Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
247,00 242,00 247,00
GO MT RJ
236,00 238,00 240,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2180,00
Garrote 18m 2430,00
Boi Magro 30m 3010,00
Bezerra 12m 1860,00
Novilha 18m 2330,00
Vaca Boiadeira 2440,00

Atualizado em: 28/9/2020 09:32

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

JBS: irmãos Batista tentam evitar volta à prisão

 
 
 
Publicado em 29/05/2020

Enquanto aguardam o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir se anula suas delações, em petição que tramita já desde 2017 na Corte, os irmãos Joesley e Wesley Batista foram autorizados pela Justiça a exercer novamente funções executivas nas empresas do grupo J&F, que controla a JBS. A decisão foi tomada por unanimidade pela Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Nos primeiros meses de 2018, o mesmo colegiado libertou Wesley e Joesley, que passaram cinco e seis meses na cadeia, respectivamente. Em 2019, a dupla fez sua estreia no ranking mundial de bilionários da revista Forbes, cada um com uma fortuna estimada em US$ 1,3 bilhão.

Em 2017, Joesley, Wesley e os executivos Francisco de Assis e Ricardo Saud firmaram acordos de colaboração com a Procuradoria-Geral da República (PGR) – já à época, críticos apontaram um excesso de generosidade na delação. Entre os benefícios negociados, está a imunidade que os impede de ser processados.

Para efeito de comparação, também em 2017 foi homologada a delação de Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht. No total, 77 executivos da Odebrecht firmaram acordos, naquela que ficou conhecida como “a delação do fim do mundo”. Enquanto os irmãos Batista ficaram imunes judicialmente, Marcelo teve sua pena reduzida de 31 anos de prisão em regime fechado para dez anos, em diversas etapas. Ficou em regime fechado entre junho de 2015 e dezembro de 2017, quando passou a cumprir prisão domiciliar.

Ao negociar seu acordo, Odebrecht pagou uma multa superior a R$ 73 milhões. Os irmãos Batista pagaram, cada um, cerca de R$ 110 milhões. Primeiro delator da Lava Jato, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa negociou três anos em regime aberto e multa de R$ 10,9 milhões. Ex-presidente da UTC, o baiano Ricardo Pessoa foi condenado a oito anos e dois meses de prisão, ficou detido na carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba, de 14 de novembro 2014 a 28 de abril de 2015 e passou para o regime aberto com o uso de tornozeleira eletrônica. A multa determinada foi de R$ 51 milhões.

Anulação

O Supremo Tribunal Federal mantém pautado para o dia 17 de junho, a partir das 14h, o julgamento do pedido da Procuradoria-Geral da República para anular a delação da JBS. Informações publicadas pela revista Veja apontam que advogados dos irmãos Batista avaliam pedir à Corte uma reunião presencial de julgamento. Por causa da pandemia do novo coronavírus, a ideia original do Supremo seria analisar o caso a portas fechadas, somente com ministros, advogados e representantes do Ministério Público presentes. No último dia 6 de maio, venceu o prazo para renegociação dos acordos. Relator do caso, o ministro Edson Fachin suspendera o processo por 60 dias no começo de março, a pedido da Procuradoria e com a concordância das defesas, para buscar uma repactuação.

O fim da fase de instrução processual foi anunciado em fevereiro do ano passado e reiterado em setembro por Fachin. Segundo a Veja, a dificuldade na negociação passaria pela discordância dos delatores em pagar uma multa adicional de R$ 2 bilhões e também pela recusa de passar sequer mais um dia na cadeia. De acordo com a publicação, a PGR propôs, por exemplo, que Joesley cumprisse três anos e seis meses de cadeia – 18 meses em regime fechado, um ano em regime semiaberto e mais um ano em prisão domiciliar.

Expulsão de procurador

No último dia 12, o Conselho Superior do Ministério Público Federal (MPF) determinou pena de demissão contra o procurador Ângelo Goulart Villela, acusado de receber uma mesada do grupo J&F em troca de fornecer informações privilegiadas. Delatado pelo ex-diretor jurídico do grupo, Francisco de Assis e Silva, Goulart foi alvo da Operação Patmos em 2017 e chegou a ser preso pela Polícia Federal

Delação

Firmada em 2017, a delação da JBS abalou o mundo político brasileiro, com acusações do envolvimento de políticos em esquemas de corrupção, lavagem de dinheiro, organização criminosa e caixa dois em várias esferas. As delações dos executivos implicaram presidentes da República, ministros, governadores e parlamentares. No total, foram apresentados 116 anexos e 250 fatos ilícitos. Os colaboradores também participaram de ações controladas, como a gravação de Michel Temer e a filmagem do ex-assessor Rodrigo Racha Loures correndo com uma mala de dinheiro.

No entanto, a PGR quer a revogação dos benefícios concedidos, com o argumento de que os executivos deixaram de informar crimes dos quais sabiam, violando cláusulas dos acordos. Apesar de pedir que sejam anuladas as delações, a Procuradoria quer a manutenção da validade das provas produzidas e a não devolução de multas já pagas pelos colaboradores.

De acordo com a PGR, Joesley, Wesley, Ricardo, Francisco deixaram de informar possível conduta ilícita do ex-procurador Marcello Miller, que os teria ajudado, quando ainda exercia a função, a elaborar o material apresentado à Procuradoria quando era negociada a colaboração premiada. Miller teria orientado Joesley Batista, Wesley Batista, Francisco de Assis e Ricardo Saud a obter os benefícios da imunidade, ajudando a redigir anexos, prestando aconselhamentos jurídicos e encontrando-se diversas vezes com seus corruptores.

A PGR ainda aponta que Joesley e Ricardo deixaram de informar espontaneamente ao Ministério Público Federal (MPF) possível conduta ilícita do senador Ciro Nogueira (PP). Segundo o órgão, a “vontade de proteger Ciro Nogueira, portanto, guiou os ex-colaboradores Joesley Batista e Ricardo Saud quanto à decisão de não entregar ao MPF, inicialmente, o anexo e áudios revelando o pagamento de 500 mil reais ao mencionado político em troca de seu apoio em favor de Dilma Rousseff, por ocasião do seu processo de impeachment".

Áudios e ministros

Em 2017, Joesley Batista entregou à Procuradoria-Geral da República a gravação de uma conversa entre ele e o então seu executivo, Ricardo Saud, onde eles mencionam três ministros do STF – Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes. Entre outras coisas, eles citaram supostas proximidades e que o então ministro da Justiça teria cinco ministros do STF
“nas mãos”

Wesley e Joesley Batista ainda são acusados, após a celebração do acordo, do crime de insider trading, na “venda de ações da JBS por sua controladora – FB Participações – e a respectiva recompra pela JBS (diante da assegurada baixa dos valores destas) e na aquisição de contratos de dólares no valor nominal de dois bilhões e catorze milhões de dólares americanos, operações que teriam rendido lucro de aproximadamente cem milhões de reais”. Com informações do jornal A Tarde.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[28/09/2020] - Reposição já subiu mais de 50% em 2020
[28/09/2020] - Arroba: fim do auxílio emergencial vai bater no bo
[28/09/2020] - China quer parar de importar carne suína
[28/09/2020] - Milho volta a bater recorde do CEPEA
[28/09/2020] - Milho pode chegar a R$ 70 a saca ainda em 2020
[28/09/2020] - Sementes misteriosas chegaram ao Paraná
[25/09/2020] - Arroba: boi China já se aproxima de R$ 260

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/09/2020] - Alta do boi está perdendo força?
[25/09/2020] - Tesouro dos EUA monitorava atividades da JBS
[25/09/2020] - Empresa suspeita tem relação com a JBS
[25/09/2020] - Alemanha cerca fronteira contra peste suína
[25/09/2020] - Prazo para entrega do ITR termina no dia 30
[24/09/2020] - JBS: BNDES aumenta pressão contra os Batista
[24/09/2020] - Arroba: frigoríficos sobem a oferta pelo boi
[24/09/2020] - Arroba: vai sobrar boi no final do ano?
[24/09/2020] - Reposição já subiu mais de 80% na Bahia
[24/09/2020] - Leite: alta generalizada nos preços
[24/09/2020] - Milho: alta continua em algumas praças
[24/09/2020] - Filipinas detecta novos focos de peste suína
[24/09/2020] - Polícia apreende gado contrabandeado do Paraguai
[23/09/2020] - Reservas de carne da China estão acabando
[23/09/2020] - Arroba: escalas de abate diminuíram. E agora?
[23/09/2020] - Exportações de carne seguem em bom ritmo
[23/09/2020] - JBS vai aumentar monitoramento de pecuaristas
[23/09/2020] - CEO de empresa da JBS é acusado de fraude
[23/09/2020] - JBS faz nova antecipação no banco do grupo
[23/09/2020] - Minerva usará software de ONG em monitoramento
[23/09/2020] - Agência eleva nota de crédito da Marfrig
[22/09/2020] - Está chegando a hora da queda do boi?
[22/09/2020] - Arroba: alta deu uma trégua
[22/09/2020] - Exportações de carnes seguem em crescimento
[22/09/2020] - Falta de boi deixa frigoríficos ociosos em MT
[22/09/2020] - Milho bate recorde de preço em Mato Grosso
[22/09/2020] - Caroço de algodão subiu mais de 35%
[22/09/2020] - Pecuaristas somam prejuízos com fogo no Pantanal
[22/09/2020] - Bolsonaro: Brasil é vítima de campanha difamatória
[22/09/2020] - Governo anuncia pavimentação da BR-319
[21/09/2020] - Agro registra superávit comercial recorde em 2020
[21/09/2020] - Bolsonaro: Agro evitou colapso do Brasil
[21/09/2020] - Arroba do boi chega a R$ 250 no Pará
[21/09/2020] - Arroba do boi sobe no Norte e no Centro-Oeste
[21/09/2020] - Milho: compradores saem do mercado
[21/09/2020] - Governo crê em lobby contra acordo UE-Mercosul
[21/09/2020] - Peste suína: mais seis casos na Alemanha
[21/09/2020] - Sementes não-solicitadas são entregues no RS
[21/09/2020] - OPINIÃO: Desmatamento é conto do vigário
[18/09/2020] - Produção da Pecuária poderá bater os R$ 200 bi
[18/09/2020] - DISPARADA: bezerro já subiu quase 70%
[18/09/2020] - Arroba: mercado firme por falta de boi
[18/09/2020] - Comissão Europeia tenta aprovar acordo UE-Mercosul
[18/09/2020] - Bolsonaro: Brasil preserva e sofre ataques
[18/09/2020] - IGP-M dispara 4,5% na segunda prévia de setembro
[18/09/2020] - Produtor recebe sementes não-solicitadas
[17/09/2020] - Preço do boi tem espaço para subir ainda mais?
[17/09/2020] - Arroba: ágio do boi China está cada vez menor
[17/09/2020] - Cepea: boi segue nas máximas históricas
[17/09/2020] - Minerva pode distribuir dividendo milionário

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br