Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
212,00 197,00 214,00
GO MT RJ
205,00 195,00 200,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1720,00
Garrote 18m 2010,00
Boi Magro 30m 2450,00
Bezerra 12m 1350,00
Novilha 18m 1620,00
Vaca Boiadeira 1850,00

Atualizado em: 5/12/2019 12:27

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

JBS: PF pediu prisão de Dilma em operação

 
 
 
Publicado em 06/11/2019

A Polícia Federal pediu a prisão da ex-presidente Dilma Rousseff, do ex-ministro Guido Mantega, do ex-presidente do Senado Eunício Oliveira e mais outras sete pessoas suspeitas de envolvimento na suposta compra de apoio político à aliança entre o PT e o PMDB nas eleições presidenciais de 2014. O pedido teve parecer contrário da Procuradoria-Geral da República e foi rejeitado pelo ministro Edson Fachin, relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF).

Fachin autorizou, no entanto, a intimação da ex-presidente Dilma e de outros investigados. A Polícia Federal também planejava pedir a prisão dos senadores do PMDB Renan Calheiros (AL), Eduardo Braga (AM) e Jader Barbalho (PA). O delegado Bernardo Vidalli Amaral, que está à frente do inquérito, escreveu que só não pediu a prisão dos senadores porque a Constituição “veda, em regra, prisão cautelar de parlamentares no exercício do mandato”.

“Existem fundadas razões a respeito da autoria ou participação dos investigados numa associação criminosa (art. 288 do CP), composta pela ex-presidente Dilma Vana Rousseff, o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e os seguintes senadores do PMDB, Carlos Eduardo de Sousa Braga, Vitalo do Rego Filho, Euncío Lopes de Oliveira, Valdir Raupp de Matos, Jader Fontenelle Barbalho e José Renan Vasconcelos Calheiros em virtude da "compra e venda" do apoio político do PMDB em benefício do PT, nas eleições presidências de 2014", sustenta o delegado.

Em nota, a ex-presidente chama de "estarrecedora" a notícia de que a Polícia Federal pediu a prisão dela. Ela ressalta que "não é investigada e nunca foi chamada a prestar qualquer esclarecimento". Segundo Dilma, a notícia mostra "o esforço inconsequente do ministro da Justiça, Sergio Moro, no afã de perseguir adversários políticos".

"O pedido de prisão é um absurdo diante do fato de não ser ela mesma investigada no inquérito em questão. E autoriza suposições várias, entre elas que se trata de uma oportuna cortina de fumaça. E também revela o esforço inconsequente do ministro da Justiça, Sérgio Moro no afã de perseguir adversários políticos. Sobretudo, torna visível e palpável o abuso de autoridade".E completa: "Ainda bem que prevaleceu o bom senso e a responsabilidade do ministro responsável pelo caso no STF, assim como do próprio Ministério Público Federal".

As investigações tiveram como ponto de partida as delações de ex-executivos da J & F, controladora da JBS. Pelas explicações da polícia, dirigentes do PT usaram R$ 41 milhões recebidos de representantes da JBS para comprar o apoio político do PMDB do Senado à campanha de Dilma em 2014. Na representação pelas prisões, buscas e intimações coletivas, a polícia descreve a origem e o caminho percorrido pelo dinheiro até chegar a supostos representantes dos políticos investigados.

Pelas investigações, Calheiros seria o chefe do grupo no Senado. Pela importância da função, teria sido o destinatário de R$ 11,9 milhões. A polícia sustenta ainda que coube Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda, pedir dinheiro a Wesley Batista para viabilizar os pagamentos ao PMDB. A PF informa ainda que, no curso das tratativas, o empresário se reuniu com Dilma no Palácio do Planalto e, durante a conversa, explicou como seria feita a partilha do dinheiro entre os políticos aliados.

Num trecho do inquérito, a polícia relata que, quando soube do acordo entre PT e o PMDB do Senado, o ex-presidente Michel Temer reagiu de forma enérgica. O ex-presidente, vice de Dilma nas eleições de 2010 e 2014, decidiu retornar a presidência do PMDB para retomar o controle dos cofres do partido. Com isso, ele não seria mais excluído de futuras negociações, como aconteceu no suposto acerto entre os senadores do partido e parte da cúpula do PT. Em 2017, um ano depois de assumir a presidência da República, Temer foi denunciado por corrupção.

O então presidente foi apontado com destinatário de uma mala de R$ 500 mil em espécie que Ricardo Saud, um dos executivos da J & F, repassou ao ex-deputado Rocha Loures em nome de Joesley Batista. O dinheiro seria a primeira parcela de uma propina de mais de R$ 30 milhões.

A Polícia Federal pediu a prisão temporária de Dilma, Eunício e Mantega, entre outros investigados em junho. A ex-procuradora-geral Raquel Dodge não respondeu ao pedido. Com a recente troca de comando na procuradoria-geral, o atual titular do cargo, Augusto Aras, emitiu parecer favorável às intimações dos políticos, mas se opôs às prisões. Aras considerou que extemporâneos os pedidos. Para ele, não faria sentido prender, em caráter temporário, pessoas investigadas crimes ocorridos há cinco anos.

O procurador-geral também não concordou com buscas em endereços de Renan Calheiros, ex-presidente do Senado, como queria a polícia. Para ele, o recolhimento de eventuais provas deveria se restringir a endereços de supostos intermediários do senador. A polícia entende que a decisão de Aras, encampada por Fachin, pode atrasar o andamento de parte da investigação. A polícia vê Calheiros como o chefe do grupo político do PMDB no Senado e o principal responsável pelo acordo PT e PMDB em 2014.

Pelas contas da PF, na partilha do dinheiro da JBS foram destinados R$ 11,9 milhões a Calheiros, R$ 6 milhões à Eunício Oliveira, Eduardo Braga, Vital do Rego, hoje ministro do Tribunal de Contas da União. O mesmo inquérito informa que R$ 8,9 milhões foram repassados a Jader Barbalho e R$ 2 milhões Valdir Raupp. A polícia sustenta que o dinheiro supostamente repassado aos senadores e ex-senadores do PMDB tem como origem empréstimos obtidos pela JBS no BNDES. A partir destes financiamentos, dirigentes da JBS teriam assegurado R$ 360 milhões ao PT.  Com informações do jornal O Globo.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[05/12/2019] - Até onde vai a queda do preço do boi?
[05/12/2019] - Arroba: vendas fracas de carne travam negócios
[05/12/2019] - Ministra prevê mais investimentos na pecuária
[05/12/2019] - CNA: pecuária deverá crescer 14% em 2020
[05/12/2019] - JBS: investimento maior em aves e suínos
[05/12/2019] - Custo de produção de leite volta a subir
[05/12/2019] - Exportações de milho em alta

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[05/12/2019] - MP do Agro avança no Congresso
[04/12/2019] - Arroba: consumidor trava alta e mercado recua
[04/12/2019] - A disparada do boi em Mato Grosso
[04/12/2019] - Frigoríficos menores seguram compra de boi
[04/12/2019] - Frigorificos: exportações seguirão fortes em 2020
[04/12/2019] - Rússia barra compras de frigoríficos argentinos
[04/12/2019] - Tereza diz que mercado da carne voltará ao normal
[04/12/2019] - Júnior Friboi é alvo de operação da PF
[04/12/2019] - CVM rejeita acordo com irmãos Batista
[04/12/2019] - Cade aprova nova aquisição da JBS
[04/12/2019] - Leite: concorrência está maior em 2019
[04/12/2019] - Moro busca apoio de ruralistas para pacote
[04/12/2019] - Tereza: Agro é retratado de forma maldosa
[03/12/2019] - Arroba: frigoríficos pressionam por queda
[03/12/2019] - Qual a previsão da arroba para janeiro?
[03/12/2019] - Exportações de carne bovina: alta de 45%
[03/12/2019] - Por que as exportações caíram em relação a outubro
[03/12/2019] - Governo esclarece revisão das exportações
[03/12/2019] - Agro ganha força e ajuda na alta do PIB
[03/12/2019] - Economia saiu do fundo do poço, segundo ministério
[03/12/2019] - Confinamento: alta de 5% em 2019
[03/12/2019] - Leite: oferta curta segura preço
[02/12/2019] - Arroba cedeu. Os preços vão cair mais?
[02/12/2019] - Rússia libera unidades do JBS e do Minerva
[02/12/2019] - Erro nas exportações pode mudar mercado da carne
[02/12/2019] - Exportações à China devem continuar com força
[02/12/2019] - Alta da carne acelera fora de São Paulo
[02/12/2019] - Bolsonaro: governo não interfere no preço da carne
[29/11/2019] - É hora de ajuste no preço do boi?
[29/11/2019] - Tereza: arroba não vai voltar ao preço de antes
[29/11/2019] - Arroba: mercado se acalmou (um pouco)
[29/11/2019] - Governo confirma erro nos números das exportações
[29/11/2019] - Mercado futuro perde força na alta
[29/11/2019] - Reposição sobe forte na carona do boi
[29/11/2019] - FGV faz previsão sobre o boi em 2020
[29/11/2019] - Desemprego chega a 11,6% no trimestre
[29/11/2019] - Burocracia adia a saída do BNDES da JBS
[29/11/2019] - Índios dizem que agricultura garantirá sustento
[29/11/2019] - Vacinação é prorrogada em Mato Grosso do Sul
[28/11/2019] - Alta do boi chegou ao limite?
[28/11/2019] - Arroba: mercado do boi segue firme
[28/11/2019] - Exportação de carne deve subir com força em 2020
[28/11/2019] - Mercado futuro do boi interrompe alta
[28/11/2019] - Carne: consumidor ainda absorve mais altas?
[28/11/2019] - CEPEA: um mês para entrar na história da pecuária
[28/11/2019] - O perigo que ronda o mercado do boi
[28/11/2019] - Bolsonaro defende produção rural por índios
[28/11/2019] - UE vai importar mais carne dos EUA
[28/11/2019] - Crédito subsidiado está sobrando nos bancos
[28/11/2019] - Vacinação contra aftosa termina no sábado

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br