Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
 
 
 
 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Angola importa novilhas e reprodutores do Brasil
 
 
Publicado em 19/03/2008
Cerca de 30 anos de guerra civil em Angola dizimaram não só dezenas de milhares de vidas humanas - os rebanhos de animais de criação do país também foram praticamente exterminados. Agora, quando o país africano de língua portuguesa vive um período de reconstrução, o Brasil ajuda a repovoar seus plantéis de gado bovino.

A Muguidjana Agropecuária, que no ano passado exportou 3.300 bovinos para o país, todos animais de reprodução, manda esta semana outro navio para Angola. Desta vez , serão 1.600 bovinos, sendo 34 touros e o restante novilhas, que sairão do porto paulista de São Sebastião.

De acordo com o gerente técnico e comercial da Muguidjana Frederico Alberto Rosseto, os animais, de reprodução, terão como destino duas fazendas do grupo em Angola, uma na província de Kuanza Sul e outra em Malange. O objetivo é repovoar o rebanho angolano.

"A guerra praticamente dizimou o rebanho do país. Estamos ajudando a repovoar o plantel", disse o executivo da Muguidjana, que pertence à holding de capital português Thanda Vantu SGPS, com atuação também em Moçambique, na África, e está no Brasil desde 2002. "Esses animais servirão de base para o rebanho", acrescentou Rosseto.

Os bovinos que irão Angola são provenientes da fazenda do grupo em Glicério, no interior de São Paulo, onde se faz melhoramento genético. Em sua maioria, são animais da raça Nelore, mas há também bovinos das raças Brahman, Guzerá e Tabapuã.

Segundo Rosseto, o Nelore se adapta ao clima de Angola, que é parecido com o do Brasil. Em Angola, o rebanho bovino é da raça conhecida como gentio, que se caracteriza pelos chifres grandes. Outro efeito da guerra, diz Rosseto, é que Angola tem de importar quase toda carne bovina que consome - a maior parte é proveniente da África do Sul.

O plano da Muguidjana Agropecuária é fazer mais três embarques no segundo semestre deste ano, o que somaria outros 4.800 animais. O projeto da empresa é, segundo Rosseto, atingir a exportação de 10 mil animais por ano para Angola e um total de 50 mil bovinos em cinco anos.

Num segundo momento, afirma, a intenção é atuar em Angola também na engorda de gado comercial para corte. No Brasil, a Muguidjana tem quatro fazendas onde produz gado bovino para abate (no Mato Grosso e no Mato Grosso do Sul), além da unidade de melhoramento genético em Glicério.

De acordo com o gerente técnico e comercial, 83 caminhões estão saindo da fazenda em Glicério rumo ao porto de São Sebastião, e a viagem até Angola deve durar 13 dias.

Júlio César Spegiorin, coordenador de território Merial Saúde Animal, responsável pelo planejamento sanitário da Muguidjana, afirma que todos os animais que irão para Angola receberam certificação de sanidade para exportação. Antes da viagem, foram submetidos a uma quarentena, na qual houve manejos sanitários preventivos para garantir a saúde, a adaptação na África e eliminar a probabilidade de doenças. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[26/01/2015] - Oferta curta segura a arroba do boi
[26/01/2015] - Rebanho em alta no Mato Grosso
[26/01/2015] - Preço da carne dispara no RS
[26/01/2015] - Churrasco está mais caro também em SP
[26/01/2015] - Venezuela quer comprar mais carne brasileira
[26/01/2015] - Seguro rural: calote ainda sem solução

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/01/2015] - Arroba: vendas de carne preocupam frigoríficos
[23/01/2015] - Fim do embargo russo: preocupação para o Brasil?
[23/01/2015] - JBS já é a quarta maior exportadora do Brasil
[23/01/2015] - Falta de chuva e preço travam a reposição
[23/01/2015] - Produtores de leite vivem drama no RS
[23/01/2015] - Crise no leite também chegou a SC
[23/01/2015] - Carne já é apontada como vilã da iinflação
[23/01/2015] - Crédito: o maior desafio de Kátia Abreu
[23/01/2015] - Venezuela deve US$ 5 bi a exportadores do Brasil
[22/01/2015] - Governo investiga brucelose em frigorífico
[22/01/2015] - Já tem frigorífico pagando mais pela arroba
[22/01/2015] - CEPEA: pecuarista não aceita pressão
[22/01/2015] - Kátia promete novas regras para frigoríficos
[22/01/2015] - Dilma volta a obrigar produtor a emplacar trator
[22/01/2015] - Indicados por Kátia respondem a processos
[22/01/2015] - Superávit do agro caiu 17% em SP
[21/01/2015] - Arroba do boi: animais de pasto começam a aparecer
[21/01/2015] - Kátia Abreu define relacionamento com frigoríficos
[21/01/2015] - Vendas caem mas preço da carne se mantém
[21/01/2015] - Inseminação cresce com alta na arroba
[21/01/2015] - Brasil dobrou exportações de lácteos em 2014
[21/01/2015] - Ministro quer Kátia fora da PEC das demarcações
[21/01/2015] - Governo tenta solucionar calote do seguro rural
[20/01/2015] - Sindicato ameaça Marfrig com greve nacional
[20/01/2015] - Mais um Batista para dominar o mercado?
[20/01/2015] - Mercado do boi gordo espera por uma definição
[20/01/2015] - Cinco países dominam exportações do agro do Brasil
[20/01/2015] - Bezerro 45% mais caro em Rondônia
[20/01/2015] - Importação de lácteos caiu em 2014
[20/01/2015] - Processo de rastreabilidade gera polêmica no MS
[19/01/2015] - Queda da carne trava compra de boi
[19/01/2015] - Frango na frente na concorrência com o boi
[19/01/2015] - Governo quer dar benefícios para manter Marfrig
[19/01/2015] - Área do milho deve cair 10%
[19/01/2015] - Kátia Abreu: abertura chinesa ajudou pouco
[16/01/2015] - Tabelamento do frete causa polêmica no MT
[16/01/2015] - Rial sai no melhor momento do Marfrig
[16/01/2015] - Um uruguaio no comando do Marfrig
[16/01/2015] - Mercado do boi termina a semana firme
[16/01/2015] - Demanda por reposição deve aumentar
[16/01/2015] - Oferta curta segura a arroba no Tocantins
[16/01/2015] - Como é feito o estudo epidemiológico para aftosa?
[15/01/2015] - CEO do Marfrig renuncia, papéis caem na Bolsa
[15/01/2015] - Frigoríficos já pagam mais pela arroba
[15/01/2015] - CEPEA: pecuaristas resistem a arroba menor
[15/01/2015] - Cai a diferença entre a arroba de SP e MT
[15/01/2015] - Leite longa vida continua caindo
[15/01/2015] - Banco vê tendência de concentração no leite
[15/01/2015] - Agro: um setor de quase meio trilhão
[14/01/2015] - Frigoríficos pagam acima da referência pelo boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br