Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
139,00 127,00 129,00
GO MT RJ
125,00 129,00 128,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1280,00
Garrote 18m 1520,00
Boi Magro 30m 1870,00
Bezerra 12m 970,00
Novilha 18m 1150,00
Vaca Boiadeira 1310,00

Atualizado em: 25/5/2018 11:10

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Boi - o custo dos equívocos

 
 
 
Publicado em 25/03/2009

Pedro de Camargo Neto

Como resultado da gestão equivocada, para não usar a palavra irresponsável, na implantação de um sistema de rastreabilidade individual de bovinos, exigência exagerada da União Europeia (UE), porém prometida pelo Brasil e, portanto, de cumprimento obrigatório, começamos a perder a exportação de carne bovina para aquele mercado em 2007.

Era o principal mercado do Brasil, absorvendo, em 2006, exportações de US$ 1,16 bilhão, 37% do total embarcado em receita, ou 23% em volume, com 314,35 mil toneladas. Em 2008, o Brasil exportou para a União Europeia só US$ 270 milhões, uma retração certamente significativa.

Não se perde o principal cliente impunemente. O custo desta enorme perda começa a chegar. O fechamento de unidades industriais de abate de bovinos e, agora, a inadimplência financeira das empresas causam grande preocupação a todos. A queda de preços dos bovinos volta a desestimular a produção.

A UE era compradora de cortes bovinos de alto valor. Filé, contrafilé e alcatra eram vendidos a preço elevado, garantindo cotação média de US$ 3.690 a tonelada, 58% superior ao preço médio pago pela Rússia, segundo maior cliente, com US$ 2.335 por tonelada de cortes basicamente do dianteiro do boi, menos valorizados.

A receita vinda da UE, que comprava parte pequena da carcaça bovina, porém, muito valorizada, era essencial na formação de valor de toda a cadeia produtiva. O volume de 23% embarcado em 2006 para a UE é de grande significado, mas, quando se sabe que essa quantidade era obtida de parte pequena da carcaça, a importância daquele mercado precisa ser destacada.

A perda do mercado europeu não teve efeito imediato no produtor, pois ocorreu em momento de pouca oferta de animais, resultado de anos de preços baixos para o pecuarista. A pecuária de corte é uma atividade de ciclo longo e os ajustes na produção demoram para repercutir nos mercados.

Os cortes valorizados, que não foram exportados, encontraram, em 2008, o consumidor interno com boa renda e ávido para aproveitar ofertas no varejo. O pecuarista viu os preços se sustentarem. A queda na receita total certamente afetou o resultado dos frigoríficos.

O incidente, em 2007, encontrou a indústria frigorífica em euforia. Anos de crescimento nas exportações tinham ocorrido, pois saímos de exportações de US$ 776 milhões, em 2002, para US$ 4 bilhões, em 2008. O período de crescimento das exportações encontrou grande oferta de bovinos, resultado de significativos aumentos de produtividade zootécnica em anos passados. O aumento da oferta reduziu os preços recebidos pelos pecuaristas.

Paralelamente, vivíamos o boom global, em que a excessiva liquidez de mercados financeiros internacionais priorizava ações de captação de recursos e abertura de capital. A prioridade da indústria frigorífica era crescer e se consolidar. A preocupação com os mercados, interno e externo, e com a estabilidade de suprimentos de bovinos inexistia.

O Ministério da Agricultura reagiu lentamente ao descredenciamento europeu, que levou à perda de mercado e de credibilidade. O sistema de rastreabilidade foi sendo reconstruído, atendendo exigências agora ainda maiores da UE. A auditoria, ocorrida no fim de 2008, teria encontrado poucos problemas.

As exportações para a UE continuam, mas em volumes menores por falta de animais que atendam às exigências da rastreabilidade. Exportamos hoje o mesmo que há 10 anos. O sistema de rastreabilidade atual parece ter conquistado certa credibilidade externa. Porém, o rebanho credenciado a ter sua carne exportada é ainda muito pequeno, por causa da dificuldade de inserção de bovinos no sistema. Os procedimentos introduzidos pelo Ministério da Agricultura criaram uma brutal lentidão burocrática que dissemina somente descrença e desânimo entre os pecuaristas.

A crise global chegou com os efeitos de redução de liquidez financeira e ajustes nos mercados consumidores. Certamente é preciso reforçar linhas de crédito e maior apoio do governo.

Não podemos, porém, continuar ignorando que a perda do nosso maior cliente, a União Europeia, tem efeitos igualmente importantes e que o sistema de rastreabilidade individual de bovinos pode, hoje, não ser a vergonha que era em 2007, porém, não tem a eficiência que atenda às necessidades do mercado, situação inaceitável neste momento de crise.

*Pedro de Camargo Neto, presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), foi secretário de Produção e Comercialização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de 2001 a 2002

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[25/05/2018] - Todos os frigoríficos do MT devem fechar
[25/05/2018] - Estradas continuam bloqueadas, mesmo após acordo
[25/05/2018] - MS ainda tem 37 pontos de bloqueio nas estradas
[25/05/2018] - CNA pede solução para bloqueios das estradas
[25/05/2018] - Arroba: ninguém sabe quanto vale o boi
[25/05/2018] - Carne subiu. Efeito da greve?
[25/05/2018] - Minerva volta a exportar ao Irã

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/05/2018] - Mais um frigorífico é inaugurado
[25/05/2018] - É oficial: Brasil está livre da aftosa
[25/05/2018] - Farelo de algodão está mais caro
[25/05/2018] - Leite: produtores de SC recebem menos
[25/05/2018] - PIB do Agro prevê alta da carne bovina
[25/05/2018] - Escândalo da carne no Paraguai ainda não acabou
[24/05/2018] - Greve dos caminhoneiros paralisa mercado do boi
[24/05/2018] - Caminhoneiros impõem condição para fim da greve
[24/05/2018] - Arroba: greve interrompe negociações do boi
[24/05/2018] - Paralisação de frigoríficos pode chegar a 90%
[24/05/2018] - CEPEA: pressão sobre o boi ainda não acabou
[24/05/2018] - Produtores jogam fora milhões de litros de leite
[24/05/2018] - Lácteos em alta no exterior
[24/05/2018] - Preço do milho disparou
[24/05/2018] - STF: cobrança retroativa do Funrural é legal
[24/05/2018] - Produtor rural pode pedir recuperação judicial
[23/05/2018] - Frigoríficos começam a parar por greve
[23/05/2018] - Arroba: mercado do boi começou a virar
[23/05/2018] - Atacado da carne já sobe há 9 semanas
[23/05/2018] - Carne: vendas dão sinal de alta
[23/05/2018] - Greve já é usada para puxar preço do milho
[23/05/2018] - Venda de unidade do Marfrig na reta final
[22/05/2018] - Arroba já começou a subir
[22/05/2018] - Rússia sinaliza que fim de embargo está próximo
[22/05/2018] - Como estão as exportações em maio?
[22/05/2018] - Confinamento deve aumentar no Mato Grosso
[22/05/2018] - Reposição: quem dá mais?
[22/05/2018] - Leite: longa vida sobe em SP
[22/05/2018] - Dono do Marfrig pagará R$ 100 mi por propina
[22/05/2018] - Produtores rurais aderem à greve dos caminhoneiros
[22/05/2018] - Produtores podem ter prejuízos com greve
[22/05/2018] - Frio será mais intenso em 2018
[21/05/2018] - Analista prevê arroba a até R$ 150
[21/05/2018] - Arroba: pressão de baixa perde força. E agora?
[21/05/2018] - De olho na reposição
[21/05/2018] - Pecuaristas ensinam a lucrar com o confinamento
[21/05/2018] - Ladrões inventam uma nova forma de furtar gado
[21/05/2018] - Caminhoneiros fazem greve contra aumento do diesel
[21/05/2018] - Brasil, enfim, será declarado livre de aftosa
[21/05/2018] - Carne brasileira causa problemas para o Paraguai
[21/05/2018] - Acordo EUA-China deve ser ruim para o Brasil
[21/05/2018] - Milho continua a subir
[21/05/2018] - Venda de adubos deve bater recorde
[18/05/2018] - Uma notícia que pode mexer com a arroba do boi
[18/05/2018] - Exportações de carne à China podem ter forte alta
[18/05/2018] - Embargo de Trump pode complicar vendas ao Irã
[18/05/2018] - Arroba: hora da virada chegou?
[18/05/2018] - Farelo de soja pesa no bolso do pecuarista
[18/05/2018] - Projeto prevê carro mais barato a produtor rural
[18/05/2018] - Polícia investiga venda de gado furtado a frigoríf

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br