Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
152,00 138,00 145,00
GO MT RJ
140,00 138,00 142,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2060,00
Bezerra 12m 1050,00
Novilha 18m 1300,00
Vaca Boiadeira 1480,00

Atualizado em: 21/2/2019 10:16

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Gradeação ecológica

 
 
 
Publicado em 22/04/2008
Xico Graziano

A família Monteiro reside há 30 anos em Campo Grande. Seus próceres, Marcela e Zeito, agrônomos, criam gado no Pantanal. Idealistas, inventaram uma nova técnica: a "gradeação ecológica". Mostram como, na prática, se compatibiliza pecuária com preservação ambiental.

O simpático casal, formado na Esalq, em Piracicaba, conta com o auxílio dos três filhos, também agrônomos. Naquela terra alagada de Mato Grosso do Sul, cheia de matadores de onça, defender a natureza soa estranho. Afinal, derrubar a mata ainda continua sendo a ordem do insustentável progresso. Mas a família Monteiro insiste. Na Fazenda São João, produzir não significa depredar.

A planície pluvial do Pantanal, chamada "chaco" no Paraguai e na Bolívia, tem o tamanho do território paulista. O lado brasileiro ocupa 60% do curioso ecossistema, distribuindo-se entre Mato Grosso (35%) e Mato Grosso do Sul (65%). Bioma riquíssimo em biodiversidade, sofre a terrível ameaça predatória da civilização.

Cerrados ralos e cerradões constituem a vegetação elevada, formando matas fechadas conhecidas como cordilheiras. Estas se entremeiam com os típicos campos do Pantanal, terras baixas, alagadas temporariamente durante a cheia. Lagoas coalhadas de jacarés permeiam campos e cordilheiras, trazendo aspecto ímpar à região. Soberba biodiversidade.

Curiosamente, pequenas elevações do terreno, murunduns de superfície arredondada, se destacam na paisagem dos campos. Chamadas de capões, essas proeminências do terreno, contendo minúsculos bosques, permanecem fora d?água mesmo no período das chuvas. Adorna-as, invariavelmente, um cupinzeiro.

Ali nasceu a gradeação ecológica. Normalmente, ao serem abertas para a pecuária, essas áreas de campo pantaneiro são devastadas pela lâmina, ou correntões, do trator. Tenta-se nelas reproduzir a formação de pastagens típicas do cerrado seco. Dá errado. Os pastos apresentam baixa produtividade, o gado pouco engorda. Enfraquece o capim.

Na Fazenda São João, ao contrário, os capões e sua vegetação são integralmente mantidos, utilizados como refúgio de fauna e flora. Um trator de pequeno porte os rodeia, sem machucar os murunduns. O campo baixo é, numa operação conjunta, gradeado e semeado com a Brachiaria humidicola, gramínea que sobrevive mesmo quando os campos ficam cobertos por uma lâmina d?água.

A técnica, simples, eleva a produtividade sem alterar significativamente o ecossistema. O equilíbrio natural se mantém, as águas fluem. Atesta-o a bicharada. Mamíferos e aves pastam juntamente com o gado. Na cheia, os murunduns, preservados, secam as patas do gado. Viram locais de descanso.

A experiência técnica dos Monteiros, conhecida e relatada pela Embrapa de Campo Grande, pode evoluir. Os agrônomos pensam agora em substituir a grade pelo plantio direto, reduzindo a escarificação do terreno virgem. A gramínea exótica formará um consórcio com a pastagem natural. Zero de desmatamento, mínimo impacto ambiental.

Hoje, 22 de abril, é o Dia da Terra. Criada a partir dos protestos ecológicos liderados por Gaylord Nelson, senador norte-americano, a data acabou adotada internacionalmente desde 1990. Na comunidade agronômica, a comemoração se soma àquela lembrada no Dia Mundial da Conservação do Solo, passada em 15 de abril.

O solo é patrimônio da humanidade. Sua erosão, provocada pelo cultivo inadequado, é a pior chaga da agricultura. Quando chuvas torrenciais encontram o solo descoberto, provocam enxurradas que lavam a superfície do terreno, carregando a fertilidade, roubando a produtividade das lavouras. A lama marrom machuca o solo, marcando-o com feias e profundas cicatrizes, as profundas voçorocas.

Nas regiões tropicais, especialmente, o desmatamento expõe o terreno, coberto de secular húmus, à força da intempérie. Nisso reside o pecado capital. Trazidas da Europa, as técnicas de cultivo baseadas na aração do solo, próprias para regiões temperadas, mostram-se desastrosas nos países do Hemisfério Sul. Curvas de nível e terraços, projetados pela boa agronomia desde os anos 1960, ajudam a combater o mal da erosão. Mas a verdadeira solução chegou apenas recentemente, por meio do plantio direto na palha, tecnologia revolucionária que promove a semeadura sem passar o arado nem a grade no terreno. O solo se mantém estruturado, coberto, protegido.

Quem conhece os rios do Pantanal, como o Coxim e o Taquari, se assusta com a quantidade de praias que cresceram em suas margens. Eles, porém, não nasceram assim assoreados. Toda aquela areia acabou ali depositada por causa da erosão do solo em suas cabeceiras. Derrubados os cerrados a montante, em São Gabriel ou Rio Verde, milhões de toneladas da camada superficial do solo rodaram água abaixo.

O desprezo pela natureza, rompendo os seus ciclos fundamentais, exibe certa arrogância humana. É certo que o desenvolvimento da agricultura e da pecuária permitiu a evolução. Entretanto, o avanço tecnológico, estimulado pelo desmesurado crescimento populacional, fez o homem imaginar que tudo conseguiria. O problema ecológico advém dessa prepotência, somada à cobiça.

A gradeação ecológica no Pantanal significa um recuo humilde, e inteligente, na exploração rural. Há que respeitar os ciclos da natureza, entendendo-os convenientemente para deles se aproveitar, sem os destruir. Isso é desenvolvimento sustentável.

Hoje também se comemora o Descobrimento do Brasil. Após séculos, o Pantanal está sendo redescoberto. O turismo ecológico valoriza o colar vermelho, e vivo, do tuiuiú. Os pecuaristas modernos investem no gado ecológico. Falta apenas salvar a coitada da onça.

Xico Graziano, agrônomo, é secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[21/02/2019] - Chuvas fortes dificultam entrega de boi no MT
[21/02/2019] - Frigoríficos não acham boi para comprar
[21/02/2019] - Carne: preços continuam caindo
[21/02/2019] - Tereza diz que previdência agrada ao setor
[21/02/2019] - MAPA pede solução para conflitos com índios
[20/02/2019] - Em Dubai, embaixada brasileira não é problema
[20/02/2019] - Arroba caiu em São Paulo

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[20/02/2019] - E os preços da reposição, para onde vão?
[20/02/2019] - Leite: Brasil notifica OMC para aumentar imposto
[20/02/2019] - Leite: greve travou crescimento em 2018
[20/02/2019] - Rússia inspeciona frigoríficos bolivianos
[20/02/2019] - O que muda na aposentadoria rural?
[20/02/2019] - Bancada ruralista promete apoio às reformas
[20/02/2019] - Bolsonaro a ruralistas: Brasil precisa da reforma
[19/02/2019] - Procuradoria deve cobrar R$ 2 bilhões da JBS
[19/02/2019] - Exportações de carne podem ter alta de quase 40%
[19/02/2019] - Frigoríficos tentam continuar a vender ao Irã
[19/02/2019] - Exportações de carne do MS batem recorde
[19/02/2019] - Arroba: pressão mesmo com oferta curta
[19/02/2019] - Leite longa vida sobe com menor produção
[19/02/2019] - Minerva tenta atrair interesse por ações
[18/02/2019] - Estados aumentam impostos sobre o Agro
[18/02/2019] - Arroba: frigoríficos seguem tentando pagar menos
[18/02/2019] - Milho: procura está em alta
[18/02/2019] - Leite: governo tentará retaliar a UE
[18/02/2019] - Enchente mata meio milhão de bois
[15/02/2019] - Frigoríficos aumentam a pressão sobre o boi
[15/02/2019] - Carne: será que as vendas melhoram no Carnaval?
[15/02/2019] - Leite: governo ainda não aumentou tarifa da UE
[15/02/2019] - Leite: CEPEA mudará cálculo do preço ao produtor
[15/02/2019] - China fecha acordo para importar frango do Brasil
[15/02/2019] - Acordo com China puxa ações de frigoríficos
[15/02/2019] - JBS substitui Marfrig e assina parceria com ACNB
[15/02/2019] - Empresa da JBS tem prejuízo nos EUA
[15/02/2019] - Marfrig já está exportando ao Japão
[14/02/2019] - Carne: margem de lucro do varejo aumentou
[14/02/2019] - Arroba: o mercado está devagar?
[14/02/2019] - CEPEA: produtividade aumentou nos últimos anos
[14/02/2019] - Justiça pede explicações sobre fim da tarifa
[14/02/2019] - Produtores de leite protestam por falta de energia
[14/02/2019] - Indígenas plantam 18 mil hectares de grãos
[14/02/2019] - Tereza defende o direito de índios de produzir
[14/02/2019] - Funrural: produtor tem dúvidas sobre o pagamento
[14/02/2019] - Governo incentiva financiamento rural
[14/02/2019] - Frio extremo mata gado leiteiro nos EUA
[13/02/2019] - Leite: como o governo aumentará a tarifa da UE?
[13/02/2019] - Reforma aumenta contribuição rural ao INSS
[13/02/2019] - Conta de luz rural pode aumentar
[13/02/2019] - Arroba: oferta curta está puxando preço do boi
[13/02/2019] - Exportações de couro em alta
[13/02/2019] - Oferta de gado pode diminuir
[13/02/2019] - MT: utilização de capacidade dos frigos é recorde
[13/02/2019] - Falta reposição no Pará
[13/02/2019] - Exportações do agro batem US$ 102 bi em 1 ano
[13/02/2019] - Minerva quer incentivo fiscal para reabrir unidade
[12/02/2019] - Exportações: fevereiro já começou com recordes?
[12/02/2019] - Exportações à Rússia em 2019 já batem 2018

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br