Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
 
 
 
 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Leite: Projeto de megacooperativa está ameaçado
 
 
Publicado em 25/11/2010

O projeto de criação da maior cooperativa de lácteos do país e da América Latina está na corda bamba. Depois da saída da mineira Cemil, em agosto, a Minas Leite e a goiana Centroleite acabam de se retirar do projeto, que é encabeçado pela também mineira Itambé. Com a saída das três centrais, restaram apenas a Itambé e a Confepar, do Paraná, nas negociações.

Pelo projeto inicial, lançado há mais de um ano, a fusão das cinco cooperativas criaria uma empresa com receita anual de R$ 4 bilhões e captação de 7 milhões de litros de leite por dia.

A Itambé já iniciou conversações com outra cooperativa de leite para uma eventual união das operações, mas analistas avaliam que concretizar uma fusão ficou mais difícil, já que as negociações voltaram à estaca zero.

O presidente da Centroleite, Haroldo Max de Sousa, disse que a central decidiu sair das negociações após uma mudança no projeto original. De acordo com Sousa, o modelo inicial previa a criação de uma grande central focada na organização da produção, captação e comercialização do leite in natura, a Nova Central de Lácteos, e de uma S/A focada na industrialização e na comercialização do produtos. Na central, o comando seria proporcional ao volume de leite produzido e na S/A, proporcional ao capital de cada cooperativa. A Nova Central teria parte da S/A.

Após a saída da Cemil e da Minas Leite, a Itambé propôs uma mudança no modelo, segundo Sousa. Nessa nova proposta, as cooperativas seriam controladoras de uma holding que será acionista da S/A. "Descaracterizou o projeto", afirmou o presidente da Centroleite. Em sua visão, a substituição da cooperativa central por uma holding "descaracterizou as premissas de manter o controle da produção e dos preços da matéria-prima pelos produtores associados às cooperativas".

O presidente da Itambé, Jacques Gontijo, disse que "não houve mudança" e que "o produtor não perde força". Ele explicou que, após aconselhamento de assessores jurídicos, decidiu-se pela criação de uma holding, pois este seria um modelo mais transparente para atrair um investidor externo para o projeto.

"Estamos procurando um investidor para esta empresa, e um interlocutor único [a holding] facilita o processo". O plano de fusão das cooperativas contempla também a abertura de capital da nova empresa na bolsa no futuro. Ele disse ainda que o modelo anterior, em que as cooperativas eram acionistas da S.A, poderia dificultar decisões futuras da empresa.

Apesar da saída das três cooperativas do projeto, Gontijo afirma que a fusão ocorrerá. Segundo ele, a aglutinação com a Confepar será concretizada em breve. "Deixaremos a porta aberta para outras cooperativas interessadas em entrar no futuro".

Ainda que a mudança de modelo tenha pesado para a saída da Centroleite e da Minas Leite, o valor de cada cooperativa associada no novo negócio também explica as defecções. Como é bem maior que as outras cooperativas e tem mais ativos, a Itambé teria um peso bem maior na nova companhia, conforme avaliação realizada pela PricewaterhouseCoopers, contratada em 2009 para avaliar os ativos de cada central de laticínios e estabelecer o peso de cada um dos sócios no negócio. Foi essa a razão para a saída da Cemil.

O presidente da Centroleite, Haroldo Max de Sousa, admitiu que a participação "muito inferior para as cooperativas detentoras somente da produção" no valor avaliado pela Price também levou à retirada do projeto. Disse, porém, que desde o início estava claro que a Itambé teria mais peso. Na última avaliação da Price considerando a fusão das três cooperativas, a Itambé teria fatia de 87% da empresa, a Centroleite, 3%, e a Confepar, o restante, segundo Sousa. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir


   Leia também:
 
[21/08/2014] - Marfrig bate recorde em abates e exportações
[21/08/2014] - Nem pagando mais frigorífico acha boi para comprar
[21/08/2014] - CEPEA: boi e carne em alta
[21/08/2014] - Reposição firme no Tocantins
[21/08/2014] - Capacidade de abate do Minerva sobe 20%
[21/08/2014] - Mosca-do-estábulo assusta produtores do MS
[21/08/2014] - Doença já matou 500 bois em Minas Gerais
[21/08/2014] - Subida de Marina é pesadelo para o agro
[21/08/2014] - Políticos do agro ameaçam abandonar Marina
[21/08/2014] - Marina Silva promete diálogo com agro

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[20/08/2014] - Cade aprova arrendamento do Rodopa pelo JBS
[20/08/2014] - Rodopa terá que vender marca
[20/08/2014] - Slogan do Friboi preocupa membro do Cade
[20/08/2014] - Cade impõe restrições a negócio BRF e Minerva
[20/08/2014] - Vendas fracas de carne travam alta da arroba
[20/08/2014] - Brasil vai ao Egito tentar derrubar embargo
[20/08/2014] - China quer protocolo sanitário para importar
[20/08/2014] - Marfrig suspende abates em uma unidade
[20/08/2014] - SC indenizará por abate sanitário
[19/08/2014] - Pecuária cresce 4,23% e puxa PIB do Agro
[19/08/2014] - Oferta curta puxa novas altas da arroba
[19/08/2014] - Estoques menores podem puxar alta do leite
[19/08/2014] - Rússia vai priorizar a produção interna
[19/08/2014] - Índios cobram pedágio de R$ 100 em Rondônia
[19/08/2014] - Índios invadem fazenda no Paraná
[18/08/2014] - Ministro pede cautela com exportações à Rússia
[18/08/2014] - Arroba do boi: pressão de alta continua
[18/08/2014] - Confinamento: boitéis de Goiás estão lotados
[18/08/2014] - JBS projeta ganhos de R$ 1,5 bi com Seara
[18/08/2014] - JBS vai manter política de proteção cambial
[18/08/2014] - ITR 2014: programa já está disponível
[15/08/2014] - Escassez puxa novas altas para o boi gordo
[15/08/2014] - Forte alta do bezerro prejudica a recria
[15/08/2014] - Lucro do JBS cai mesmo com receitas em alta
[15/08/2014] - Dívida líquida do JBS em alta
[15/08/2014] - Brasil vai à OMC contra barreiras da Indonésia
[15/08/2014] - Invasões e inércia do Estado preocupam produtores
[15/08/2014] - Exportações do agro são lideradas por SP, MT e RS
[14/08/2014] - Marina Silva tende a ser candidata à Presidência
[14/08/2014] - Lideranças do agro comentam morte de Campos
[14/08/2014] - Rússia: imenso potencial para o agro brasileiro
[14/08/2014] - Arroba do boi em alta, com escalas curtas
[14/08/2014] - Pressão sobre o Marfrig diminui
[14/08/2014] - Exportações de lácteos: nova alta em julho
[14/08/2014] - LBR: situação indefinida, empresa pode parar
[14/08/2014] - Dilma abre agenda para JBS e grandes doadores
[13/08/2014] - Arroba: frigoríficos já pagam acima da referência
[13/08/2014] - Feira em Moscou ganha importância com liberação
[13/08/2014] - Reposição: oferta curta e boa procura
[13/08/2014] - JBS quer novas aquisições nos EUA
[13/08/2014] - Marfrig reduz prejuízo para R$ 55 mi no trimestre
[13/08/2014] - Leite subiu mais que custo de produção
[13/08/2014] - Roraima obtém status de médio risco para aftosa
[13/08/2014] - Brasil vende menos para UE e EUA
[12/08/2014] - Rússia habilita mais 5 frigoríficos
[12/08/2014] - UE quer que Brasil deixe de exportar à Rússia
[12/08/2014] - Alta nas exportações continua forte em agosto
[12/08/2014] - Bezerro subiu mais que o boi na Bahia
[12/08/2014] - Frigoríficos pagam até R$ 123 pela arroba em SP
[11/08/2014] - Rússia já está comprando mais carne brasileira

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br