Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
153,00 138,00 145,00
GO MT RJ
137,00 138,00 141,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2060,00
Bezerra 12m 1050,00
Novilha 18m 1300,00
Vaca Boiadeira 1480,00

Atualizado em: 15/2/2019 12:26

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

O confinamento do pós-crise

 
 
 
Publicado em 02/02/2009

Juan Lebrón Casamada*

Saber até que ponto a crise no sistema financeiro mundial produzirá efeitos que poderão prejudicar a produção agropecuária e, principalmente, como vai impactar a oferta de alimentos nos próximos anos é uma questão a sem resposta conclusiva. A alta do dólar e a realidade de uma crise que traz incertezas para todos os setores da produção agrícola são os maiores indicativo de que o mercado demandará algum tempo até se refazer por completo do susto.

Se, de um lado, a produção agrícola sofre com as oscilações e a desvalorização nos preços das commodities - fator mais importante de atração do capital estrangeiro -, com a escassez e a alta progressiva dos preços dos principais insumos usados pelo setor primário e a dúvida quanto à garantia de preço mínimo lá na frente, do outro, o governo federal se mobiliza para injetar recursos destinados à criação de linhas de financiamento, compra de equipamentos e custeio da produção.

Alguns setores, no entanto, inevitavelmente, sofrerão os reflexos dessa situação um pouco mais adiante. É o caso da pecuária de produção intensiva (confinamento), setor que tem seus resultados atrelados de maneira muito próxima ao equilíbrio das contas. Por esse motivo, a ordem, hoje, entre os confinadores é "esperar para ver" e "não pagar para ver" se as medidas adotadas para socorrer a economia terão de fato o efeito pretendidos.

O último levantamento realizado pela Associação Nacional dos Confinadores (Assocon) com seus associados, relativo ao fim de novembro do ano passado, sobre a intenção de confinamento no país, mostrou, justamente, crescimento muito pequeno, apenas 1,3% maior em comparação a 2007, e projeções não muito otimistas com relação à continuidade dos investimentos neste ano.

Agora, em parte, os motivos que levam a essa desaceleração do ímpeto de produzir boi gordo têm pouca ou nenhuma relação com a falta de crédito no mundo. Pelo contrário, muitos dos gargalos que travam o sistema de produção são, na verdade, efeito colateral da fartura de capital disponível no mercado interno nos últimos anos e do súbito interesse do investidor estrangeiro nos dividendos gerados pelo agronegócio brasileiro.

O movimento de abertura de capitais na Bolsa e dos IPO (lançamento inicial de ações) depois de dois anos bastante positivos, praticamente, estagnou e especialistas calculam que haverá uma possível retomada somente no segundo semestre de 2009. O resultado desse crescimento desordenado que envolveu uma série de fusões, aquisições e a construção de novas plantas frigoríficas nas principais fronteiras agrícolas do Brasil, neste momento, é motivo de preocupação, já que o setor assiste ao movimento inverso, com frigoríficos importantes simplesmente fechando suas portas ou reduzindo sensivelmente as escalas de abate.

O cenário indica, ainda, déficit já comprovado na oferta de boi magro, pressão maior dos custos para compra de insumos do confinamento, incidindo na rentabilidade da produção além de pressionar por melhorias na qualidade dos processos do pasto ao prato do consumidor. Em resumo, tudo isso demandará ação estratégica e muito diálogo por parte dos agentes envolvidos na cadeia do negócio da carne. Esses ajustes são, de fato, necessários para que em 2009 toda a cadeia produtiva sobreviva a este momento agudo da crise e a produção possa ser retomada mais adiante com maior tranquilidade.

* Diretor executivo da Associação Nacional dos Confinadores (Assocon)

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[15/02/2019] - Frigoríficos aumentam a pressão sobre o boi
[15/02/2019] - Carne: será que as vendas melhoram no Carnaval?
[15/02/2019] - Leite: governo ainda não aumentou tarifa da UE
[15/02/2019] - Leite: CEPEA mudará cálculo do preço ao produtor
[15/02/2019] - China fecha acordo para importar frango do Brasil
[15/02/2019] - Acordo com China puxa ações de frigoríficos
[15/02/2019] - JBS substitui Marfrig e assina parceria com ACNB

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[15/02/2019] - Empresa da JBS tem prejuízo nos EUA
[15/02/2019] - Marfrig já está exportando ao Japão
[14/02/2019] - Carne: margem de lucro do varejo aumentou
[14/02/2019] - Arroba: o mercado está devagar?
[14/02/2019] - CEPEA: produtividade aumentou nos últimos anos
[14/02/2019] - Justiça pede explicações sobre fim da tarifa
[14/02/2019] - Produtores de leite protestam por falta de energia
[14/02/2019] - Indígenas plantam 18 mil hectares de grãos
[14/02/2019] - Tereza defende o direito de índios de produzir
[14/02/2019] - Funrural: produtor tem dúvidas sobre o pagamento
[14/02/2019] - Governo incentiva financiamento rural
[14/02/2019] - Frio extremo mata gado leiteiro nos EUA
[13/02/2019] - Leite: como o governo aumentará a tarifa da UE?
[13/02/2019] - Reforma aumenta contribuição rural ao INSS
[13/02/2019] - Conta de luz rural pode aumentar
[13/02/2019] - Arroba: oferta curta está puxando preço do boi
[13/02/2019] - Exportações de couro em alta
[13/02/2019] - Oferta de gado pode diminuir
[13/02/2019] - MT: utilização de capacidade dos frigos é recorde
[13/02/2019] - Falta reposição no Pará
[13/02/2019] - Exportações do agro batem US$ 102 bi em 1 ano
[13/02/2019] - Minerva quer incentivo fiscal para reabrir unidade
[12/02/2019] - Exportações: fevereiro já começou com recordes?
[12/02/2019] - Exportações à Rússia em 2019 já batem 2018
[12/02/2019] - Governo deve rever fim de taxa ao leite europeu
[12/02/2019] - Arroba: frigoríficos têm dificuldade para comprar
[12/02/2019] - Reposição: expectativa pela chegada dos bezerros
[12/02/2019] - Carne: queda nos preços perde força
[12/02/2019] - Milho: produtor deve ter cautela
[12/02/2019] - Funrural: Abrafrigo diz que dívida não existe
[12/02/2019] - Crédito rural tem forte alta nas contratações
[12/02/2019] - Índios e produtores comemoram colheita juntos
[11/02/2019] - Arroba: pecuarista segura o boi esperando a alta
[11/02/2019] - Exportações de gado cresceram 55% em 1 ano
[11/02/2019] - Conta do boi não fecha, diz líder rural
[11/02/2019] - Ministério não vê danos com leite da UE
[11/02/2019] - Produtores pedem taxa sobre o leite em pó
[11/02/2019] - Milho: colheita não reduziu preços
[11/02/2019] - Milho: safrinha gera preocupação
[11/02/2019] - Farelo de soja: preço caiu
[11/02/2019] - Crédito: Tereza pede redução gradual de subsídio
[08/02/2019] - Marfrig demite 400 funcionários de frigorífico
[08/02/2019] - Marfrig pode exportar carne para o Japão
[08/02/2019] - Frigoríficos estão em alta na Bolsa
[08/02/2019] - Arroba teve pequena alta em SP
[08/02/2019] - Arroba: mercado está devagar em Goiânia
[08/02/2019] - STF confirma que tabela de frete está valendo
[08/02/2019] - Alimentos em alta no mercado internacional
[08/02/2019] - Brumadinho: BB deve suspender contratos
[08/02/2019] - Aftosa: MAPA publica manual de vacinação

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br