Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
149,00 143,00 144,00
GO MT RJ
139,00 134,00 145,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1350,00
Garrote 18m 1570,00
Boi Magro 30m 1940,00
Bezerra 12m 970,00
Novilha 18m 1170,00
Vaca Boiadeira 1380,00

Atualizado em: 19/10/2018 11:39

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

O confinamento do pós-crise

 
 
 
Publicado em 02/02/2009

Juan Lebrón Casamada*

Saber até que ponto a crise no sistema financeiro mundial produzirá efeitos que poderão prejudicar a produção agropecuária e, principalmente, como vai impactar a oferta de alimentos nos próximos anos é uma questão a sem resposta conclusiva. A alta do dólar e a realidade de uma crise que traz incertezas para todos os setores da produção agrícola são os maiores indicativo de que o mercado demandará algum tempo até se refazer por completo do susto.

Se, de um lado, a produção agrícola sofre com as oscilações e a desvalorização nos preços das commodities - fator mais importante de atração do capital estrangeiro -, com a escassez e a alta progressiva dos preços dos principais insumos usados pelo setor primário e a dúvida quanto à garantia de preço mínimo lá na frente, do outro, o governo federal se mobiliza para injetar recursos destinados à criação de linhas de financiamento, compra de equipamentos e custeio da produção.

Alguns setores, no entanto, inevitavelmente, sofrerão os reflexos dessa situação um pouco mais adiante. É o caso da pecuária de produção intensiva (confinamento), setor que tem seus resultados atrelados de maneira muito próxima ao equilíbrio das contas. Por esse motivo, a ordem, hoje, entre os confinadores é "esperar para ver" e "não pagar para ver" se as medidas adotadas para socorrer a economia terão de fato o efeito pretendidos.

O último levantamento realizado pela Associação Nacional dos Confinadores (Assocon) com seus associados, relativo ao fim de novembro do ano passado, sobre a intenção de confinamento no país, mostrou, justamente, crescimento muito pequeno, apenas 1,3% maior em comparação a 2007, e projeções não muito otimistas com relação à continuidade dos investimentos neste ano.

Agora, em parte, os motivos que levam a essa desaceleração do ímpeto de produzir boi gordo têm pouca ou nenhuma relação com a falta de crédito no mundo. Pelo contrário, muitos dos gargalos que travam o sistema de produção são, na verdade, efeito colateral da fartura de capital disponível no mercado interno nos últimos anos e do súbito interesse do investidor estrangeiro nos dividendos gerados pelo agronegócio brasileiro.

O movimento de abertura de capitais na Bolsa e dos IPO (lançamento inicial de ações) depois de dois anos bastante positivos, praticamente, estagnou e especialistas calculam que haverá uma possível retomada somente no segundo semestre de 2009. O resultado desse crescimento desordenado que envolveu uma série de fusões, aquisições e a construção de novas plantas frigoríficas nas principais fronteiras agrícolas do Brasil, neste momento, é motivo de preocupação, já que o setor assiste ao movimento inverso, com frigoríficos importantes simplesmente fechando suas portas ou reduzindo sensivelmente as escalas de abate.

O cenário indica, ainda, déficit já comprovado na oferta de boi magro, pressão maior dos custos para compra de insumos do confinamento, incidindo na rentabilidade da produção além de pressionar por melhorias na qualidade dos processos do pasto ao prato do consumidor. Em resumo, tudo isso demandará ação estratégica e muito diálogo por parte dos agentes envolvidos na cadeia do negócio da carne. Esses ajustes são, de fato, necessários para que em 2009 toda a cadeia produtiva sobreviva a este momento agudo da crise e a produção possa ser retomada mais adiante com maior tranquilidade.

* Diretor executivo da Associação Nacional dos Confinadores (Assocon)

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[19/10/2018] - Arroba: frigoríficos seguem pressionando
[19/10/2018] - Baixa da arroba preocupa pecuaristas em GO
[19/10/2018] - Hong Kong quer restringir frigoríficos habilitados
[19/10/2018] - Irã quer ampliar compras de alimentos do Brasil
[19/10/2018] - Operações da PF ainda afetam vendas de carne
[19/10/2018] - Preço do leite negociado entre as indústrias caiu
[19/10/2018] - Escócia anuncia descoberta de caso de vaca louca

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[18/10/2018] - Queda da arroba ganha força
[18/10/2018] - Produtividade do boi de SP é maior
[18/10/2018] - Carne bovina salva balança comercial de carnes
[18/10/2018] - Cuidado ao aderir ao Refis do Funrural
[18/10/2018] - Deputados reagem a nova demarcação no Paraná
[17/10/2018] - Senado prorroga adesão ao Refis do Funrural
[17/10/2018] - Arroba perde força e recua
[17/10/2018] - Brasil não aproveita cota para vendas à UE
[17/10/2018] - Justiça aceita recuperação judicial de frigorífico
[17/10/2018] - BRF tenta acordo de leniência
[17/10/2018] - Milho: preços despencam e travam vendas
[17/10/2018] - Bancada já indica nomes ao MAPA de Bolsonaro
[17/10/2018] - Políticos já falam em taxar o agronegócio
[17/10/2018] - Reposição ganha força no Maranhão
[16/10/2018] - Exportações devem bater recorde novamente
[16/10/2018] - EUA prevêem que Brasil exportará mais carne
[16/10/2018] - Arroba: confinamento chega e pressiona o boi
[16/10/2018] - Consumo de carne dá sinais de melhora
[16/10/2018] - Leite: longa vida cai no atacado e no varejo
[16/10/2018] - PF vê fraudes praticadas pela BRF
[16/10/2018] - BRF diz ter tolerância zero
[16/10/2018] - MAPA: vigilância contra aftosa em Roraima
[15/10/2018] - Abílio Diniz é indiciado pela Carne Fraca
[15/10/2018] - Incêndio fecha unidade do Marfrig
[15/10/2018] - JBS tenta levantar US$ 500 mi para rolar dívidas
[15/10/2018] - Arroba: frigoríficos estão testando o mercado
[15/10/2018] - Reposição: preços vão subir?
[15/10/2018] - Carne recua no atacado
[15/10/2018] - Milho: compradores se retraem e preço cai
[15/10/2018] - Leite: preço afasta pecuaristas da atividade
[15/10/2018] - Confusão sobre Refis do Funrural só aumenta
[15/10/2018] - STF mantém liberação de gado em Santos
[15/10/2018] - Invasão de índios à Funai termina em morte
[11/10/2018] - Exportações do Agro devem chegar a R$ 100 bi
[11/10/2018] - Exportações de carne bovina devem bater R$ 7 bi
[11/10/2018] - Arroba: frigoríficos pressionam e mercado trava
[11/10/2018] - CEPEA: preço do boi oscila com força
[11/10/2018] - EUA batem recorde na exportação de carne
[10/10/2018] - Aliado detalha propostas de Bolsonaro para o Agro
[10/10/2018] - Bancada vai ao RJ para dar apoio a Bolsonaro
[10/10/2018] - Arroba: confinamento pressiona cotação do boi
[10/10/2018] - Preço da carne não caiu
[10/10/2018] - Leite: primeira queda em sete meses
[10/10/2018] - Custo para produzir leite continua subindo
[10/10/2018] - Novas regras devem facilitar o SISBOV
[10/10/2018] - Mato Grosso bate recorde de exportação de carne
[10/10/2018] - Senado deixa Funrural para o último dia
[09/10/2018] - Arroba: frigoríficos testam o mercado
[09/10/2018] - Carne tem preço firme no varejo
[09/10/2018] - Abrafrigo: exportações bateram recorde histórico

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br