Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
197,00 178,00 188,00
GO MT RJ
183,00 177,00 181,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 1790,00
Garrote 18m 2100,00
Boi Magro 30m 2610,00
Bezerra 12m 1402,00
Novilha 18m 1620,00
Vaca Boiadeira 1890,00

Atualizado em: 5/6/2020 11:40

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Qual a posição dos frigoríficos neste momento?

 
 
 
Publicado em 19/03/2020

Em 2019, a Europa foi o segundo mais importante mercado comprador do agronegócio brasileiro, ficando apenas atrás da China. Do total de US$ 96,9 bilhões, a parte europeia foi de US$ 16,8 bilhões, valor equivalente a 17,5% do comércio. As exportações de carne bovina renderam US$ 588,8 milhões para 105,5 mil toneladas.

A importância do velho continente, mais do que volume e valor, está na importância do mercado como balizador de preço e qualidade do produto enviado. A Europa, de modo geral, importa determinados cortes mais valorizados. A China, por exemplo, importa praticamente o boi inteiro.
Continue a leitura após o anúncio

O surto de coronavírus, agora com epicentro em países europeus, levou os frigoríficos brasileiros a repensar suas estratégias. A consequência foi a paralisação dos abates de parte da indústria frigorífica. A DBO conversou com Antonio Camardelli, presidente da Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carne (Abiec).

DBO – Qual a influência sobre o mercado da carne após a decisão dos frigoríficos em suspender o abate em parte de suas unidades?

Camardelli – Essa decisão foi tomada sem nenhum ponto olhando o futuro distante. Foi tomada cima das notícias do mercado internacional, do mercado local, do prejuízo concreto. As pessoas estão proibidas de circular na Europa. Tudo isso leva a um prejuízo fundamental na área de food service, que é um grande negócio. O food service é um negócio maior para alguns grupos, mas é importante para todo mundo.

DBO – Como a Abiec analisa o cenário externo, olhando para a Europa?

Camardelli – Nós estamos olhando para o mercado. É esse o cenário. Lá fora há uma série de manifestações e de fatos concretos que te levam a ser prudente e não ser irresponsável. Eu não vou encher uma câmara com três mil, quatro mil bois e aí tentar vender. Com exceção da França e da Itália que pararam, se uma empresa fizer uma venda de um contêiner de filé mignon para a Alemanha ela vai processar quando estiver embarcando. Porque, a gente não sabe o que vai acontecer. Pode ocorrer que esse embarque seja suspenso por conta de uma decisão que o governo da Alemanha venha a tomar.Então, é preciso ser prudente com a minha capilaridade, tem que arrumar uma equação do que eu vendo e o que é factível em termos de comércio.

DBO – O sr. está dizendo que a indústria não pode pensar em estoque?

Camardelli – É uma irresponsabilidade fazer estoque. A gente está numa zona cinzenta, porque a exportação está extremamente complicada. A China vem retomando lentamente o mercado, mas, por outro lado há alguns outros problemas paralelos. Por exemplo, os armadores não vêm com contêineres vazios. Aí, é como se houvesse um bloqueio na cadeia de vários insumos – que não é o nosso caso por enquanto -, mas para esses contêineres há dificuldade de retornarem cheios. Então, alguns armadores têm tomado a decisão de voltar com contêineres vazios, mas é uma decisão de cada setor. Esse congestionamento nos portos, por conta da morosidade da China, também determinou que a gente tivesse prudência.

DBO – E quanto ao mercado interno?

Camardelli – No mercado interno é a mesma coisa. Alguns estados já decidiram e alguns ainda vão decidir que a única maneira, além de controlar grandes concentrações, é determinar algum tipo de restrição a acesso público, como a restaurantes por exemplo. Nós temos necessidade avaliações diárias. Grupos grandes, com mais frigoríficos, tomaram uma decisão antecipada que pode acontecer com grupos médios e com menor escala.

DBO – A Abiec está olhando também para os países Árabes, onde o Covid-19 causa desastres, como o Irã à beira de uma catástrofe?

Camardelli – Na verdade o Irã, por conta das sanções contra internacionais e as últimas intervenções, no último semestre o país reduziu de 31 para 5 plantas habitadas no Brasil. E ainda há poucos armadores para os portos do Irã. Por conta desse bloqueio, nós ainda mantemos o abastecimento do Irã via portos da Turquia, da Jordânia e de Dubai. E daí segue de caminhão para o país. Hoje, estamos trabalhando com uma ou duas empresas por conta das dificuldades financeiras. Ou seja, a ausência de dólar ou outra moeda forte inviabiliza o comércio. Assim, o Irã não é uma preocupação, hoje, embora a gente tenha todo o interesse nesse país. Não estou falando que eles não têm recursos, este é um problema de moeda. Em relação a outros países Árabe, a gente continua avaliando os cenários e acompanhando.

DBO – No caso da Rússia, um país historicamente oportunista que já criou muitos entraves às exportações brasileiras, qual é o atual cenário?

Camardelli – A Rússia, há vários anos, está em um processo tranquilo de comércio. Nós tivemos, fruto da decisão russa, seis plantas habilitadas. Aí o mercado virou. A gente acredita que, como a Argentina era um fornecedor de um produto especial – da chamada vulgarmente vaca-conserva – para a Rússia e eles passaram a vender 80% para a China, houve um retorno ao mercado brasileiro. Recentemente, passamos para 9 plantas. Então o nosso mercado para a Rússia está fluindo normalmente. A expectativa é de aumentar as plantas, mas isso depende de negociações entre os dois serviços sanitários.

DBO – Com as recentes medidas dos órgãos de saúde no Brasil, visando achatar a curva da contaminação pelo Coronavírus, vocês acreditam que possa ocorrer uma paralisação curta, tipo férias dos frigoríficos, e que a partir daí as coisas comecem a voltar à normalidade? Ou é totalmente imprevisível dizer qualquer coisa?

Camardelli – Nesse exato momento, acho que é prudente não falar qualquer coisa. O que a gente pode garantir, hoje, é uma boa vontade extrema. O Ministério da Economia pediu um relatório específico das nossas dificuldades. Nesta terça-feira estivemos com o governo do Estado de São Paulo, porque as autoridades queriam saber como estamos nos movimentando, que tipo de auxílio a gente precisa. A própria Ministra da Agricultura, Teresa Cristina, em uma ligação nesse dia à noite, teve o gesto da boa vontade de nos dar a seguinte notícia. No caso de falta de gente suficiente em algum frigorífico, de risco técnico, ela estaria resolvendo com equipes volantes. Isso demonstra uma vontade extrema de todo mundo de que as coisas se resolvam.

DBO – O sr. acaba de regressar da Argentina. A indústria frigorífica brasileira tem uma forte presença nos países do cone sul, especificamente Uruguai, Argentina e Paraguai. Há alguma ação em bloco da Abiec e das associações das indústrias desses países?

Camardelli – Não, ainda não. O que existe é que nós, por necessidade de ter um trabalho em grupo, há mais de 10 anos os ministros da Agricultura do Mercosul pediram que a gente fizesse um trabalho conjunto. Aí, a gente criou o Fórum Mercosul da Carne, onde estão todas as Abiecs do bloco, todas as CNAs, as Rurais. E nos encontramos para temas relacionados ao bloco. No caso do coronavírus, não está sendo debatida nenhuma questão e não há nenhuma reunião marcada. Não há nenhum movimento nesse sentido. Com informações da DBO.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[05/06/2020] - EUA investigam JBS por cartel no preço do boi
[05/06/2020] - Que tal ganhar até R$ 7 a mais por arroba?
[05/06/2020] - Carne: preços podem subir
[05/06/2020] - Preço do milho caiu com a queda do dólar
[05/06/2020] - Vacinação contra aftosa vai até o dia 30 em MG
[05/06/2020] - Dólar cai abaixo de R$ 5
[05/06/2020] - Vendas de máquinas agrícolas dispararam em maio

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[04/06/2020] - China cancela embarque de carne bovina dos EUA
[04/06/2020] - Média de preço do boi é a maior da série
[04/06/2020] - Arroba do boi sobe com falta de boi pronto
[04/06/2020] - Empresa da JBS é acusada de cartel nos EUA
[04/06/2020] - Justiça manda JBS readimitir indígenas
[04/06/2020] - Preço dos lácteos subiu no atacado
[04/06/2020] - Produzir leite ficou ainda mais caro em maio
[04/06/2020] - MAPA libera o trânsito de gado entre PR e RS
[04/06/2020] - MAPA adia retirada da vacina em Mato Grosso
[03/06/2020] - Pecuarista poderia estar recebendo mais pelo boi
[03/06/2020] - Arroba do boi chega a valer até R$ 205 em SP
[03/06/2020] - Frigoríficos de Goiás aumentam oferta pelo boi
[03/06/2020] - MP diz que JBS demitiu indígenas em massa
[03/06/2020] - Frigoríficos concentram casos de Covid no RS
[03/06/2020] - Dólar tem nova queda e se aproxima dos R$ 5
[03/06/2020] - Queda da indústria não chega à área de alimentos
[02/06/2020] - Exportações de carne bovina batem novo recorde
[02/06/2020] - Arroba: mercado firme, porém cauteloso
[02/06/2020] - Reposição: aumentou a procura em Rondônia
[02/06/2020] - Marfrig fecha acordo e testará funcionários
[02/06/2020] - Justiça manda JBS testar funcionários
[02/06/2020] - Leite: produtor recebeu menos em maio
[02/06/2020] - Qual será o preço pago pelo leite em junho?
[02/06/2020] - Mais um dia de forte queda para o dólar
[01/06/2020] - China pára compra de produtos agrícolas dos EUA
[01/06/2020] - Produtores fazem greve contra baixo preço do leite
[01/06/2020] - Leite: produtores de MG também protestam
[01/06/2020] - Arroba: mercado firme com pouca oferta de boi
[01/06/2020] - Carne recua no atacado
[01/06/2020] - Mais uma unidade da JBS com surto de coronavírus
[01/06/2020] - Para onde vai o preço do farelo de soja?
[01/06/2020] - Milho: preços caem com colheita
[01/06/2020] - Julgamento do Funrural empata no STF
[29/05/2020] - China compra metade das exportações do Brasil
[29/05/2020] - China pode reduzir compras do Agro dos EUA
[29/05/2020] - Sem acordo, unidade da JBS continuará fechada
[29/05/2020] - Frigoríficos querem protocolo único para Covid-19
[29/05/2020] - Arroba: fim da quarentena pode puxar preço do boi
[29/05/2020] - Reposição: procura aumenta e preços sobem
[29/05/2020] - Confinamento: entidade prevê queda de 10%
[29/05/2020] - JBS: irmãos Batista tentam evitar volta à prisão
[29/05/2020] - Preço do leite caiu 5% em maio. Como ficará junho?
[29/05/2020] - PIB recua 1,5% no primeiro trimestre de 2020
[29/05/2020] - IBGE: agronegócio foi o único setor a crescer
[29/05/2020] - Dólar volta a subir com tensões EUA-China
[28/05/2020] - Unidades fechadas: pecuarista deve se preocupar?
[28/05/2020] - Arroba: frigoríficos aumentam ofertas pelo boi
[28/05/2020] - Exportações recordes sustentam o preço do boi
[28/05/2020] - Como está o mercado do leite?
[28/05/2020] - Desemprego sobe e volta ao nível de abril de 2019

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br