Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
 
 
 
 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Indústria aposta em subsídio para vender trator
 
 
Publicado em 10/12/2008

Os programas como o Mais Alimentos, do governo federal, o Pró Trator (SP) e o Trator Solidário (PR) serão utilizados como "porto seguro" contra a crise pelas indústrias de máquinas agrícolas em 2009. Destinados à agricultura familiar de pequeno porte, os programas foram criados com objetivo de abrir linhas de crédito para facilitar o acesso de pequenos produtores aos novos produtos, melhorando a tecnologia e a produtividade das lavouras diante do crescimento da demanda mundial por alimentos. No entanto, a mudança provocada pela crise levou as indústrias a apostarem suas fichas no mercado de tratores de pequeno e médio porte para sustentar o volume de vendas no Brasil em 2009. Com isso, a nova expectativa é pelo menos repetir os números de 2008.

No caso do programa Mais Alimentos, que foi lançado em julho deste ano, a expectativa do setor é comercializar 60 mil tratores e 300 mil máquinas e implementos em dois anos. No Paraná, o programa Trator solidário, que contempla máquinas de 50cv a 75cv, entrou em operação em 2007 e vendeu cerca de mil máquinas em seu primeiro ano. Já no Estado de São Paulo, o governo colocou à disposição dos agricultores neste mês R$ 400 milhões com juro zero para a aquisição de máquinas entre 50cv e 120cv.

Paulo Herrmann, diretor comercial da John Deere na América do Sul afirma que a crise produziu reflexos negativos na empresa. "Nosso objetivo era crescer em 2009, mas já revimos a meta e esperamos manter as vendas iguais a este ano, que foram muito boas". A companhia americana é uma das maiores fabricantes de tratores e colheitadeiras do mundo e irá ampliar o mix de sua produção para tratores de pequeno e médio porte em 2009, subindo dos atuais 45% para 60% do total produzido. O executivo disse que em 2008 foram vendidos 42 mil tratores e 4,2 mil colheitadeiras. A taxa de crescimento anual das vendas no Brasil não foi divulgada pela companhia. No entanto, Herrmann revelou que o País cresceu acima da média mundial. Em 2008, a companhia faturou US$ 28 bilhões no mundo com um crescimento de 16%.

A John Deere afirmou que continuará apostando no crescimento da agricultura brasileira no longo prazo e inaugurou ontem em Campinas, interior de São Paulo, o novo centro de distribuição de peças para a América do Sul. O investimento do projeto foi de US$ 18 milhões e levou pouco mais de um ano para ser concluído. Antônio Garcia, diretor de peças de reposição para a América do Sul disse que é o segundo grande investimento da empresa neste ano. Com isso, a expectativa é que 90% dos pedidos interno e externo na América do Sul sejam atendidos em até 24 horas. "O interessante é que quando passamos por períodos de crise, a demanda por peças de reposição cresce", completa Garcia.

"Independentemente da crise continuaremos fazendo o máximo para atender nossos clientes da melhor maneira", afirmou Gail Leese, vice-presidente mundial de peças para reposição da companhia. Em maio deste ano, a companhia americana inaugurou em Montenegro (RS) um complexo industrial de US$ 250 milhões.

Herrmann esclarece que os 200 funcionários dispensados na fábrica de Horizontina (RS) eram temporários. "Ao contrário do que foi enfatizado, contratamos 100 funcionários dos 300 que eram temporários", completa. Segundo informou, a companhia trabalha atualmente com 70% da capacidade instalada. Até setembro de 2009 a expectativa é que sejam investidos US$ 80 milhões no Brasil. "Metade disso já foi utilizado no centro de distribuição e em algumas outras áreas", conta. "O resto será utilizado até o prazo previsto"

A companhia acredita que o sistema de plantio com excesso de alavancagem (empréstimos para financiar as dívidas) somado à falta de logística precisa ser revisto no País. Herrmann aponta o caso do Mato Grosso como referência. "As políticas de seguro agrícola e preços mínimos que cubram os custos ajudariam a resolver o problema. Mas não podemos politizar as dívidas. O contrato assinado precisa ser cumprido". No entanto, a companhia negou que tenha pedido a apreensão de máquinas no estado. Com informações do portal Estadão.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir


   Leia também:
 
[20/10/2014] - Racionamento de água já atinge os frigoríficos
[20/10/2014] - Frigoríficos tentam reduzir a arroba do boi
[20/10/2014] - Pecuária crescerá mais que restante do agro
[20/10/2014] - Arroba em alta melhora relação com o milho
[20/10/2014] - Aumenta a procura por silos em sacos
[20/10/2014] - Como evitar a morte súbita da pastagem?

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[17/10/2014] - Alta da arroba ainda não compensa alta do custo
[17/10/2014] - Confinamentos deve dobrar no Brasil
[17/10/2014] - Frigoríficos pagam acima da referência pelo boi
[17/10/2014] - Falta de animais e arroba em alta puxam reposição
[17/10/2014] - Por que fazer exame andrológico nos seus touros?
[16/10/2014] - Boi está próximo do recorde absoluto de preço
[16/10/2014] - Alta do boi gordo continua
[16/10/2014] - Leite cai mesmo na entressafra
[16/10/2014] - MAPA estende novamente consulta sobre frigos
[16/10/2014] - Emirados Árabes: um grande cliente do Brasil
[16/10/2014] - Kátia é reeleita mas briga continua na CNA
[15/10/2014] - Frigoríficos estão pagando mais para conseguir boi
[15/10/2014] - Alta do boi já afeta preço da vaca
[15/10/2014] - Qual a expectativa para a arroba este ano?
[15/10/2014] - PIB do agro já cresceu quase 2% em 2014
[15/10/2014] - Assaltantes matam produtor rural em SP
[15/10/2014] - Exportações à Venezuela têm forte queda
[15/10/2014] - CADE aprova negócios com unidades da LBR
[15/10/2014] - Liminar restabelece eleições na CNA
[14/10/2014] - Marfrig quer ajuda do governo para manter unidade
[14/10/2014] - Mercado futuro aponta: boi vai subir
[14/10/2014] - Arroba do boi continua firme e em alta
[14/10/2014] - Reposição sobe mais que o boi no MT
[14/10/2014] - Produtores trocam a cana pelo boi
[14/10/2014] - Brasil fatura o dobro exportando lácteos
[14/10/2014] - Produzir leite está mais caro
[14/10/2014] - ARTIGO: Cai a máscara de Kátia Abreu
[13/10/2014] - Bezerro já subiu 30% em 12 meses no MS
[13/10/2014] - Vendas à Rússia prejudicadas pela lentidão do MAPA
[13/10/2014] - Referência para a arroba do boi continua subindo
[13/10/2014] - Reposição espera pelas chuvas
[13/10/2014] - Adubos mais baratos em 2014
[13/10/2014] - Silos em bolsa são cada vez mais comuns
[13/10/2014] - Itambé pode chegar à Região Sul
[13/10/2014] - Liminar suspende eleições na CNA
[10/10/2014] - Arroba do boi volta a subir com firmeza
[10/10/2014] - Rússia ajuda a evitar queda maior da balança
[10/10/2014] - Exportações caíram por problema logístico
[10/10/2014] - Secretário nega ter sugerido trocar carne por ovo
[10/10/2014] - Como retirar o capim annoni das pastagens?
[09/10/2014] - Agro já exportou quase US$ 76 bi em 2014
[09/10/2014] - Boi gordo está firme e em alta
[09/10/2014] - Fábricas da Leite Nilza vão a leilão
[09/10/2014] - Inflação alta: governo sugere trocar carne por ovo
[08/10/2014] - Bancada ruralista vira maioria na Câmara
[08/10/2014] - Mercado já projeta novas altas para a arroba
[08/10/2014] - Um bom mês para o pecuarista em Mato Grosso
[08/10/2014] - Inflação acumulada é a maior em 12 anos
[08/10/2014] - Carne mais cara puxou a inflação
[07/10/2014] - Demanda forte deve puxar alta firme do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br