Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
152,00 138,00 145,00
GO MT RJ
140,00 138,00 142,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1380,00
Garrote 18m 1650,00
Boi Magro 30m 2060,00
Bezerra 12m 1050,00
Novilha 18m 1300,00
Vaca Boiadeira 1480,00

Atualizado em: 21/2/2019 10:16

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Rebanho desgarrado

 
 
 
Publicado em 13/04/2006

Xico Graziano (*)

Reforma agrária, todos sabem, serve para transformar trabalhador em produtor rural. O beneficiário, antes um pobre sem-terra, vira um progressista com-terra. Ganha cidadania. Certo?

Mais ou menos. No deformado processo da reforma agrária brasileira, mesmo depois de ocupar seu quinhão o caboclo continua tratado como sem-terra. Seu status não muda. Continua vivendo mal.

Onde reside o problema? Na emancipação dos projetos de assentamento rural. Ou melhor, em sua inexistência. Existem hoje, no mínimo, 500 mil famílias assentadas produzindo com precário vínculo à terra que receberam. No máximo, ostentam uma licença de ocupação, fornecida pelo Incra.

A situação é gravíssima e vem de longe. Desde a redemocratização, em 1985, com o governo Sarney, assentamentos rurais são instalados sem planejamento. Antes disso, na época militar, projetos considerados de colonização se espalharam, distribuindo terra sem nunca titular ninguém. Fora as exceções, cerca de 5% dos casos.

Resultado: forma-se no país uma espécie de quase-funcionários públicos, milhões de pessoas que, assentadas alhures, depende da benesse pública para viver. Nos projetos de reforma agrária, tudo cabe ao Incra executar: a ponte que roda na chuvarada, a escola das crianças, a água encanada. Fora as questões, essenciais, da produção rural. Resultado: o cordão umbilical dos sem-terra, ao governo, mantém-se indefinidamente.

Projeto de lei apresentado recentemente na Câmara dos Deputados (PL 6820/06) procura dar um freio de arrumação nesse arrastado processo da reforma agrária. Estabelece um prazo de 5 anos para que o governo, ao iniciar o assentamento rural, realize os investimentos necessários para sua consolidação. Na seqüência, obriga-se a emitir o título de posse dos novos agricultores.

A proposta é simples. Segue a linha da responsabilidade fiscal e social da gestão pública. Obras inacabadas consomem o Tesouro e facilitam o desvio do dinheiro público. Exigindo prazo, fixa metas para o planejamento. Quer fazer reforma agrária, faça, mas termine o investimento. Senão, vira uma rosca sem-fim.

Dificilmente a idéia vai prosperar rápida no Congresso. O próprio governo se oporá à limitação estabelecida. Sabem por quê? Porque o MST é radicalmente contrário à medida, opondo-se à titulação dos beneficiários da reforma agrária. É incrível.

Mas verdade. O MST prefere que o pobre-coitado continue um sem-terra. Comendo na sua mão. Quer dividir a terra, mas manter seu mando autoritário sobre os novos produtores rurais. Uma razão meio messiânica, ou fascista.

Malgrado as verbas que manipulam em convênios com o Incra e, por tabela, o acesso privilegiado aos financiamentos via Banco do Brasil, que irrigam o MST, a boiada vai se desgarrando. Os novos agricultores querem progredir, e exigem liberdade. O tema é recorrente. Velhos comunistas alertavam, lá atrás, que a reforma agrária, ao transformar o camponês em proprietário, incutia nele a mentalidade capitalista. Trata-se de uma verdade histórica.

Atento, o MST vai, aos poucos, alterando sua estratégia de atuação. Recentemente, organizou o MPA-Movimento dos Pequenos Agricultores que, segundo seu boletim divulgativo, luta em defesa de 8 (sic) milhões de famílias camponesas “massacradas pelas multinacionais e pelo agronegócio”. Busca assim, manter seu controle sobre os assentamentos rurais, mesmo trombando na política com a Contag, a poderosa central sindical no campo, que sempre representou os camponeses.

Já faz tempo que nas passeatas, marchas e demais manifestações do MST, o grosso da fileira se compõe de produtores assentados. O Zé Rainha é o maior exemplo. Desde 1995 ele detém um lote no Pontal do Paranapanema, em São Paulo. Embora beneficiado pela reforma agrária, portanto um com-terra, continua líder dos sem-terra. Só no Brasil mesmo!

A nova face do MST, arvorando-se representante dos pequenos agricultores, desgraçadamente carrega uma forte visão paternalista e perdulária. Basta acessar o site do MST e conhecer a pauta de reivindicações do MPA. É coisa simplesmente escandalosa.

Propõe o enquadramento das famílias camponesas como “segurados especiais” da Previdência; defende a aposentadoria das mulheres aos 55 anos, com 1 salário-mínimo e, aos 70 anos, com 2,5 salários. Exige que o governo controle os preços agrícolas, tabele os insumos, compre a produção e controle o comércio através de “uma grande empresa pública de exportações agrícolas”, proibindo as multinacionais de atuarem no mercado. Dá para entender?

É pouco. Querem também um crédito de R$ 100 mil por família, para “investimentos globais” na propriedade rural, com 4 anos de carência e 20 anos para pagar, juros fixos de 2% ao ano e, para quem fizer tudo direitinho, rebate de 50% nas parcelas a vencer. A previsão orçamentária, para 5 anos, somaria R$ 800 bilhões. Fácil.

É desanimador: o MST, ao querer agora dominar os com-terra, apresenta uma agenda velha, semelhante a pior demanda dos aproveitadores de sempre que, no campo ou na cidade, só pensam em mamar nas tetas do Estado. Pela direita ou na esquerda, agride a modernidade.

Pior, trata-se de uma agenda velhaca, construída para vender ilusões. Uma cantilena, rezada sobre a pobreza no campo, que promete o paraíso, ainda na terra. Esse populismo de esquerda, cultivado pelo MST, objetiva criar submissão, a mais desgraçada das misérias humanas. É lamentável.

(*) XICO GRAZIANO é diretor da AgroBrasil (artigo publicado terça-feira, 11 de abril, em coluna nos jornais O Estado de S. Paulo, O Globo e O Tempo, de MG) 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[21/02/2019] - Chuvas fortes dificultam entrega de boi no MT
[21/02/2019] - Frigoríficos não acham boi para comprar
[21/02/2019] - Carne: preços continuam caindo
[21/02/2019] - Tereza diz que previdência agrada ao setor
[21/02/2019] - MAPA pede solução para conflitos com índios
[20/02/2019] - Em Dubai, embaixada brasileira não é problema
[20/02/2019] - Arroba caiu em São Paulo

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[20/02/2019] - E os preços da reposição, para onde vão?
[20/02/2019] - Leite: Brasil notifica OMC para aumentar imposto
[20/02/2019] - Leite: greve travou crescimento em 2018
[20/02/2019] - Rússia inspeciona frigoríficos bolivianos
[20/02/2019] - O que muda na aposentadoria rural?
[20/02/2019] - Bancada ruralista promete apoio às reformas
[20/02/2019] - Bolsonaro a ruralistas: Brasil precisa da reforma
[19/02/2019] - Procuradoria deve cobrar R$ 2 bilhões da JBS
[19/02/2019] - Exportações de carne podem ter alta de quase 40%
[19/02/2019] - Frigoríficos tentam continuar a vender ao Irã
[19/02/2019] - Exportações de carne do MS batem recorde
[19/02/2019] - Arroba: pressão mesmo com oferta curta
[19/02/2019] - Leite longa vida sobe com menor produção
[19/02/2019] - Minerva tenta atrair interesse por ações
[18/02/2019] - Estados aumentam impostos sobre o Agro
[18/02/2019] - Arroba: frigoríficos seguem tentando pagar menos
[18/02/2019] - Milho: procura está em alta
[18/02/2019] - Leite: governo tentará retaliar a UE
[18/02/2019] - Enchente mata meio milhão de bois
[15/02/2019] - Frigoríficos aumentam a pressão sobre o boi
[15/02/2019] - Carne: será que as vendas melhoram no Carnaval?
[15/02/2019] - Leite: governo ainda não aumentou tarifa da UE
[15/02/2019] - Leite: CEPEA mudará cálculo do preço ao produtor
[15/02/2019] - China fecha acordo para importar frango do Brasil
[15/02/2019] - Acordo com China puxa ações de frigoríficos
[15/02/2019] - JBS substitui Marfrig e assina parceria com ACNB
[15/02/2019] - Empresa da JBS tem prejuízo nos EUA
[15/02/2019] - Marfrig já está exportando ao Japão
[14/02/2019] - Carne: margem de lucro do varejo aumentou
[14/02/2019] - Arroba: o mercado está devagar?
[14/02/2019] - CEPEA: produtividade aumentou nos últimos anos
[14/02/2019] - Justiça pede explicações sobre fim da tarifa
[14/02/2019] - Produtores de leite protestam por falta de energia
[14/02/2019] - Indígenas plantam 18 mil hectares de grãos
[14/02/2019] - Tereza defende o direito de índios de produzir
[14/02/2019] - Funrural: produtor tem dúvidas sobre o pagamento
[14/02/2019] - Governo incentiva financiamento rural
[14/02/2019] - Frio extremo mata gado leiteiro nos EUA
[13/02/2019] - Leite: como o governo aumentará a tarifa da UE?
[13/02/2019] - Reforma aumenta contribuição rural ao INSS
[13/02/2019] - Conta de luz rural pode aumentar
[13/02/2019] - Arroba: oferta curta está puxando preço do boi
[13/02/2019] - Exportações de couro em alta
[13/02/2019] - Oferta de gado pode diminuir
[13/02/2019] - MT: utilização de capacidade dos frigos é recorde
[13/02/2019] - Falta reposição no Pará
[13/02/2019] - Exportações do agro batem US$ 102 bi em 1 ano
[13/02/2019] - Minerva quer incentivo fiscal para reabrir unidade
[12/02/2019] - Exportações: fevereiro já começou com recordes?
[12/02/2019] - Exportações à Rússia em 2019 já batem 2018

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br