Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
192,00 176,00 190,00
GO MT RJ
180,00 176,00 180,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1750,00
Garrote 18m 2100,00
Boi Magro 30m 2550,00
Bezerra 12m 1350,00
Novilha 18m 1600,00
Vaca Boiadeira 1890,00

Atualizado em: 17/1/2020 10:54

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Arroba: as quedas também não são para sempre

 
 
 
Publicado em 09/12/2019

 

Com a demanda chinesa por proteínas em alta, 2020 deverá ser bom para a exportação. Com o cenário de preços físicos com fortes altas, no começo da segunda quinzena de novembro apareceram negócios no mercado futuro do boi gordo para outubro de 2020 por até R$230,00/@, à vista, sem o Funrural.

No final de novembro, ainda com os preços do boi gordo subindo fortemente, o mercado atacadista teve dificuldade em repassar essas altas para o varejo (mercado doméstico).

Com isto, começaram a aparecer ofertas de compra menores e o gado, que estava retido em razão das valorizações consecutivas, apareceu, não em excesso, mas em maior volume. Isso foi suficiente para que os preços no mercado físico cedessem, assim como os futuros, e os preços exuberantes ficaram para trás.

O ponto é que, mesmo quando o mercado físico trabalhava no patamar de R$230,00/@, os preços futuros não superaram tal marca.

Outubro de 2020 pessimista

Na manhã de 6/12, o mercado futuro para outubro de 2020 aponta para uma cotação 0,4% menor que a de dezembro de 2019, na B3. Aqui usamos preços futuros para dezembro (mês atual) porque o mercado tem se ajustado, com isso, estes valores da B3 já ponderam um valor menor que o vigente no físico (figura 1).

Figura 1.
Relação entre o preço de outubro do boi gordo, com dezembro do ano anterior (no caso de 2020, são preços na B3).
Fonte: B3 / Scot Consultoria

Perceba que é umas das piores projeções de variação da série. E se analisarmos os outros anos com quedas no intervalo, vemos que o “cluster” deste bloco não é homogêneo.

Em 2005 tivemos a febre aftosa em Mato Grosso do Sul e o mercado já vinha em queda, com abates de fêmeas crescentes.

Em 2009 tivemos a “marolinha”, que dispensa apresentações e, no setor, quebrou dezenas de frigoríficos.

E 2017? Também não precisa de muita força para puxar pela memória: Carne Fraca, volta do Funrural, delações dos diretores da JBS.

Já 2011 e 2012 foram anos relativamente calmos, mas ocorreram após anos de sucessivas altas, salvo 2009, cujo consumo foi afetado pela crise.

Para 2020, a China deve continuar com bons volumes comprados, mesmo que em preços possivelmente mais calmos.

Um ponto é que o mercado doméstico deve continuar melhorando, possivelmente mais rápido que o esperado no passado recente. Os resultados do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre vieram positivos e as projeções para a economia devem ser revistas nas próximas semanas.

O bezerro que o boi de 2020 foi um dia

Não é porque um bezerro foi comprado valorizado que o boi vai ser bem vendido anos depois.

No entanto, o bezerro em alta demonstra um cenário de oferta limitada da categoria, o que gera alguma redução na disponibilidade de bois nos anos seguintes. Não é regra, pois a demanda também oscila, mas vale dar uma olhada no histórico.

A figura 2 mostra a relação entre o preço de venda do boi gordo e o preço de compra do bezerro, 24 meses antes, ambos em arroba. A data no eixo refere-se ao momento de venda, com os preços futuros de 6/12, no caso de 2020.

Figura 2.
Relação entre a cotação de venda do boi gordo em do bezerro 24 meses antes, valores nominais, ambos em arrobas.
Fonte: B3 / Scot Consultoria

As cotações projetadas para 2020 apontam para valorizações de menos de 20% sobre a arroba do bezerro de 2018.

Em outros momentos de preços em alta, com retenção de fêmeas, tivemos relações de mais de 60% para o boi vendido em meados de 2008 (bezerro de 2006) e de 40% ao final de 2014 (bezerro de 2012).

A título de referência, 20% e 40% de ágio sobre a arroba do bezerro de outubro de 2018 seriam arrobas do boi gordo de 217,00/@ e 253,00/@ para outubro de 2020.

Possíveis estratégias

Como dito, é bem possível que o mercado futuro esteja pessimista com o que acontecerá em outubro e outros meses. É provável que o mercado futuro siga pressionado pelo cenário do físico, mas quando houver a estabilização no mercado do boi gordo, os contratos futuros devem ter ainda mais espaço para reagir.

Com isto, temos algumas possibilidades.

Se o pessimismo de outubro (e outros contratos) for real, há oportunidades para garantir a aquisição de arrobas no mercado futuro, para quem tem reposição a ser feita no segundo semestre de 2020. Quanto à compra de contratos futuros, cabe a advertência de que o mercado físico ainda está se ajustando e isso pode perdurar por algum tempo. Ou seja, adquirir contratos futuros, mesmo que provavelmente interessantes, ainda deve custar ajustes até o cenário firmar de maneira mais sólida.

Outra possibilidade é a busca por opções de compra (calls). Como o mercado físico atualmente está mais calmo, as opções de compra ficam menos valorizadas. Há também a questão de volatilidade e prazo longo, que as encarecem, mas é algo a ser acompanhado.

Assim como foi 2019, o próximo ano não está indicando um cenário atrativo para travar preços, ainda mais nos patamares futuros atuais. No entanto, se o leitor quiser desconsiderar o cenário positivo esperado e garantir os preços, é uma boa estratégia sempre, apenas não deixe de se manter exposto às altas.

Temos um cenário de mais frigoríficos habilitados à China, em relação ao início de 2019, e estes devem entrar na briga pelo gado a termo em 2020, tentando garantir parte desta oferta de confinamento do segundo semestre. Com informações da Scot Consultoria.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[17/01/2020] - O acordo EUA-China prejudica a carne brasileira?
[17/01/2020] - China: produção de carne suína tem queda histórica
[17/01/2020] - Bois e carne viram foco de bandidos
[17/01/2020] - Carne volta a cair com força no atacado
[17/01/2020] - Arroba volta a cair: pressão de baixa continua
[17/01/2020] - Controladores do Minerva venderão ações
[17/01/2020] - Minerva quer voltar a distribuir lucro

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[17/01/2020] - Saída do BNDES da JBS vai atrasar novamente
[17/01/2020] - Nova tabela de frete: alta de 11 a 15%
[16/01/2020] - Arroba: frigoríficos estão pagando preços iguais?
[16/01/2020] - A alta do boi em 2019 foi realmente forte?
[16/01/2020] - Agro respondeu por 43% das exportações do Brasil
[16/01/2020] - Pecuarista investiu apesar da crise
[16/01/2020] - Inflação medida pelo IGP mostra desaceleração
[16/01/2020] - Leite: preço deve subir no curto prazo
[16/01/2020] - Minerva fará oferta de ações
[15/01/2020] - Arroba volta a cair com pressão dos frigoríficos
[15/01/2020] - Preço da carne bovina tem queda forte em MT
[15/01/2020] - China pressiona frigoríficos por preços menores
[15/01/2020] - China vende mais carne das reservas estatais
[15/01/2020] - Arábia Saudita abre mercado ao Uruguai
[15/01/2020] - Vendas do varejo tiveram alta em novembro
[15/01/2020] - MAPA prevê crescimento de 17% no PIB da Pecuária
[15/01/2020] - Reposição: muita especulação em Mato Grosso
[15/01/2020] - Leite: captação caiu com força no RS
[15/01/2020] - Milho: exportações reduzem ritmo em janeiro
[14/01/2020] - Exportações de carne começaram o ano em alta
[14/01/2020] - JBS aumentará abates em SP
[14/01/2020] - Arroba: frigoríficos aumentam a pressão de baixa
[14/01/2020] - CEPEA prevê ano bom para a pecuária brasileira
[14/01/2020] - Impasse trava mercado de reposição
[14/01/2020] - Acordo tenta formalizar pecuaristas em MT
[13/01/2020] - Frigoríficos: exportações continuarão com força
[13/01/2020] - Arroba: frigoríficos pressionam por arroba menor
[13/01/2020] - Chuvas ajudam pecuarista a segurar o boi
[13/01/2020] - Carne caiu no atacado
[13/01/2020] - Preço da carne caiu no pasto, mas não no prato
[13/01/2020] - Donos da JBS venderam ações em dezembro
[13/01/2020] - JBS anuncia aumento de produção em outra unidade
[13/01/2020] - Agro protesta contra aumento de impostos
[13/01/2020] - Acordo com China vai puxar vendas do agro dos EUA
[10/01/2020] - JBS abre unidade prevendo demanda forte da Ásia
[10/01/2020] - Austrália: incêndios podem favorecer o Brasil
[10/01/2020] - Arroba: mercado de olho na demanda
[10/01/2020] - Varejo da carne ainda está devagar
[10/01/2020] - China faz Argentina bater recorde de abates
[10/01/2020] - Alta breve da carne puxou inflação de dezembro
[10/01/2020] - Prévia do IGP-M já mostra recuo da carne bovina
[10/01/2020] - Boi em alta puxa pra cima índice do CEPEA
[10/01/2020] - Milho deve continuar subindo
[10/01/2020] - Peste suína se aproxima da Alemanha
[10/01/2020] - Tereza Cristina: situação do Irã exige cautela
[10/01/2020] - Apesar da carne bovina, exportações do Agro caíram
[09/01/2020] - Arroba: pecuarista não aceita menos de R$ 200
[09/01/2020] - Queimadas na Austrália podem puxar o boi no Brasil
[09/01/2020] - Exportações: faturamento de MS subiu 21%
[09/01/2020] - Leite: 2019 foi um ano fora do normal

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br