Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
191,00 176,00 190,00
GO MT RJ
179,00 176,00 175,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1750,00
Garrote 18m 2100,00
Boi Magro 30m 2550,00
Bezerra 12m 1350,00
Novilha 18m 1600,00
Vaca Boiadeira 1890,00

Atualizado em: 21/1/2020 09:45

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Exportador, agro é menos sensível ao risco Brasil

 
 
 
Publicado em 12/08/2019

Os cenários para investimentos no Brasil parecem que se dividem em dois caminhos. Para o agronegócio mais dependente do mercado externo, a sensibilidade ao risco já vinha menor mesmo antes das reformas estruturais entrarem em rota de aprovação como está agora. Para os setores secundário e terciário, onde a economia interna é mais determinante, a aversão ao risco mostra-se maior.

Naturalmente, as operações internas sofrem com o impacto dos desequilíbrios fiscais e a alta carga tributária – e portanto a soja e outras commodities carregam nas exportações o custo Brasil –, mas boa parte das receitas não vêm em reais de uma economia achatada e com alto nível de desemprego.

Alex Agostini, economista-chefe da Austin Ratings, concorda que aparentemente há “um Brasil urbano e outro do campo”, mas que ambos agora estão se encontrando com o risco externo, sob a guerra comercial Estados Unidos-China assumindo contornos mais graves e levando a perspectiva de resolução para mais para frente.

“Com a possível aprovação da Previdência no Senado e entrada em debate da (reforma) tributária, o ambiente podia começar a melhorar mais até o final de ano para investimentos, mas agora temos que monitorar o impacto externo”, explica Agostini.

De reflexo mais imediato, lembra Agostini, tem-se o câmbio, e num ambiente mais grave, a deterioração da economia mundial.

O comportamento do dólar até ajudou nos vários resultados positivos de empresas do agronegócio com ações em bolsa, no segundo semestre, como o visto semana passada da BRF, quando noto-se que a janela de exportações foram em boa parte responsáveis (veja acima em Leia também análise de Money Times). E veja que neste caso específico, a companhia também está focada no mercado interno.

Como é o exemplo dos frigoríficos de bovinos habilitados para exportação. Com um pé nos dois lados, mas com resultados crescentes nas exportações – e puxando investimentos na pecuária, com animais melhorados. E melhor ainda em setores pouco dependentes de negócios no Brasil, como a soja, que seguem atraindo investimentos na cadeia produtiva, a exemplo do anunciado recentemente pela chinesa Cofco, algumas agroquímicas e outras em logística.

Mas o estresse internacional está mais instalado no segundo semestre, reforça o economista da Austin, para quem o andamento da economia interna favorável também vai ajudaria mesmos em setores com maior grau de internacionalização. “A demanda interna está muito represada”, argumenta.

E deverá ficar mais, com o carrego de um PIB do primeiro semestre com dados ruins, que deve ser conhecido nos próximos dias.

De todo modo, de carona no cenário menos sensível ao risco interno, há melhores expectativas do agronegócio dar uma reposta mais rápida à aprovação das reformas do que a indústria de um modo geral, admite Alex Agostini. As taxas de investimentos no Brasil, puxadas pela setor terciários, é uma das mais baixas em 20 anos, reforça.

Quanto ao risco político, do País caminhar para um ambiente radicalizado pelo estilo e ações do presidente Jair Bolsonaro, ainda há em jogo a pressão positiva das reformas sobre a economia, ao contrário de 2014 (com o movimento Catraca Livre), e depois com as manifestações pelo impeachment. “A crise econômica estava instalada”, acentua o economista-chefe da Austin, enquanto aparentemente agora há algum sinal mais claro de que poderá ficar trás. “Além disso, há a equipe econômica por trás”, complementa.

Paulo Guedes e os demais membros funcionam agora como vacina contra o Palácio do Planalto quando as empresas ponderam investimentos. Com informações do Money Times.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[21/01/2020] - China quer renegociar até carne já embarcada
[21/01/2020] - Exportações perderam ritmo mas seguem fortes
[21/01/2020] - Frigoríficos querem forçar baixa do boi
[21/01/2020] - Pecuaristas travam vendas com arroba menor
[21/01/2020] - Queda da carne não é generalizada
[21/01/2020] - PIB do Agro cresceu 1,15% até outubro
[20/01/2020] - Arroba: preços continuarão caindo?

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[20/01/2020] - SC bate recorde na exportação de carne
[20/01/2020] - Vai faltar leite em 2020?
[20/01/2020] - Farelo de soja está mais caro
[20/01/2020] - Novos adidos agrícolas tomam posse
[20/01/2020] - Anvisa decide que abamectina continuará à venda
[20/01/2020] - MS deve criar fundo privado para sanidade
[20/01/2020] - Tabela de frete será julgada em fevereiro?
[17/01/2020] - O acordo EUA-China prejudica a carne brasileira?
[17/01/2020] - China: produção de carne suína tem queda histórica
[17/01/2020] - Bois e carne viram foco de bandidos
[17/01/2020] - Carne volta a cair com força no atacado
[17/01/2020] - Arroba volta a cair: pressão de baixa continua
[17/01/2020] - Controladores do Minerva venderão ações
[17/01/2020] - Minerva quer voltar a distribuir lucro
[17/01/2020] - Saída do BNDES da JBS vai atrasar novamente
[17/01/2020] - Nova tabela de frete: alta de 11 a 15%
[16/01/2020] - Arroba: frigoríficos estão pagando preços iguais?
[16/01/2020] - A alta do boi em 2019 foi realmente forte?
[16/01/2020] - Agro respondeu por 43% das exportações do Brasil
[16/01/2020] - Pecuarista investiu apesar da crise
[16/01/2020] - Inflação medida pelo IGP mostra desaceleração
[16/01/2020] - Leite: preço deve subir no curto prazo
[16/01/2020] - Minerva fará oferta de ações
[15/01/2020] - Arroba volta a cair com pressão dos frigoríficos
[15/01/2020] - Preço da carne bovina tem queda forte em MT
[15/01/2020] - China pressiona frigoríficos por preços menores
[15/01/2020] - China vende mais carne das reservas estatais
[15/01/2020] - Arábia Saudita abre mercado ao Uruguai
[15/01/2020] - Vendas do varejo tiveram alta em novembro
[15/01/2020] - MAPA prevê crescimento de 17% no PIB da Pecuária
[15/01/2020] - Reposição: muita especulação em Mato Grosso
[15/01/2020] - Leite: captação caiu com força no RS
[15/01/2020] - Milho: exportações reduzem ritmo em janeiro
[14/01/2020] - Exportações de carne começaram o ano em alta
[14/01/2020] - JBS aumentará abates em SP
[14/01/2020] - Arroba: frigoríficos aumentam a pressão de baixa
[14/01/2020] - CEPEA prevê ano bom para a pecuária brasileira
[14/01/2020] - Impasse trava mercado de reposição
[14/01/2020] - Acordo tenta formalizar pecuaristas em MT
[13/01/2020] - Frigoríficos: exportações continuarão com força
[13/01/2020] - Arroba: frigoríficos pressionam por arroba menor
[13/01/2020] - Chuvas ajudam pecuarista a segurar o boi
[13/01/2020] - Carne caiu no atacado
[13/01/2020] - Preço da carne caiu no pasto, mas não no prato
[13/01/2020] - Donos da JBS venderam ações em dezembro
[13/01/2020] - JBS anuncia aumento de produção em outra unidade
[13/01/2020] - Agro protesta contra aumento de impostos
[13/01/2020] - Acordo com China vai puxar vendas do agro dos EUA
[10/01/2020] - JBS abre unidade prevendo demanda forte da Ásia
[10/01/2020] - Austrália: incêndios podem favorecer o Brasil

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br