Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
279,00 266,00 274,00
GO MT RJ
271,00 264,00 274,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 25/11/2020 08:46

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Mais um recorde a ser batido pelo Agro brasileiro

 
 
 
Publicado em 08/07/2020

Embaladas por mais uma safra (2019/20) de colheitas robustas, as exportações brasileiras de grãos deverão continuar aquecidas neste segundo semestre e, no mínimo, se aproximar de patamares recordes em 2020. Analistas lembram que a concorrência com os Estados Unidos, cuja produção da temporada 2020/21 já começou a entrar no mercado, tende a ser mais acirrada nos próximos meses, mas afirmam que a demanda está firme, mesmo em meio à pandemia, e que o câmbio continua a garantir boa rentabilidade para os embarques do país.

Depois de alcançarem sucessivos picos mensais no primeiro semestre, as exportações de soja, carro-chefe do agronegócio no Brasil, já começaram a perder força por questões sazonais, mas mesmo assim caminham para alcançar, com relativo conforto, cerca de 80 milhões de toneladas no acumulado do ano, como admitem a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec).

Na semana passada, a Abiove elevou sua projeção para os embarques de soja em grão do país em 2020 para 79,5 milhões de toneladas, ou US$ 26,6 bilhões. O volume estimado é 7% superior ao do ano passado, e a receita é 2% maior. São números ainda distantes dos recordes de 2018 (83,6 milhões de toneladas, ou US$ 33,2 bilhões), quando eclodiu a guerra comercial entre EUA e China, mas seriam as segundas maiores marcas da história. Brasil e Estados Unidos são os maiores exportadores globais de soja, enquanto a China lidera com folga as importações.

A Anec ainda prevê 78 milhões de toneladas para este ano, mas vê espaço para que as vendas externas de soja cheguem a 80 milhões. No primeiro semestre, já mostrou levantamento da entidade, os embarques superaram a barreira de 60 milhões de toneladas.

Mas há no mercado quem trace cenários mais otimistas. O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), por exemplo, projeta as exportações brasileiras da oleaginosa colhida na safra 2019/20 em 84 milhões de toneladas, diante de uma expressiva demanda chinesa. Em caso de um empurrão extra vindo de um eventual recrudescimento das disputas comerciais Washington e Pequim, que aparentemente estão um pouco mais apaziguadas, Ernani Carvalho, sócio da consultoria Bateleur, acredita que o volume poderá até beirar 85 milhões de toneladas.

“Há espaço para exportarmos mais soja no segundo semestre mesmo considerando o estoque de passagem e a demanda interna”, afirma Carvalho, que realça que o câmbio continua a estimular a cadeia exportadora brasileira. “Em novembro teremos eleições nos EUA e, a depender do resultado, a situação será mais ou menos favorável para que os americanos cumpram o acordo de primeira fase firmado com os chineses”, diz.

Firmado no início do ano, o acordo prevê a aquisição de US$ 32 milhões neste primeiro ano de vigência - montante que, ao que tudo indica, dificilmente será alcançado, até porque é superior ao patamar de antes das tensões. “Enquanto Donald Trump se mantiver no poder, o Brasil se beneficia, pois as negociações com os chineses permanecerão instáveis. Agora, se ele perder, poderá haver um retorno forte das compras de soja americana pela China”, prevê Carvalho.

Já Guilherme Bellotti, gerente da consultoria Agro do Itaú BBA, não vê um risco de esgarçamento na relação sino americana, até porque as aquisições de soja dos EUA pelos chineses, vêm se repetindo semana após semana, e projeta as exportações brasileiras de soja em 76 milhões de toneladas neste ano.

Ao mesmo tempo em que os embarques da soja colhida nos primeiros meses do ano já perde fôlego depois de um ritmo frenético de escoamento sobretudo entre março e maio, os de milho, alimentados pela produção da chamada “safrinha”, começam a decolar. De acordo com dados da Conab, o volume deverá chegar a 34,5 milhões de toneladas no ano, abaixo do recorde de 41,1 milhões de 2019 mas segundo lugar no pódio histórico.

O Itaú BBA trabalha com uma expectativa de 34 milhões de toneladas, e a Bateleur, otimista, fala em mais de 40 milhões. Na avaliação de Guilherme Bellotti, a produção brasileira de milho deverá alcançar 98 milhões de toneladas (primeira s segunda safra) e os estoques de passagem para 2020/21 ficarão apertados, daí porque o banco está mais cauteloso.

Diferentemente do que acontece com a soja, a China é irrelevante para as exportações brasileiras de milho, cujo mercado global é mais pulverizado - e não há protocolos firmados que tornem viáveis os embarques do cereal transgênicos produzido no país. Mas, no longo prazo, essa realidade deverá mudar, já que a demanda do país asiático para a produção de rações já dá sinais de recuperação depois da fase mais grave da peste suína africana e a tendência é de aumento do consumo doméstico de carnes.

De acordo com dados do USDA, a China, um dos maiores países produtores de milho do mundo, deverá colher 260 milhões de toneladas do cereal na safra 2020/21, mesmo patamar de 2019/20. Mas suas importações deverão subir de 4,5 milhões de toneladas para 7 milhões, para complementar, junto com estoques, uma demanda total da ordem de 271 milhões de toneladas. No quadro da soja a realidade é bem diferente: o país deve produzir 17,5 milhões de toneladas e importar 96 milhões para suprir uma demanda de quase 112 milhões de toneladas. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista
[25/11/2020] - Frigoríficos exportadores sob pressão
[25/11/2020] - Milho: preços futuros em queda
[25/11/2020] - Leite: preço subiu menos que o custo no RS
[25/11/2020] - Frigoríficos gaúchos cobram taxa do século passado

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/11/2020] - IPEA prevê crescimento menor do Agro
[25/11/2020] - China ameaça Brasil por tuíte de Eduardo Bolsonaro
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi
[17/11/2020] - Até quando vai faltar milho?
[16/11/2020] - Arroba: estratégia dos frigoríficos funcionou?
[16/11/2020] - Carne sobe no atacado, mas negócios travam
[16/11/2020] - Acusação da China não trará problemas ao Marfrig
[16/11/2020] - Frigol reforça time para encarar os grandes
[16/11/2020] - Leite: pecuaristas gaúchos pedem socorro
[16/11/2020] - Leite: produtores contam prejuízos

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br