Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
141,00 133,00 137,00
GO MT RJ
133,00 130,00 136,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1200,00
Garrote 18m 1430,00
Boi Magro 30m 1720,00
Bezerra 12m 900,00
Novilha 18m 1130,00
Vaca Boiadeira 1350,00

Atualizado em: 16/10/2017 10:09

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Desleixo sanitário

 
 
 
Publicado em 22/01/2008

Editorial do jornal O Estado de S. Paulo
Publicado em 22/01/2008

É com desleixo que algumas autoridades da área de controle sanitário do rebanho nacional estão tratando a questão da febre aftosa detectada há cerca de dois anos e meio em algumas regiões e que continua a criar dificuldades para as exportações brasileiras de carne. No plano internacional, para manter e expandir as exportações, o governo tenta convencer os grandes importadores de que o produto nacional é saudável. No plano interno, porém, ressurgem problemas que tanto preocuparam os compradores de carne brasileira e que pareciam resolvidos.

A reportagem de José Maria Tomazela, publicada pelo Estado, descreve um quadro preocupante, no momento em que estão prestes a entrar em vigor medidas fortemente restritivas impostas pela União Européia (UE) à carne brasileira. Missão técnica da UE que esteve no Brasil em novembro para examinar a situação sanitária do rebanho nacional constatou que uma das mais “sérias e repetidas” deficiências do sistema brasileiro era o controle da movimentação e da identificação dos animais.

O que a reportagem deixou claro é que, numa região crítica - a da fronteira com o Paraguai -, as autoridades brasileiras relaxaram o controle, que já era considerado ineficiente pelos principais compradores da carne brasileira (a UE absorve cerca de um terço do total do produto exportado pelo Brasil). Desde o surgimento dos primeiros focos de febre aftosa em Mato Grosso do Sul, as autoridades sanitárias atribuíram o problema a animais vindos do país vizinho. A reportagem constatou, na semana passada, que animais circulavam livremente na Linha Internacional, a faixa de fronteira entre os dois países.

No único posto de fiscalização que ainda funciona na região, entre Mundo Novo e Guaíra, os fiscais participavam de um churrasco no horário de trabalho. Outro foi depredado e está em ruínas. Em Guaíra, um moderno posto construído pelo governo do Paraná, em parceria com o Ministério da Agricultura, foi inaugurado em agosto de 2007, mas funcionou só por três meses, pois o pavimento afundou e nada se fez até agora para recuperá-lo.

O primeiro foco de febre aftosa foi detectado numa fazenda no município de Eldorado (MS), o que levou o governo a interditar essa fazenda e propriedades vizinhas. Novos focos surgiram pouco depois nos municípios de Japorã e Novo Mundo. Para evitar que a doença se alastrasse, o governo determinou o abate dos animais das fazendas onde ela foi detectada. Mas a aftosa foi detectada também em São Sebastião da Amoreira, no noroeste do Paraná. Atribuiu-se a doença à entrada clandestina no País de gado contaminado vindo do Paraguai - daí a importância do controle estrito do trânsito de animais pela fronteira.

No fim de novembro, o Brasil recebeu uma boa notícia. Depois de quase dois anos de embargo, a Rússia decidiu voltar a importar carnes bovina e suína de oito Estados. A Rússia é o país que mais importa carne brasileira (absorve 15% das exportações de carne bovina e 70% das de carne suína). É possível que, com a suspensão do embargo russo, algumas autoridades brasileiras da área de controle sanitário tenham acreditado que o problema estava resolvido. Se foi isso, essas autoridades se enganaram.

Por causa do deficiente controle da movimentação do rebanho brasileiro, a UE decidiu, em dezembro último, limitar drasticamente o número de fazendas do País autorizadas a fornecer carne para o mercado europeu. Essas restrições entram em vigor no dia 31 de janeiro. A partir dessa data, a UE aceitará apenas o produto originário de fazendas pré-selecionadas e que devem seguir, conforme nota divulgada no mês passado, “as exigências de importação da UE e atender a critérios estritos”.

Outra missão européia deve voltar em março para verificar se essas propriedades estão cumprindo as exigências e, eventualmente, autorizar que outras fazendas exportem para a UE. O resultado dessa inspeção pode ser a imposição de mais restrições.

A reportagem do Estado confirma o que já se sabia, ou seja, que o governo é incapaz de articular as ações públicas na área de defesa animal - que envolvem mais de um Ministério e os governos estaduais - e de manter durante o tempo necessário uma vigilância eficiente nas áreas críticas.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[16/10/2017] - JBS desiste de oferta de ações nos EUA
[16/10/2017] - Cade deve rejeitar nesta semana compra do Mataboi
[16/10/2017] - Arroba: mercado vive impasse
[16/10/2017] - Atacado da carne caiu mas margem de frigo subiu
[16/10/2017] - ICMS cai, mas preço da carne não cairá
[16/10/2017] - Leite: produtor pede socorro
[16/10/2017] - Governo envia missão para discutir leite uruguaio

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[16/10/2017] - Reposição lenta não derruba preços em MG
[16/10/2017] - Uréia agrícola está mais cara
[16/10/2017] - Argentina quer 5% do mercado da UE para o Mercosul
[11/10/2017] - MPF concorda com a PF e denuncia irmãos Batista
[11/10/2017] - PF vê risco de calote bilionário da JBS
[11/10/2017] - Frigoríficos esperam novos mercados ainda em 2017
[11/10/2017] - Arroba: mercado em ritmo de feriadão
[11/10/2017] - MAPA tenta solução para vender mais ao Irã
[11/10/2017] - Brasil suspende importação de leite do Uruguai
[11/10/2017] - O leite vai subir com embargo ao Uruguai?
[11/10/2017] - CEPEA: consumo de leite ainda é fraco
[11/10/2017] - Produtor de leite vive momento complicado
[11/10/2017] - Milho volta a subir
[10/10/2017] - Justiça já bloqueou R$ 730 milhões da JBS
[10/10/2017] - PF aponta que irmãos Batista manipularam o mercado
[10/10/2017] - Carne: preço sobe e ensaia recuperação
[10/10/2017] - Exportações: outubro começou com alta de 25%
[10/10/2017] - Arroba: frigoríficos estão testando o pecuarista
[10/10/2017] - Governo do MT não vai prorrogar ICMS menor
[10/10/2017] - Acrimat: ICMS menor estimula concorrência pelo boi
[09/10/2017] - MPF vê risco de quebra da JBS
[09/10/2017] - Pecuaristas ainda preocupados com a crise da JBS
[09/10/2017] - Carne sobe e pode puxar a arroba do boi
[09/10/2017] - Arroba: frigoríficos tentam pressão sobre o boi
[09/10/2017] - Reposição: esperando pela chuva e pela alta do boi
[09/10/2017] - Pecuaristas do Mercosul criticam oferta européia
[06/10/2017] - Juiz bloqueia todos os bens da família Batista
[06/10/2017] - Justiça do MS bloqueia unidades e R$ 115 mi da JBS
[06/10/2017] - JBS reage a bloqueio de bens e dinheiro no MS
[06/10/2017] - Arroba: nem para lá, nem para cá
[06/10/2017] - Brasil abre mais um mercado para carne
[06/10/2017] - Arroba: preço do boi cai em Belo Horizonte
[06/10/2017] - Pecuaristas pedem volta do ICMS menor no MT
[06/10/2017] - Mato Grosso tem receita recorde com a carne bovina
[06/10/2017] - Pecuaristas denunciam fraude no leite uruguaio
[06/10/2017] - Funrural: Receita ignora resolução do Senado
[06/10/2017] - Governo prorroga desconto no ICMS de insumos
[05/10/2017] - BNDES volta a pedir mudanças na JBS
[05/10/2017] - Advogados vão atrás de provas contra os Batista
[05/10/2017] - Arroba: frigoríficos oferecem mais
[05/10/2017] - Arroba: exportações em alta não deixam sobrar boi
[05/10/2017] - Maggi negocia ampliação das vendas à Rússia
[05/10/2017] - Pecuarista joga 1.000 litros de leite fora
[05/10/2017] - Temer nega ter prometido arrendamento de reservas
[04/10/2017] - Arroba: reação dos preços está próxima?
[04/10/2017] - Reposição: relação de troca melhora no Tocantins
[04/10/2017] - Coaf identifica repasse de frigoríficos a político
[04/10/2017] - Coutinho diz que não apoiou monopólio da JBS
[04/10/2017] - PIB do Agro bate recorde histórico no Mato Grosso
[04/10/2017] - UE oferece cota baixa para carne do Mercosul

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br