Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
279,00 268,00 274,00
GO MT RJ
271,00 264,00 272,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 24/11/2020 08:55

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Milho: retirada de imposto não deve reduzir preços

 
 
 
Publicado em 21/10/2020

A suspensão temporária do imposto de importação para o complexo soja (grão, farelo e óleo) e milho pelo Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) deve ter "impacto muito pequeno" sobre os preços dos produtos e o custo dos compradores, na avaliação do gerente de Desenvolvimento Técnico da Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar), Flávio Turra. Ele argumenta que o consumo internacional de grãos aumentou neste ano, reduzindo estoques de países produtores. Além disso, o produto dos Estados Unidos, com maior potencial para abastecer a indústria consumidora brasileira, ainda chegaria ao Brasil mais caro do que a soja ou o milho nacional, segundo Turra.

"No mundo todo houve um aumento significativo do consumo de alimentos, e onde tinha oferta (de grãos e derivados), ela foi consumida e os estoques ficaram escassos", explica o gerente da Ocepar. Já é possível trazer soja e milho da Argentina e do Paraguai sem imposto (por fazerem parte do Mercosul), mas fora isso o principal fornecedor seriam os Estados Unidos, e não é viável trazer de lá por preço inferior ao nosso, de jeito nenhum", afirmou.

De acordo com Turra, hoje uma saca de soja norte-americana chegaria no interior do Paraná por cerca de R$ 175. Na última sexta-feira, o valor máximo oferecido por compradores era R$ 160, no mercado spot. "Por causa da taxa de câmbio atual (o dólar valorizado implica maior valor em reais para comprar produtos importados), tanto soja, milho ou farelo de soja trazidos de fora ficam mais caros que no mercado interno. Produtor não ficou muito preocupado, não vemos grandes impactos", comentou.

Turra avalia, em contrapartida, que a medida pode impor um teto aos preços os produtos no Brasil. "O agricultor vem testando um teto (para os valores da soja e do milho). A suspensão da tarifa vai estabelecer um limite", disse. Outra possibilidade é o dólar se depreciar em relação ao real, o que reduziria o valor de grãos e derivados importados na moeda brasileira.

De imediato, quem mais necessita de abastecimento de soja no País não são tradings ou cooperativas, na avaliação do gerente da Ocepar, mas pequenas fábricas de ração, que não têm estoques para exportação, como tradings, ou acesso facilitado a produtores rurais, como cooperativas. "São elas que podem ter mais problemas e terão de recorrer ao produto importado. Mas imagino que, ainda assim, muito pouco volume será trazido de fora", disse à reportagem. Turra contou que, para contornar os patamares elevados de preços dos grãos no Brasil, algumas tradings vêm trocando posições, ou seja, enviando para compradores chineses produto norte-americano, no lugar do brasileiro, e revendendo no mercado interno a soja que havia sido comprada, inicialmente, para ser destinada à exportação.

Com relação ao milho, Turra considera que a oferta interna deve ser suficiente para atender à demanda, sem descartar as dificuldades que integradoras, que fornecem ração para criadores de aves e suínos, vêm enfrentando para adquirir volumes por preços em alta constante. Apesar disso, ele diz que exportadores de carnes ainda estão conseguindo garantir margens de lucro. "Mesmo com o milho caro, a margem (de lucro) ainda compensa para exportar suínos e carne de frango", disse ele. Com informações do Broadcast.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi
[17/11/2020] - Até quando vai faltar milho?
[16/11/2020] - Arroba: estratégia dos frigoríficos funcionou?
[16/11/2020] - Carne sobe no atacado, mas negócios travam
[16/11/2020] - Acusação da China não trará problemas ao Marfrig
[16/11/2020] - Frigol reforça time para encarar os grandes
[16/11/2020] - Leite: pecuaristas gaúchos pedem socorro
[16/11/2020] - Leite: produtores contam prejuízos
[16/11/2020] - Milho: impasse no mercado
[16/11/2020] - IGP-10 mostra aceleração da inflação
[16/11/2020] - Ferrovia ganha espaço no Agro de Mato Grosso
[16/11/2020] - Pix: pagamento instantâneo começa a funcionar hoje
[13/11/2020] - FRIGORÍFICOS UNIDOS PARA DERRUBAR A ARROBA
[13/11/2020] - Frigoríficos se queixam do preço do boi
[13/11/2020] - Arroba: hora de tomar cuidado
[13/11/2020] - China: cidade centro da epidemia acusa o Marfrig
[13/11/2020] - China: notificação não assusta mercado do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br