Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
146,00 130,00 138,00
GO MT RJ
134,00 132,00 134,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1280,00
Garrote 18m 1530,00
Boi Magro 30m 1920,00
Bezerra 12m 980,00
Novilha 18m 1170,00
Vaca Boiadeira 1350,00

Atualizado em: 23/2/2018 11:29

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Minc: Um estorvo para o meio ambiente

 
 
 
Publicado em 04/06/2009

Editorial do jornal O Estado de S. Paulo

A defesa da causa ambiental no governo Lula, já não bastasse ser uma empreitada complicada em razão da identificação do presidente com o desenvolvimentismo a qualquer custo que prevalecia à época em que ele descobriu o mundo, dificilmente poderia estar em mãos menos adequadas. Ao degradar em espalhafato a já reprovável extravagância com que se notabilizou desde os primeiros rumores de sua nomeação para o Ministério do Meio Ambiente, no lugar da demissionária Marina Silva, em maio do ano passado, o ministro Carlos Minc se transformou, para todos os efeitos práticos, em um estorvo para a proteção do patrimônio natural do País contra as pressões dos interesses que formam a chamada coalizão da motosserra.

O trato de questões que se entrelaçam numa das mais decisivas agendas nacionais - como a regularização fundiária na Amazônia, a repressão ao desmate, o zoneamento da cana-de-açúcar, o licenciamento para a modernização da malha rodoviária e a reforma do Código Florestal Brasileiro - está sendo desvirtuado pelo comportamento de um ministro egocêntrico e desprovido de senso de medida. Aparentemente determinado a chutar, como se diz, o pau da barraca - por não suportar as servidões do seu cargo e preparando a sua volta para a Assembleia Legislativa fluminense com a auréola de vítima -, Minc se revela uma dádiva para todos quantos queiram desmoralizar, pelo ridículo, as preocupações dos ecologistas.

A carnavalização dos problemas, que ele já deixou claro não ter aptidão para enfrentar, é tanto mais deplorável por se fazer acompanhar de uma carga de agressividade verbal que inevitavelmente provoca do lado dos agredidos a clássica reação igual em sentido inverso. O ponto mais baixo a que o ministro desceu - até agora - foi a sua diatribe, na semana passada, contra o agronegócio. Encarapitado em um carro de som, numa passeata da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura em Brasília, ele acusou os grandes produtores rurais, em tom apoplético, de serem "vigaristas". O troco veio do deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), estridente porta-voz da bancada ruralista, que o chamou de "desqualificado moral".

Na terça-feira, a senadora Kátia Abreu (DEM-TO), dirigente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), denunciou Minc ao Ministério Público Federal por crime de responsabilidade e à Comissão de Ética Pública do governo por quebra de decoro. Pediu ainda a demissão de Minc, a quem se referiu como "alienado, incompetente e ecoxiita". Também anteontem, na Guatemala, onde se encontrava, o presidente o convocou para uma reunião, hoje. Menos pelo bate-boca com os ruralistas do que por outras caneladas do ministro, dessa vez contra os titulares dos Transportes, Alfredo Nascimento, e de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, criticados publicamente por ele no final da semana. A lista dos colegas que o enfurecem inclui ainda os ministros da Agricultura, de Minas e Energia e a chefe da Casa Civil.

Mas, em matéria de barateamento de coisas sérias - no caso, a conduta de autoridades de primeiro escalão do governo da República -, Lula não deixa Minc sozinho em cena. "Tenho muitos filhos, e toda vez que o pai sai de casa a meninada faz algazarra mais do que deveria", permitiu-se comparar. E, mantendo o nível, emendou: "Imagina, no campo de futebol, se os jogadores começam a se xingar alto pra torcida ouvir, pra imprensa descobrir, acaba o jogo." Minc, de todo modo, se vangloria de que, a depender de Lula, o seu espetáculo vai prosseguir. "Ele já resolveu", bravateou. "Fico até o fim do governo." É impossível subestimar os efeitos desse circo para a condução equilibrada das tensões entre a expansão das atividades econômicas e os imperativos ambientais.

Estão na ordem do dia conceitos - e interesses. Numa frente crucial para o País, a do comércio exterior, a carta verde tem sido cada vez mais jogada para restringir a competição. Dias atrás, por exemplo, o ex-presidente Bill Clinton, numa palestra em São Paulo, a convite, aliás, do setor sucroalcooleiro, desafiou o Brasil a provar que não desmata a Amazônia se quiser conquistar mercado para o biocombustível nacional. O ministro Carlos Minc está claramente aquém do problema.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[23/02/2018] - Banco está otimista com mercado de carne bovina
[23/02/2018] - Reabertura de exportações à Rússia pode demorar
[23/02/2018] - Falta de fiscais já prejudica as exportações
[23/02/2018] - Arroba: preço do boi pode voltar a cair
[23/02/2018] - Preço da carne caiu um pouco no varejo
[23/02/2018] - Farelo de soja subiu mais de 9% desde janeiro
[23/02/2018] - Ministro italiano: é hora de acordo com Mercosul

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[22/02/2018] - Wesley Batista não poderá voltar à JBS
[22/02/2018] - Exportações devem fechar fevereiro com alta de 31%
[22/02/2018] - Arroba: boi tem pequena alta
[22/02/2018] - Arroba: frigoríficos têm dificuldade para comprar
[22/02/2018] - Pecuaristas franceses contra acordo com o Mercosul
[22/02/2018] - Frigorífico da JBS continua fechado no MS
[22/02/2018] - Governo mantém sobretaxa sobre leite importado
[22/02/2018] - Justiça adia julgamento do caso Itambé-Vigor
[21/02/2018] - JBS: STJ decide soltar os irmãos Batista
[21/02/2018] - Incêndio atinge unidade da JBS
[21/02/2018] - Enchente paralisa abates em frigorífico
[21/02/2018] - Arroba: frigoríficos controlam as compras
[21/02/2018] - Qual a expectativa para o mercado de reposição?
[21/02/2018] - Brasil, enfim, livre oficialmente da aftosa
[21/02/2018] - Preço do leite começa a se recuperar no RS
[21/02/2018] - Brasil e Canadá negociarão acordo comercial
[21/02/2018] - STF retoma hoje julgamento do Código Florestal
[20/02/2018] - Arroba: impasse no mercado do boi
[20/02/2018] - Arroba: pecuarista tende a segurar o boi
[20/02/2018] - Carne: momento chave para o boi gordo
[20/02/2018] - Pecuária do MT deve crescer quase 4% em 2018
[20/02/2018] - Governo deve prorrogar adesão ao Refis do Funrural
[20/02/2018] - Acordo com UE pode gerar corrida de concorrentes
[20/02/2018] - Hospital pede doações do agro para sobreviver
[19/02/2018] - Arroba: escalas estão menores
[19/02/2018] - Margem do varejo subiu em 2018
[19/02/2018] - Pecuarista não tem culpa do preço da carne
[19/02/2018] - Reposição parada no Rio de Janeiro
[19/02/2018] - Deputado quer proibir exportação de gado em SP
[19/02/2018] - Laticínio fecha e deixa produtores na mão
[19/02/2018] - O mercado do leite vai melhorar?
[19/02/2018] - MG registra os maiores prejuízos com leite
[19/02/2018] - MAPA prevê PIB menor para o agro, boi deve crescer
[19/02/2018] - Milho: mercado lento com recesso de Carnaval
[19/02/2018] - Pecuarista vai pagar dívida de frigos com Funrural
[19/02/2018] - Depois de suspeitas, JBS fecha mesa de câmbio
[16/02/2018] - Arroba: preços firmes com alta da carne
[16/02/2018] - Preço do bezerro se recupera
[16/02/2018] - Malásia confirma missão de inspeção ao Brasil
[16/02/2018] - Produtores temem apagão do milho em 2018
[16/02/2018] - CVM abre novo inquérito sobre a JBS
[16/02/2018] - Funrural: deputado quer que Temer prorrogue prazo
[16/02/2018] - Crédito rural começa 2018 com força
[15/02/2018] - Arroba: é hora de vender?
[15/02/2018] - Tombo da arroba interrompe reposição no Maranhão
[15/02/2018] - Disputa pelo controle da Itambé continua
[15/02/2018] - Empresa da JBS nos EUA tem alta de 90% no lucro
[15/02/2018] - Briga entre China e EUA pode beneficiar o Brasil?
[14/02/2018] - Arroba: o que esperar desta semana?
[14/02/2018] - Preço da carne despenca no atacado

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br