Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
247,00 242,00 245,00
GO MT RJ
236,00 236,00 240,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2180,00
Garrote 18m 2430,00
Boi Magro 30m 3010,00
Bezerra 12m 1860,00
Novilha 18m 2330,00
Vaca Boiadeira 2440,00

Atualizado em: 24/9/2020 09:56

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Minerva quer voltar a distribuir lucro

 
 
 
Publicado em 17/01/2020

Na Minerva Foods, maior exportadora de carne bovina da América do Sul, o tempo dos dividendos está mais próximo. Após uma década de crescimento sustentado por dívidas - remunerando os credores, sobretudo internacionais -, a empresa fará uma oferta de ações de R$ 1,4 bilhão. A ideia é que, com os recursos da emissão, o grupo reduza a dívida, o que poderá viabilizar a distribuição de dividendos já em 2020, apurou o Valor. Procurada, a empresa não quis comentar.

Com o patrimônio líquido negativo em R$ 767 milhões - as obrigações superam o valor dos ativos -, a Minerva distribuiu dividendos pela última vez em abril de 2017. Foram R$ 60,1 milhões, referentes ao resultado do ano anterior. De lá para cá, a empresa só teve prejuízos, relacionados ao maior endividamento para adquirir frigoríficos na América do Sul e também pelo impacto da apreciação do dólar sobre o valor em reais da dívida em moeda estrangeira. Entre janeiro e setembro de 2019, a Minerva acumulou prejuízo de R$ 227 milhões.

A expectativa, porém, é que esse cenário se altere com a captação. Do total de R$ 1,4 bilhão da oferta de ações, R$ 1,1 bilhão reforçará o caixa da companhia. O restante ficará com os Vilela de Queiroz, que venderão 15 milhões de ações. A oferta total é de 95 milhões de ações (80 milhões de novos papéis serão emitidos). A previsão é que a operação seja concluída até o começo de fevereiro.

A oferta de ações, comunicada no fim da noite de quarta-feira, enterra de vez o projeto de abrir o capital da subsidiária Athena Foods, que reúne os negócios da Minerva fora do Brasil, na bolsa de Santiago, no Chile. Essa operação, que injetaria mais de R$ 1 bilhão no caixa da empresa, já estava na berlinda.

Em maio do ano passado, o IPO da Athena foi adiado em razão das condições adversas do mercado e, no fim do ano, a crise política no Chile e a eleição de Alberto Fernandez à presidência da Argentina azedaram o humor dos investidores. O país do Mercosul responde por um terço das vendas da Athena. Como um todo, a Minerva fatura R$ 18 bilhões ao ano - desse total, a subsidiária responde por cerca de 40%.

Ao emitir novas ações no Brasil, a Minerva contorna a inviabilidade do IPO no Chile e, de quebra, ampliará a liquidez dos papéis na B3, tendo em vista que a família Vilela de Queiroz, que controla a companhia, venderá parte de suas ações na oferta (ver mais em Ajustes na hoding dos Vilela de Queiroz). Como o interesse dos investidores na Minerva já vinha aumentando - na esteira das mudanças provocadas pela peste suína africana na China -, fontes próximas à empresa creem que o grupo poderá ingressar no Ibovespa em maio, quando a composição do índice será atualizada.

Entre os investidores, a oferta de ações da Minerva foi bem recebida, a despeito da diluição que a operação pode provocar. Na B3, as ações da empresa subiram 4,1% ontem, a R$ 14,99. Nos últimos doze meses, o papel subiu 176%. Nesse período, o valor de mercado da Minerva na bolsa passou de R$ 2 bilhões para R$ 6 bilhões. O volume de negócios com as ações também aumentou, passando de uma média diária de R$ 11 milhões para R$ 29 milhões. Ontem, o volume ficou acima da média, perto de R$ 124 milhões.

Se tudo correr como o planejado, a Minerva reduzirá o índice de endividamento rapidamente. Em setembro, a relação entre a dívida líquida e o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) estava em 3,8 vezes. Somado à geração de caixa, o montante que será levantado com a oferta de ações (R$ 1,1 bilhão) permitirá reduzir o índice a menos de 3 vezes.

Além disso, a companhia tem um aumento de capital da ordem de R$ 800 milhões já contratado, o que levaria o índice de alavancagem para um patamar confortável, perto de 2 vezes, estimou uma fonte. Esse montante adicional, que entrará no caixa da Minerva até 2021, é reflexo do bônus de subscrição dado aos acionistas que participaram da capitalização feita no fim de 2018, quando o endividamento havia disparado e o grupo teve de recorrer ao sócios - notadamente a gestora saudita Salic e os Vilela de Queiroz - para arrumar as contas.

Desde então, a situação operacional melhorou na maior parte dos países onde a Minerva produz carne bovina - o Uruguai é a exceção, devido aos preços elevados do gado. Com o ritmo acelerado das exportações de carne do Brasil e também da Argentina, a Minerva vem gerando caixa, mas o peso das dívidas ainda a impedia de remunerar o acionista, um incômodo prestes a terminar. Com informações do Valor.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[24/09/2020] - JBS: BNDES aumenta pressão contra os Batista
[24/09/2020] - Arroba: frigoríficos sobem a oferta pelo boi
[24/09/2020] - Arroba: vai sobrar boi no final do ano?
[24/09/2020] - Reposição já subiu mais de 80% na Bahia
[24/09/2020] - Leite: alta generalizada nos preços
[24/09/2020] - Milho: alta continua em algumas praças
[24/09/2020] - Filipinas detecta novos focos de peste suína
[24/09/2020] - Polícia apreende gado contrabandeado do Paraguai

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/09/2020] - Reservas de carne da China estão acabando
[23/09/2020] - Arroba: escalas de abate diminuíram. E agora?
[23/09/2020] - Exportações de carne seguem em bom ritmo
[23/09/2020] - JBS vai aumentar monitoramento de pecuaristas
[23/09/2020] - CEO de empresa da JBS é acusado de fraude
[23/09/2020] - JBS faz nova antecipação no banco do grupo
[23/09/2020] - Minerva usará software de ONG em monitoramento
[23/09/2020] - Agência eleva nota de crédito da Marfrig
[22/09/2020] - Está chegando a hora da queda do boi?
[22/09/2020] - Arroba: alta deu uma trégua
[22/09/2020] - Exportações de carnes seguem em crescimento
[22/09/2020] - Falta de boi deixa frigoríficos ociosos em MT
[22/09/2020] - Milho bate recorde de preço em Mato Grosso
[22/09/2020] - Caroço de algodão subiu mais de 35%
[22/09/2020] - Pecuaristas somam prejuízos com fogo no Pantanal
[22/09/2020] - Bolsonaro: Brasil é vítima de campanha difamatória
[22/09/2020] - Governo anuncia pavimentação da BR-319
[21/09/2020] - Agro registra superávit comercial recorde em 2020
[21/09/2020] - Bolsonaro: Agro evitou colapso do Brasil
[21/09/2020] - Arroba do boi chega a R$ 250 no Pará
[21/09/2020] - Arroba do boi sobe no Norte e no Centro-Oeste
[21/09/2020] - Milho: compradores saem do mercado
[21/09/2020] - Governo crê em lobby contra acordo UE-Mercosul
[21/09/2020] - Peste suína: mais seis casos na Alemanha
[21/09/2020] - Sementes não-solicitadas são entregues no RS
[21/09/2020] - OPINIÃO: Desmatamento é conto do vigário
[18/09/2020] - Produção da Pecuária poderá bater os R$ 200 bi
[18/09/2020] - DISPARADA: bezerro já subiu quase 70%
[18/09/2020] - Arroba: mercado firme por falta de boi
[18/09/2020] - Comissão Europeia tenta aprovar acordo UE-Mercosul
[18/09/2020] - Bolsonaro: Brasil preserva e sofre ataques
[18/09/2020] - IGP-M dispara 4,5% na segunda prévia de setembro
[18/09/2020] - Produtor recebe sementes não-solicitadas
[17/09/2020] - Preço do boi tem espaço para subir ainda mais?
[17/09/2020] - Arroba: ágio do boi China está cada vez menor
[17/09/2020] - Cepea: boi segue nas máximas históricas
[17/09/2020] - Minerva pode distribuir dividendo milionário
[17/09/2020] - Tereza: produtor sabe que preservar é importante
[17/09/2020] - Mourão: pressão européia tem fundo comercial
[16/09/2020] - Frigoríficos sofrem pressão nas vendas à China
[16/09/2020] - Arroba: frigoríficos reduzem ágio pelo boi China
[16/09/2020] - Bezerro vai continuar valorizado, prevê analista
[16/09/2020] - Frigoríficos preocupados com ameaça européia
[16/09/2020] - Minerva: banco diz que negócio não é tão bom
[16/09/2020] - Minerva prevê crescimento no exterior após negócio
[16/09/2020] - Empresa da Minerva pode ir à bolsa dos EUA
[16/09/2020] - Exportações de milho seguem firmes
[16/09/2020] - FGV diz que PIB teve forte recuperação em julho
[16/09/2020] - Entidade alerta contra sementes recebidas da China
[15/09/2020] - Minerva recebe oferta para venda parte de empresa

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br