Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
279,00 266,00 274,00
GO MT RJ
271,00 264,00 274,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 25/11/2020 08:46

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Preço do boi pode bater novos recordes

 
 
 
Publicado em 15/07/2020

Apesar dos efeitos negativos da pandemia sobre a demanda interna, o boi gordo não só resistiu às turbulências da covid-19 como engatou um movimento de valorização que poderá levá-lo a repetir o patamar recorde alcançado em 2019.

Para surpresa de alguns analistas, a demanda mais fraca no Brasil não foi capaz de derrubar as cotações. No mês passado, o indicador Cepea/B3 para o boi gordo no Estado de São Paulo (referência para o restante do país) subiu 6,6%, para R$ 218,4 por arroba e seguiu nesse nível em julho. Em 12 meses, a alta foi de 43,5%.

Em termos nominais, o indicador está a menos de R$ 13 do recorde de R$ 231,35 atingido em 29 de novembro de 2019. Como o pico da entressafra é só entre outubro e novembro, há espaço para o preço do gado subir, diz Michel Tortelli, sócio da Finpec, startup que capta recursos com investidores para comprar gado e fazer a engorda em confinamentos.

Conforme analistas, a oferta restrita de gado vem se sobrepondo à demanda interna – que absorve mais de 70% da produção nacional -, ditando as cotações.

Com o preço do bezerro nas alturas, o pecuarista foi estimulado a reter mais vacas para reprodução, reduzindo a oferta de animais enviados aos abatedouros. Não à toa, os abates vêm caindo. No primeiro trimestre, os frigoríficos processaram 7,2 milhões de bovinos, baixa de 8,4% ante o mesmo período do ano passado, conforme o IBGE. Não há dados fechados para o segundo trimestre.

Acompanhe as cotações da arroba do boi gordo e da reposição em: www.pecuaria.com.br/cotacoes.php

Nos abatedouros fiscalizados pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF), porém, os indicativos são de que a queda prossegue. Quando se compara os dados de abate por sexo, o efeito da retenção da vacas fica claro. No primeiro trimestre, os abates de vacas e novilhas diminuíram 17,8% e 12% ante igual período de 2019, de acordo com o IBGE. As fêmeas costumam representar mais de 40% do abate.

“A decisão foi segurar as matrizes. Temos pouco animal no pasto”, afirmou o pesquisador Thiago Bernardino de Carvalho, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq/USP). Segundo ele, os sinais de que a oferta de gado estava mais restrita começaram a vir em agosto, quando os pecuaristas relataram dificuldades para encontrar boi magro para comprar.

Nesse cenário, os preços do boi magro dispararam. Em junho, a cotação média atingiu R$ 2.942,65 por cabeça, valorização de 45,8% na comparação com igual período de 2019, conforme o Cepea. Em termos reais, o boi magro atingiu o maior nível em pelo menos cinco anos.

A valorização do boi magro dificulta a atividade de confinamentos – nesse sistema intensivo de engorda, com dieta baseada em farejo de soja e milho, a compra do animal é o principal custo. No Brasil, a oferta de gado oriundo de confinamentos é maior no segundo semestre, e ajuda a compensar a menor disponibilidade de gado durante a entressafra dos pastos. “Temos um buraco de oferta até outubro”, afirmou César Castro Alves, da consultoria de agronegócios do Itaú BBA.

De acordo com ele, mesmo com os preços do boi gordo resistentes na maior parte do ano, a cotação do animal não foi suficiente para garantir a margem do confinamento no “primeiro giro”, o que limitará a oferta de gado disponível nos próximos meses. Com o preço do boi gordo a R$ 215 por arroba, nível alcançado em julho, os pecuaristas que têm confinamentos já conseguem fechar as contas para o “segundo giro” – mas talvez não seja suficiente para derrubar as cotações do gado.

Mas nem todos dão de barato que a oferta seguirá soberana na definição dos preços do boi gordo neste segundo semestre. Para Wagner Yanaguizawa, analista do Rabobank, o comportamento da demanda é a “grande dúvida”. Para ele, a tendência é que a situação econômica piore, o que agravaria a retração do consumo por carne no país.

Além disso, ele avalia que a maior preocupação da China com segurança – o país aumentou os testes sobre os alimentos importados num esforço para evitar uma segunda onda de covid-19 – pode afetar as exportações ao país. “Acredito que o cenário é de redução das importações chinesas, mas o Brasil tem vantagens competitivas, como o câmbio”, disse. A China tem sido a grande responsável pela exportação recorde de carne bovina do Brasil ao longo deste ano.

Conforme Yanaguizawa, também é preciso levar em consideração que o consumidor pode reagir aos preços mais altos da carne bovina, assim como ocorreu no Brasil e na China no ano passado, quando o preço recorde do boi gordo visto em novembro foi repassado ao varejo. “O mercado retraiu”, lembrou o analista do Rabobank. Na sequência dessa resistência dos consumidores, o preço do gado cedeu. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[25/11/2020] - Qual a perspectiva para o boi em 2021?
[25/11/2020] - Arroba: pecuarista continua recusando oferta menor
[25/11/2020] - Alta na arroba não alivia situação do pecuarista
[25/11/2020] - Frigoríficos exportadores sob pressão
[25/11/2020] - Milho: preços futuros em queda
[25/11/2020] - Leite: preço subiu menos que o custo no RS
[25/11/2020] - Frigoríficos gaúchos cobram taxa do século passado

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[25/11/2020] - IPEA prevê crescimento menor do Agro
[25/11/2020] - China ameaça Brasil por tuíte de Eduardo Bolsonaro
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi
[17/11/2020] - Até quando vai faltar milho?
[16/11/2020] - Arroba: estratégia dos frigoríficos funcionou?
[16/11/2020] - Carne sobe no atacado, mas negócios travam
[16/11/2020] - Acusação da China não trará problemas ao Marfrig
[16/11/2020] - Frigol reforça time para encarar os grandes
[16/11/2020] - Leite: pecuaristas gaúchos pedem socorro
[16/11/2020] - Leite: produtores contam prejuízos

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br