Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
151,00 138,00 146,00
GO MT RJ
136,00 136,00 144,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2000,00
Bezerra 12m 1020,00
Novilha 18m 1250,00
Vaca Boiadeira 1420,00

Atualizado em: 14/1/2019 12:58

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

CNA quer Itamaraty mais agressivo

 
 
 
Publicado em 05/11/2018

Num cenário em que União Europeia, Estados Unidos, Rússia e China ainda mantêm restrições às carnes do Brasil e posturas comerciais protecionistas voltam a ganhar força ao redor do mundo, o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, defende que, no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), o Itamaraty seja mais “agressivo” em suas gestões para tentar abrir mercados e impulsionar as exportações do agronegócio.

“O Ministério das Relações Exteriores está um pouco distante das nossas necessidades. Não tem sido um ministério aguerrido. Falta mais agilidade”, afirmou Martins em entrevista ao Valor na semana passada na sede da entidade, em Brasília, onde elencou uma série de prioridades do setor para os próximos anos.

O presidente da CNA entende que é preciso que o governo federal assuma uma postura mais de negociador do que de diplomata quando o assunto for o acesso dos produtos agropecuários do país no mercado internacional. E disse acreditar que Bolsonaro vem sinalizando que montará um governo capaz de executar essa agenda. “Pelo menos ele está acenando que tem muita vontade de vencer os desafios”.

A CNA defende que o Brasil estabeleça acordos comerciais de foram a tornar a agropecuária nacional mais competitiva. E quer o foco nos principais mercados importadores de alimentos, como União Europeia, China, Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão e México.

A medida consta no documento “O Futuro é Agro”, que reúne um conjunto de metas prioritárias para a confederação e outras 15 entidades do agronegócio até 2030 e foi entregue em sabatina aos presidenciáveis durante a campanha — Bolsonaro não compareceu ao encontro que marcou a entrega do documento aos postulantes do Planalto.

Martins também sustenta que a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento (Apex-Brasil), que não é ligada ao Itamaraty, seja mais efetiva e objetiva na agenda voltada para alavancar os embarques de itens agropecuários para os mais diferentes mercados.

A CNA também pede que o novo governo apoie a aprovação no Congresso de uma Lei Plurianual para o agronegócio nos moldes da “Farm Bill” (lei americana), de forma que o orçamento voltado à agricultura seja condizente com o calendário dos anos-safra, aloque mais recursos para o programa de subsídios do prêmio rural, amplie o investimento público na construção e finalização de obras de infraestrutura estratégicas para setor, promova parcerias com os Estados para garantir mais segurança no meio rural e blinde as verbas para a defesa agropecuária de contingenciamentos.

Martins afirmou que há um clamor no segmento agropecuário para que o Ministério da Agricultura também mire cada vez mais uma agenda de modernização e redução da burocracia daqui para a frente. Assim, disse, o próximo comandante da Pasta precisará ser alguém comprometido com essa ideia, especialmente num momento em que o sistema sanitário brasileiro está sendo colocado em xeque ainda em decorrência de reflexos da Operação Carne Fraca.

“Se a gente continuar com um ministério antigo, permaneceremos com esses problemas, principalmente com países mais exigentes”, declarou o dirigente.

Dentro do pacote de medidas essenciais para o desenvolvimento da agropecuária brasileira, a CNA também defende que o próximo ministro da Agricultura tenha um perfil técnico — de preferência um produtor rural ou empresário com vivência na área. “Acho que político não deveria ser ministro agora. Muitos políticos perderam a eleição, então vamos alocar essas pessoas no ministério? Isso não seria correto”. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[17/12/2018] - BOLETIM NOTÍCIAS DA PECUÁRIA EM RECESSO
[14/12/2018] - Arroba: frigoríficos continuam procurando boi
[14/12/2018] - Arroba sobe forte no RJ
[14/12/2018] - Agência otimista com a situação do Minerva
[14/12/2018] - Leite: importações podem ser suspensas
[14/12/2018] - CNA pede ao STF decisão urgente sobre frete
[14/12/2018] - Incerteza sobre frete trava negócios

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[13/12/2018] - Fux volta atrás e tabela de fretes volta a valer
[13/12/2018] - CNA recorrerá contra tabela do frete
[13/12/2018] - Líder dos caminhoneiros agradece Fux
[13/12/2018] - Exportações de gado em pé cresceram 80%
[13/12/2018] - Arroba chega ao maior valor do ano
[13/12/2018] - Abates de novilhas batem recorde
[13/12/2018] - Abates bovinos cresceram 7% em um ano
[13/12/2018] - Exportações poderiam ter crescido mais
[13/12/2018] - Leite: longa vida tem preços estáveis
[13/12/2018] - Mercado do leite está estagnado
[13/12/2018] - Onde criar gado é correr risco de vida
[12/12/2018] - Exportações devem bater recorde em 2019
[12/12/2018] - Arroba: frigoríficos precisam de boi para o Natal
[12/12/2018] - Para onde vai o preço da reposição?
[12/12/2018] - Fracassa leilão de frigorífico em SP
[12/12/2018] - Venda da parte do BNDES na JBS ficou para 2019
[12/12/2018] - Ruralistas nunca foram contra ambiente e índios
[12/12/2018] - Deputados querem prorrogar o Refis do Funrural
[11/12/2018] - PF investiga propina da JBS a Aécio Neves
[11/12/2018] - Árabes aumentam pressão sobre Bolsonaro
[11/12/2018] - Caminhoneiros temem falta de apoio para greve
[11/12/2018] - Arroba: festas de final de ano puxam o boi
[11/12/2018] - Oferta curta valoriza preço da reposição
[11/12/2018] - Alta no atacado puxa preço da carne no varejo
[11/12/2018] - Exportações de carne: dezembro começa forte
[10/12/2018] - Caminhoneiros protestam contra decisão do STF
[10/12/2018] - Arroba do boi segue subindo
[10/12/2018] - Atacado da carne tem recorde de preço
[10/12/2018] - Marfrig será líder global em hambúrguer
[10/12/2018] - Leite: oferta aumentou e derrubou preço
[10/12/2018] - MG terá nova referência para o preço do leite
[10/12/2018] - Milho: preços seguem firmes
[10/12/2018] - Agro dá apoio ao novo ministro do Meio Ambiente
[07/12/2018] - STF impede multa por desrespeito à tabela do frete
[07/12/2018] - Mais uma greve dos caminhoneiros?
[07/12/2018] - Arroba do boi ganha força na alta
[07/12/2018] - Mercado do boi está devagar em SC
[07/12/2018] - Marfrig fecha compra de unidades da BRF
[07/12/2018] - Tereza: produtor deve ser pago para preservar
[07/12/2018] - Milho deve ficar mais caro em 2019
[07/12/2018] - Funai irá para o Ministério dos Direitos Humanos
[06/12/2018] - Arroba do boi voltou a subir em São Paulo
[06/12/2018] - Exportação de boi em alta em novembro
[06/12/2018] - Boi deve subir no Mato Grosso
[06/12/2018] - Há frigoríficos pagando mais pelo boi
[06/12/2018] - CNA pede suspensão de multas por tabela
[06/12/2018] - Custos devem derrubar PIB do Agro em 2018
[06/12/2018] - Dívida do Funrural será extinta?
[06/12/2018] - Minerva nega oferta para comprar ativos da BRF
[06/12/2018] - Prazo para o CAR termina em 31 de dezembro

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br