Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
140,00 132,00 135,00
GO MT RJ
132,00 129,00 136,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1200,00
Garrote 18m 1430,00
Boi Magro 30m 1720,00
Bezerra 12m 900,00
Novilha 18m 1130,00
Vaca Boiadeira 1350,00

Atualizado em: 19/10/2017 10:19

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Afirmação e Ruptura

 
 
 
Publicado em 16/12/2008

Kátia Abreu

Quando me vi eleita – por 26 dos 27 votos das federações estaduais, em uma manifestação espantosa de confiança da classe – para a presidência da CNA, Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, desfiz uma dúvida que nunca havia confessado: a minha visão da classe dos produtores rurais, progressista, moderna, legalista e democrata, aberta ao diálogo e a inovação, não era uma idealização, mas um pensamento dominante.

Em caso contrário, eu não seria hoje Presidente da CNA, posto que desde que ingressei no movimento, em 1993, não fiz outra coisa a não ser lutar para remover os preconceitos que isolaram, pelos séculos dos séculos, os produtores rurais. Foi essa constatação que me animou a adotar a divisa para o meu mandato que se inicia solenemente nesta terça-feira, 16 de dezembro de 2008: “Afirmação & Ruptura.”

Os produtores rurais brasileiros, que representam 24% do Produto Interno Bruto, empregam 37% da força de trabalho e geram 36% das exportações, podem ser isolados social e politicamente como protótipos do atraso, da fortuna injusta, da propriedade usurpada e do poder feudal? Não.

O setor da economia, a que se atribui o abastecimento da população e ainda contribui para as exportações com mais de 170 milhões de toneladas, o excedente de consumo interno, pode ser acusado de toda sorte de culpas e anedotas pelo atraso econômico, social, cultural, tecnológico e, principalmente, político do País? Não.

Portanto, vamos afirmar e firmar nosso papel e exigir que nossa imagem seja restaurada, o que representa ao mesmo tempo uma ruptura. Não temos porque assumir resquícios dos métodos coloniais, de que não somos sequer herdeiros. Queremos romper com a imagem injusta.

Somos o que somos e não quem nos imaginam que somos. É inaceitável que os empresários rurais, por se dedicarem à atividade econômica da agricultura, sejam apontados como protótipos do reacionarismo. Nenhum setor da economia é mais progressista e modernizador.

A associação desses dois conceitos complementares contidos no binômio “Afirmação & Ruptura” é muito mais do que uma marca, resume um programa a que dedicaremos o triênio da nossa presidência da CNA.

Em tempos de crise, que chegam justamente quando iniciamos nossa jornada, a importância de afirmar princípios e objetivos é tão importante quanto a necessidade de exorcizar todo e qualquer tipo de derrotismo e, principalmente, das injustiças e desestímulos que pairam sobre uma classe que está na vanguarda da economia, qualquer que seja o ângulo de observação.

Somos forte na diversidade de produtos, significativos no volume de produção, na geração de divisas, na valorização dos salários (com a queda relativa dos preços dos alimentos da cesta básica), na invenção tecnologica – em qualquer terreno em que sejamos avaliados.

E naqueles aspectos em que os erros de poucos se transformam em carapuça para todos vamos ser extremamente agressivos, não defendendo culpados mas promovendo meios para que a ignorância, quando for o caso, seja vencida pela melhor informação.

Ninguém nos tirará das nossas mãos as bandeiras da legalidade, da democracia, da liberdade, da modernidade, da justiça social e do aprimoramento político. Elas são o penhor da nossa afirmação como classe e justificam nossa decisão pela ruptura que a imagem que nos dissocia de tais compromissos.

 

Kátia Abreu é senadora da República pelo estado do Tocantins e toma posse hoje na Presidência da CNA.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[19/10/2017] - Saída da JBS trava mercado do boi no MS
[19/10/2017] - Pecuaristas não aceitam tombo da arroba no MS
[19/10/2017] - CPI: ação da JBS é estratégia do medo
[19/10/2017] - Protesto de funcionários da JBS reúne 4 mil no MS
[19/10/2017] - Com parada da JBS, pecuaristas pedem ICMS menor
[19/10/2017] - Justiça suspende bloqueio de bens dos Batista
[19/10/2017] - Arroba: parada da JBS afeta mercado do boi em SP

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[19/10/2017] - Incerteza trava o mercado do boi
[19/10/2017] - Cade: venda do Mataboi deve ser anulada em 1 mês
[19/10/2017] - Marfrig reinicia abates em mais uma unidade
[19/10/2017] - Exportação de boi tem queda de quase 70%
[19/10/2017] - Leite cada vez mais caro para produzir
[19/10/2017] - Queda do leite deixa produtores com dívidas
[19/10/2017] - Produtores e índios querem trabalhar. E a Funai?
[19/10/2017] - Juízes e fiscais se recusam a aplicar nova lei
[18/10/2017] - JBS suspende abates em todas as unidades do MS
[18/10/2017] - Cade rejeita compra do Mataboi por Júnior Friboi
[18/10/2017] - BNDES pagou caro por ações da JBS, diz TCU
[18/10/2017] - Arroba: mercado do boi está devagar
[18/10/2017] - Polpa cítrica está mais cara
[18/10/2017] - Cade em alerta por concentração em insumos
[17/10/2017] - A verdade sobre a portaria do trabalho escravo
[17/10/2017] - Funcionários da JBS temem demissões em massa
[17/10/2017] - JBS disse que quer vender ações nos EUA em 2018
[17/10/2017] - CVM abre processo contra diretor da JBS
[17/10/2017] - Exportações de carne bovina sinalizam recorde
[17/10/2017] - UE: França vai usar Carne Fraca para barrar acordo
[17/10/2017] - Arroba: mercado trava com ofertas baixas
[17/10/2017] - Reposição sofre com a seca e indefinição da arroba
[17/10/2017] - Maggi: bloqueio ao leite uruguaio é temporário
[17/10/2017] - Produtores pedem maior atenção à pecuária de leite
[16/10/2017] - JBS desiste de oferta de ações nos EUA
[16/10/2017] - Cade deve rejeitar nesta semana compra do Mataboi
[16/10/2017] - Arroba: mercado vive impasse
[16/10/2017] - Atacado da carne caiu mas margem de frigo subiu
[16/10/2017] - ICMS cai, mas preço da carne não cairá
[16/10/2017] - Leite: produtor pede socorro
[16/10/2017] - Governo envia missão para discutir leite uruguaio
[16/10/2017] - Reposição lenta não derruba preços em MG
[16/10/2017] - Uréia agrícola está mais cara
[16/10/2017] - Argentina quer 5% do mercado da UE para o Mercosul
[11/10/2017] - MPF concorda com a PF e denuncia irmãos Batista
[11/10/2017] - PF vê risco de calote bilionário da JBS
[11/10/2017] - Frigoríficos esperam novos mercados ainda em 2017
[11/10/2017] - Arroba: mercado em ritmo de feriadão
[11/10/2017] - MAPA tenta solução para vender mais ao Irã
[11/10/2017] - Brasil suspende importação de leite do Uruguai
[11/10/2017] - O leite vai subir com embargo ao Uruguai?
[11/10/2017] - CEPEA: consumo de leite ainda é fraco
[11/10/2017] - Produtor de leite vive momento complicado
[11/10/2017] - Milho volta a subir
[10/10/2017] - Justiça já bloqueou R$ 730 milhões da JBS
[10/10/2017] - PF aponta que irmãos Batista manipularam o mercado
[10/10/2017] - Carne: preço sobe e ensaia recuperação
[10/10/2017] - Exportações: outubro começou com alta de 25%
[10/10/2017] - Arroba: frigoríficos estão testando o pecuarista
[10/10/2017] - Governo do MT não vai prorrogar ICMS menor

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br