Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
 
 
 
 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Frigoríficos clandestinos abastecem açougues
 
 
Publicado em 12/11/2007
Proibido há mais de dez anos, o transporte de carne bovina em carcaças ainda é adotado por açougues à luz do dia e sob os olhos das autoridades. Em dez dias, a reportagem da Folha de S. Paulo presenciou a infração em quatro áreas centrais da cidade, em horário comercial. Na alameda Barão de Limeira, na região central de São Paulo, vizinho a um posto fiscal da prefeitura, um açougue segue a velha prática: carcaças chegam em caminhões sem identificação, penduradas em ganchos e são levadas para dentro da loja nas costas de funcionários.

A mesma prática foi vista em três açougues em bairros de classe média alta. Por meio das placas dos caminhões, a Folha contatou duas empresas donas dos veículos. Identificando-se como um proprietário de açougue, pediu informações sobre o fornecimento de carne. Nas conversas, que foram gravadas, funcionários dos frigoríficos, do Paraná e do Mato Grosso, garantiram não haver risco de problemas com a fiscalização.

Segundo eles, a entrega fora das especificações legais é 30% mais barata para o varejista.

O que diz a lei

Desde abril de 1996, as condições do abate, comercialização e distribuição da carne são regulamentadas pela portaria nº 304 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ela tornou obrigatório que o estabelecimento abatedor entregue carnes e miúdos para comercialização com temperatura máxima de 7C, em cortes padronizados, desossados, embalados a vácuo e identificados com etiquetas.

A carcaça bovina deve ser fracionada em cortes secundários e as peças, lacradas em embalagens próprias, informando dados de origem, inclusive sexo do animal.

"A fiscalização é frágil em todos os sentidos, mesmo com a carne identificada com etiquetas, pois não se vê fêmeas [vacas] e claro que isso não é real", diz Cesário Ramalho, presidente da SRB (Sociedade Rural Brasileira). Ele diz que isso ocorre porque os bois alcançam preços melhores.

Pelo Código de Defesa do Consumidor, as normas da portaria nº 304 são o patamar mínimo de qualidade. "Sua não observância é prática abusiva e pode ser objeto de ação judicial do Ministério Público, passível de sanção pelo Estado. O Procon tem obrigação de multar e até interditar o estabelecimento", diz o promotor de Justiça Vidal Serrano Nunes.

Procurada pela reportagem, a Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária), do Ministério da Saúde, disse que as normas e a fiscalização são atribuições do Ministério da Agricultura. O ministério não atendeu o pedido de entrevista, informando apenas que "casos de irregularidades serão investigados".

Na esfera estadual, o coordenador de Defesa Agropecuária da Secretaria da Agricultura, Anselmo Lucchese, admitiu o problema. "Sabemos que ocorre. Há fiscalização, mas o efetivo é pequeno." Segundo ele, há 15 veterinários para atender todo o Estado, e só 2 atuam na Grande São Paulo.

Fama internacional

Para Sebastião Guedes, do CNPC (Conselho Nacional da Pecuária de Corte), a carne transportada irregularmente pode ter origem no abate clandestino.

Pesquisa realizada em 2001 pelo economista Paulo Furquim, professor da Fundação Getulio Vargas, mostra que a clandestinidade atinge 50% do mercado.

Em abril, em congresso internacional do setor produtivo (International Meat Conference, organizado pela Organização Permanente Internacional da Carne), em São Paulo, o consultor francês Richard Brown afirmou a uma platéia de líderes internacionais do setor que há irregularidade na comercialização de carne no país, ilustrando a denúncia com foto.

"Ainda há um grande setor 'informal' no Brasil que pode causar problemas. Cerca de 50% da carne é vendida ao ar livre", disse Brown durante a palestra intitulada "Uma perspectiva européia sobre as tendências de longo prazo da carne da América do Sul".  Com informações da Folha Online.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[30/01/2015] - A arroba do boi vai cair?
[30/01/2015] - Queda na arroba segura a reposição
[30/01/2015] - Marfrig propõe cortes para manter unidade
[30/01/2015] - JBS investe nos EUA mesmo com rebanho em queda
[30/01/2015] - Kátia diz que seguro será pago, mas não quando
[29/01/2015] - Frigoríficos aumentam pressão sobre o boi
[29/01/2015] - CEPEA: queda de braço trava mercado do boi

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[29/01/2015] - Consumo fraco derruba margem dos frigoríficos
[29/01/2015] - Boi magro mais caro prejudica engorda
[29/01/2015] - Falta de água faz laticínios adiarem investimentos
[29/01/2015] - Ministério volta atrás e mantém data do CAR
[28/01/2015] - Arroba e clima devem puxar confinamento
[28/01/2015] - Pressão de baixa na arroba do boi
[28/01/2015] - Custo de produção do leite aumentou
[28/01/2015] - Pecuária intensiva é mais lucrativa, diz Acrimat
[28/01/2015] - Sindicato pede que Marfrig aguarde 6 meses
[28/01/2015] - Um ano difícil para o mercado de couro
[28/01/2015] - Brasil recorre a escambo por calote venezuelano
[28/01/2015] - Filho de Lula vai à Justiça por polêmica sobre JBS
[28/01/2015] - Preço do milho deve subir
[28/01/2015] - Prazo para o CAR deve ser estendido por 1 ano
[27/01/2015] - Especulação toma conta do mercado do boi
[27/01/2015] - Falta boi no Mato Grosso
[27/01/2015] - Boi firme em Três Lagoas
[27/01/2015] - Liminar impede demissões no Marfrig
[27/01/2015] - Justiça manda União indenizar produtores
[27/01/2015] - Produtores recorrem contra demarcação
[26/01/2015] - Oferta curta segura a arroba do boi
[26/01/2015] - Rebanho em alta no Mato Grosso
[26/01/2015] - Preço da carne dispara no RS
[26/01/2015] - Churrasco está mais caro também em SP
[26/01/2015] - Venezuela quer comprar mais carne brasileira
[26/01/2015] - Seguro rural: calote ainda sem solução
[23/01/2015] - Arroba: vendas de carne preocupam frigoríficos
[23/01/2015] - Fim do embargo russo: preocupação para o Brasil?
[23/01/2015] - JBS já é a quarta maior exportadora do Brasil
[23/01/2015] - Falta de chuva e preço travam a reposição
[23/01/2015] - Produtores de leite vivem drama no RS
[23/01/2015] - Crise no leite também chegou a SC
[23/01/2015] - Carne já é apontada como vilã da iinflação
[23/01/2015] - Crédito: o maior desafio de Kátia Abreu
[23/01/2015] - Venezuela deve US$ 5 bi a exportadores do Brasil
[22/01/2015] - Governo investiga brucelose em frigorífico
[22/01/2015] - Já tem frigorífico pagando mais pela arroba
[22/01/2015] - CEPEA: pecuarista não aceita pressão
[22/01/2015] - Kátia promete novas regras para frigoríficos
[22/01/2015] - Dilma volta a obrigar produtor a emplacar trator
[22/01/2015] - Indicados por Kátia respondem a processos
[22/01/2015] - Superávit do agro caiu 17% em SP
[21/01/2015] - Arroba do boi: animais de pasto começam a aparecer
[21/01/2015] - Kátia Abreu define relacionamento com frigoríficos
[21/01/2015] - Vendas caem mas preço da carne se mantém
[21/01/2015] - Inseminação cresce com alta na arroba
[21/01/2015] - Brasil dobrou exportações de lácteos em 2014
[21/01/2015] - Ministro quer Kátia fora da PEC das demarcações
[21/01/2015] - Governo tenta solucionar calote do seguro rural
[20/01/2015] - Sindicato ameaça Marfrig com greve nacional

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br