Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
 
 
 
 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Leite: Projeto de megacooperativa está ameaçado
 
 
Publicado em 25/11/2010

O projeto de criação da maior cooperativa de lácteos do país e da América Latina está na corda bamba. Depois da saída da mineira Cemil, em agosto, a Minas Leite e a goiana Centroleite acabam de se retirar do projeto, que é encabeçado pela também mineira Itambé. Com a saída das três centrais, restaram apenas a Itambé e a Confepar, do Paraná, nas negociações.

Pelo projeto inicial, lançado há mais de um ano, a fusão das cinco cooperativas criaria uma empresa com receita anual de R$ 4 bilhões e captação de 7 milhões de litros de leite por dia.

A Itambé já iniciou conversações com outra cooperativa de leite para uma eventual união das operações, mas analistas avaliam que concretizar uma fusão ficou mais difícil, já que as negociações voltaram à estaca zero.

O presidente da Centroleite, Haroldo Max de Sousa, disse que a central decidiu sair das negociações após uma mudança no projeto original. De acordo com Sousa, o modelo inicial previa a criação de uma grande central focada na organização da produção, captação e comercialização do leite in natura, a Nova Central de Lácteos, e de uma S/A focada na industrialização e na comercialização do produtos. Na central, o comando seria proporcional ao volume de leite produzido e na S/A, proporcional ao capital de cada cooperativa. A Nova Central teria parte da S/A.

Após a saída da Cemil e da Minas Leite, a Itambé propôs uma mudança no modelo, segundo Sousa. Nessa nova proposta, as cooperativas seriam controladoras de uma holding que será acionista da S/A. "Descaracterizou o projeto", afirmou o presidente da Centroleite. Em sua visão, a substituição da cooperativa central por uma holding "descaracterizou as premissas de manter o controle da produção e dos preços da matéria-prima pelos produtores associados às cooperativas".

O presidente da Itambé, Jacques Gontijo, disse que "não houve mudança" e que "o produtor não perde força". Ele explicou que, após aconselhamento de assessores jurídicos, decidiu-se pela criação de uma holding, pois este seria um modelo mais transparente para atrair um investidor externo para o projeto.

"Estamos procurando um investidor para esta empresa, e um interlocutor único [a holding] facilita o processo". O plano de fusão das cooperativas contempla também a abertura de capital da nova empresa na bolsa no futuro. Ele disse ainda que o modelo anterior, em que as cooperativas eram acionistas da S.A, poderia dificultar decisões futuras da empresa.

Apesar da saída das três cooperativas do projeto, Gontijo afirma que a fusão ocorrerá. Segundo ele, a aglutinação com a Confepar será concretizada em breve. "Deixaremos a porta aberta para outras cooperativas interessadas em entrar no futuro".

Ainda que a mudança de modelo tenha pesado para a saída da Centroleite e da Minas Leite, o valor de cada cooperativa associada no novo negócio também explica as defecções. Como é bem maior que as outras cooperativas e tem mais ativos, a Itambé teria um peso bem maior na nova companhia, conforme avaliação realizada pela PricewaterhouseCoopers, contratada em 2009 para avaliar os ativos de cada central de laticínios e estabelecer o peso de cada um dos sócios no negócio. Foi essa a razão para a saída da Cemil.

O presidente da Centroleite, Haroldo Max de Sousa, admitiu que a participação "muito inferior para as cooperativas detentoras somente da produção" no valor avaliado pela Price também levou à retirada do projeto. Disse, porém, que desde o início estava claro que a Itambé teria mais peso. Na última avaliação da Price considerando a fusão das três cooperativas, a Itambé teria fatia de 87% da empresa, a Centroleite, 3%, e a Confepar, o restante, segundo Sousa. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir


   Leia também:
 
[23/07/2014] - Confinamento começa a afetar preço da arroba
[23/07/2014] - Após bater recorde, preço do bezerro cai
[23/07/2014] - Imea: economia pode prejudicar demanda por carne
[23/07/2014] - Pecuarista já se prepara para a estação de monta
[23/07/2014] - Polpa cítrica em falta
[23/07/2014] - Foco de estomatite já traz prejuízos no MT

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[22/07/2014] - Acordo com EUA poderá prejudicar carne do Brasil
[22/07/2014] - Pressão e lentidão no mercado do boi
[22/07/2014] - Indea confirma estomatite e descarta aftosa no MT
[22/07/2014] - O boi em xeque
[22/07/2014] - Governo destina R$ 25 mi à qualidade do leite
[22/07/2014] - Escândalo da carne se espalha na China
[21/07/2014] - Exportações aos países árabes crescem 18,4%
[21/07/2014] - Situação econômica já afeta vendas de carne
[21/07/2014] - Oferta de boi encurta, escalas ainda confortáveis
[21/07/2014] - Reposição: fêmeas têm queda de preço
[21/07/2014] - No Triângulo Mineiro, o problema é a seca
[21/07/2014] - Cheias destroem pastos e lavouras no RS
[21/07/2014] - Superavit do agro continua em alta: US$ 8,4 bi
[21/07/2014] - Venda de adubo bate recorde
[21/07/2014] - CAR avança, mas ainda tem problemas
[21/07/2014] - Fazendas sofrem com falta de mão-de-obra
[18/07/2014] - China derruba embargo à carne brasileira
[18/07/2014] - Brasil espera vender R$ 1 bi de carne à China
[18/07/2014] - ABIEC: abertura chinesa é estratégica
[18/07/2014] - Economia afeta consumo e segura a arroba
[18/07/2014] - Milho abaixo de R$ 10 a saca
[17/07/2014] - Pressão de baixa sobre a arroba não é generalizada
[17/07/2014] - CEPEA: arroba cai, custos em alta
[17/07/2014] - Embargos derrubam exportações do Mato Grosso
[17/07/2014] - Reposição está até 26% mais cara no MT
[17/07/2014] - Alta das carnes ajuda a reduzir deflação
[17/07/2014] - Produtores denunciam abates clandestinos de índios
[17/07/2014] - Lácteos Brasil pode se tornar venezuelana?
[16/07/2014] - Mercado do boi continua devagar
[16/07/2014] - Reposição: só bezerro caiu no MS
[16/07/2014] - Laboratório tenta relançar promotor polêmico
[16/07/2014] - BNDES: quebra do Independência foi surpresa
[16/07/2014] - LBR pode arrecadar R$ 740 mi com ativos
[15/07/2014] - Exportações de carne: alta forte e novos recordes
[15/07/2014] - Frigoríficos mantém pressão de baixa
[15/07/2014] - Vendas de carne melhoram
[15/07/2014] - China dificulta compras de produtos elaborados
[15/07/2014] - Lei contra a tuberculose já vale no Mato Grosso
[15/07/2014] - Como usar a ureia no período da seca?
[15/07/2014] - JBS avança no setor de aves com nova compra
[15/07/2014] - O tombo no preço do milho
[15/07/2014] - Deputado quer proibir transgênicos por lei
[14/07/2014] - JBS demite e funcionários temem fechamento em SP
[14/07/2014] - Arroba: escalas mais longas e pressão de baixa
[14/07/2014] - Preço da carne bovina faz surgir rodízio suíno
[14/07/2014] - Lácteos: exportações aumentaram
[14/07/2014] - Valor da produção cresce menos que previsão
[11/07/2014] - Avermectinas: guerra entre frigorífico e produtor
[11/07/2014] - Oferta de confinado melhora e pressiona a arroba
[11/07/2014] - Venda de carne está lenta e pressiona frigoríficos

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br