

Ele atribuiu ao PT, do oponente Fernando Haddad, esse tipo de “fake news”.

“Isso é papo furado dessas ideologias doentias que existem aí. Pelo contrário, não tem essa divisão. Isso é ranço do PT. Vamos incentivar a agricultura familiar. Pequeno, médio e grande produtor estão na mesa, e isso (de priorizar os grandes) é piada”, declarou ele.

Para o aliado de Bolsonaro, produtores agrícolas de menor porte têm dificuldades para acessar crédito no BNDES, enquanto grandes empresas do setor de carnes conseguiriam com facilidade.

“O BNDES em vez de bancar frigorífico tem que oferecer à base da indústria agro. O produtor para conseguir merreca fica seis meses, um ano sendo humilhando no BNDES. Isso vai acabar. Faremos política para todo mundo e não para um monopólio.” Com informações da Reuters.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[11/10/2018] - Exportações do Agro devem chegar a R$ 100 bi
[11/10/2018] - Exportações de carne bovina devem bater R$ 7 bi
[11/10/2018] - Arroba: frigoríficos pressionam e mercado trava
[11/10/2018] - CEPEA: preço do boi oscila com força
[11/10/2018] - EUA batem recorde na exportação de carne
[10/10/2018] - Aliado detalha propostas de Bolsonaro para o Agro
[10/10/2018] - Bancada vai ao RJ para dar apoio a Bolsonaro

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[10/10/2018] - Arroba: confinamento pressiona cotação do boi
[10/10/2018] - Preço da carne não caiu
[10/10/2018] - Leite: primeira queda em sete meses
[10/10/2018] - Custo para produzir leite continua subindo
[10/10/2018] - Novas regras devem facilitar o SISBOV
[10/10/2018] - Mato Grosso bate recorde de exportação de carne
[10/10/2018] - Senado deixa Funrural para o último dia
[09/10/2018] - Arroba: frigoríficos testam o mercado
[09/10/2018] - Carne tem preço firme no varejo
[09/10/2018] - Abrafrigo: exportações bateram recorde histórico
[09/10/2018] - Exportação começa outubro mantendo ritmo
[09/10/2018] - UE comprará mais carne bovina dos EUA
[09/10/2018] - Exportação de couro cresceu quase 20%
[09/10/2018] - Leite: preço do longa vida continua recuando
[09/10/2018] - JBS dobra capacidade em duas unidades
[09/10/2018] - CNA tenta cancelar audiência sobre frete
[08/10/2018] - Bolsonaro e Haddad farão segundo turno
[08/10/2018] - Como fica a Bancada do Agro após as eleições?
[08/10/2018] - JBS sofre processo por carne contaminada
[08/10/2018] - Arroba: frigoríficos pisam no freio
[08/10/2018] - Queda do dólar chega ao farelo de soja
[08/10/2018] - Milho: preço cai com retração compradora e dólar
[08/10/2018] - MAPA investiga multas canceladas
[08/10/2018] - Paraná deve antecipar retirada da vacina
[05/10/2018] - BB vê ótimas perspectivas para carne bovina
[05/10/2018] - Arroba: mercado sem força para cair
[05/10/2018] - Qual a perspectiva para os preços de reposição?
[05/10/2018] - Preço da carne pára de subir
[05/10/2018] - Para onde vão os preços do leite?
[05/10/2018] - Italac negocia fusão e acirra guerra pelo leite
[05/10/2018] - Deputado diz que prazo do Refis será prorrogado
[05/10/2018] - Foco de aftosa tira certificado da Colômbia
[04/10/2018] - Arroba: exportações firmes sustentam o boi
[04/10/2018] - Arroba: oferta curta segue puxando o boi
[04/10/2018] - JBS faz recall de carne por suspeita de salmonela
[04/10/2018] - Leite: pressão de baixa sobre o longa vida
[04/10/2018] - Milho: preços recuam
[04/10/2018] - A confusão sobre o fim do Refis do Funrural
[03/10/2018] - Sauditas vão importar boi e carne do Brasil
[03/10/2018] - Arroba continua em alta, sem sinal de virada
[03/10/2018] - Leite: depois de 7 meses, preço caiu
[03/10/2018] - Queda de postes mata 18 vacas no RS
[02/10/2018] - Exportações de carne bovina batem novo recorde
[02/10/2018] - Frente do Agro oficializa apoio a Jair Bolsonaro
[02/10/2018] - Frigorífico tenta justificar dívida milionária
[02/10/2018] - JBS faz refinanciamento bilionário do Funrural
[02/10/2018] - Arroba: poucos ajustes, mas para cima
[02/10/2018] - Carne subiu no atacado
[02/10/2018] - Reposição: poder de compra do pecuarista melhorou
[02/10/2018] - Milho: safra é 25% menor no MS

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br