Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
279,00 268,00 274,00
GO MT RJ
271,00 264,00 272,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2940,00
Boi Magro 30m 3660,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2630,00
Vaca Boiadeira 2850,00

Atualizado em: 24/11/2020 08:55

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil

 
 
 
Publicado em 18/11/2020

Líder histórico no segmento de crédito rural no país, o Banco do Brasil voltou a elevar o tom e não cogita mais perder espaço nesse mercado. Sob o comando de seu novo presidente, André Brandão, a instituição pretende no mínimo consolidar a participação de 55% que tem nos financiamentos a produtores e agroindústrias e ganhar espaço nos “ecossistemas” da atividade, aproveitando o aumento dos recursos captados durante a pandemia para ofertar empréstimos volumosos mesmo sem equalização das taxas de juros.

Nesta safra 2020/21, as contratações de crédito rural no Banco do Brasil já estão 20% maiores que as do ano passado, seguindo o ritmo ditado pelo apetite do campo. “Vamos consolidar nossa posição de liderança mesmo se houver redução no nosso percentual de recursos subvencionados. Vamos trabalhar forte para não perder mercado”, disse ao Valor o vice-presidente de Agronegócios do BB, João Rabelo.

Com alta substancial até setembro da captação de recursos via poupança (R$ 210 bilhões) e depósitos à vista (R$ 90,7 bilhões), principais fontes dos financiamentos agropecuários, o banco vê margem para emprestar sem equalização a taxas próximas das controladas e não teme concorrência pela subvenção, antes restrita a entidades públicas e cooperativas de crédito.

“É muito ruim ter no agro só um ou dois bancos. É bom ter mais, pois conseguimos diluir o risco, desenvolver melhor as soluções e chegar a mais mercado”, afirmou Rabelo, que ainda reclama dos custos para operar com o setor ante um taxa básica de juros (Selic) em mínima histórica.

“O nível de exigência que o Manual do Crédito Rural traz não parece ser compatível com o benefício que está sendo colocado. O custo de observância para fazer crédito rural está alto”, afirmou, indicando que poderia baratear a operação na ponta com mais simplificação no processo.

O BB nunca deixou de liderar com folga o segmento, mas o discurso mudou em relação à gestão anterior – quando, amparado pelo governo, o banco sinalizava que perder participação para bancos privados era inevitável. A fatia da instituição no saldo das operações de crédito ao setor caiu de 65% para 55% nos últimos cinco anos, mas Rabelo quer brecar essa tendência. Nesse sentido, lembra que a carteira de agronegócios da instituição cresceu R$ 40 bilhões no período e chegou a R$ 190,5 bilhões, 26% do total.

“O objetivo é aumentar a participação. Mas estou menos preocupado com a participação no sistema nacional de crédito rural e mais preocupado com a participação lá no cliente”, afirma o executivo, que está de olho em oportunidades no mercado de capitais.

Na safra 2019/20, dos R$ 190,3 bilhões emprestados aos produtores pelo sistema financeiro, R$ 81,1 saíram do BB. Nos quatro primeiros meses desta safra, as contratações subiram 20% em relação ao mesmo período do ciclo 2019/20, para R$ 35,8 bilhões – puxadas pelos investimentos, que aumentaram quase 50%, para R$ 10 bilhões. O número não contempla informações de títulos, como CPR e CDCA, e crédito para giro e agroindustrial.

Rabelo diz que o aumento dos desembolsos é motivado pela ampliação da área plantada no país e pela alta nos custos de produção, que intensificaram a busca por custeio, além dos juros menores na temporada. Mas são os investimentos o grande destaque. O BB destinou R$ 1 bilhão a mais que o programado inicialmente para financiar máquinas e implementos agrícolas, e acha que terá que fazer nova suplementação. “A velocidade está grande. Estamos em novembro e fizemos novo aporte. Talvez tenhamos mais, mas não nas mesmas condições”, adiantou ele.

Com a postura mais agressiva no agronegócio, o BB quer atuar nos “ecossistemas” de algumas cadeias e oferecer soluções personalizadas que vão além do crédito tradicional para ampliar a participação junto ao produtor.

Uma das apostas é no financiamento das Cédulas de Produto Rural (CPRs), para as quais o BB separou R$ 4,5 bilhões de recursos livres nesta safra. A obrigatoriedade de registro desses títulos a partir de 2021 vai dar “mais clareza e segurança” para avançar nessa frente, segundo Rabelo. O objetivo é ser “mais agudo” e conquistar espaço onde hoje reinam cooperativas, tradings e cerealistas, que fomentam cerca de um terço da produção agropecuária do país.

“Talvez não seja a função de algumas dessas empresas fazer isso. Podemos atuar aí, reforçar nossa posição de ser o agente financeiro do sistema e separar as funções”. Para essas companhias, o BB quer abrir as portas do mercado de capitais, com o empacotamento dos títulos em Cédulas de Recebíveis do Agronegócio (CRAs), Certificados de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCAs) ou Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDCs) e apoio na negociação.

“A taxa de juros a 2% permite que tenhamos algumas soluções de mercado que não tínhamos, para operações de curto prazo bem competitivas”, disse. O banco também passou a oferecer consórcio para a troca programada de máquinas agrícolas e quer ampliar o seguro rural para quem não tem área financiada. Com informações do Valor.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[24/11/2020] - Frigoríficos usam domínio para derrubar o boi
[24/11/2020] - Arroba: pecuaristas não aceitam ofertas menores
[24/11/2020] - Exportações perdem força mas recorde é provável
[24/11/2020] - Frigoríficos não conseguem alongar as escalas
[24/11/2020] - Consultoria prevê que pressão sobre o boi continua
[24/11/2020] - Seca leva produtores do RS ao desespero
[24/11/2020] - Governo vai cobrar IPVA de trator?

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/11/2020] - Arroba: analista crê em alta do boi em dezembro
[23/11/2020] - Arroba: frigoríficos fora das compras
[23/11/2020] - Carne recua no atacado
[23/11/2020] - Milho: como está o mercado no início da semana?
[23/11/2020] - Bolsonaro: conservação ambiental com prosperidade
[23/11/2020] - Como registrar gratuitamente seu trator?
[23/11/2020] - Vândalos destroem silos com soja na Argentina
[20/11/2020] - Leite: deputados pedem travas às importações
[20/11/2020] - Arroba: frigoríficos conseguem pequena folga
[20/11/2020] - Semana foi de pressão dos frigoríficos
[20/11/2020] - Analista diz que tendência para o boi não mudou
[20/11/2020] - China continuará importando carne suína por anos
[20/11/2020] - Carne suína alemã pode ser banida por mais de ano
[19/11/2020] - SEM ALTERNATIVA, PRODUTOR DE LEITE ABATE VACAS
[19/11/2020] - Arroba: pecuarista não vende a preço menor
[19/11/2020] - CEPEA confirma queda de braço no boi
[19/11/2020] - Balança comercial do Agro bate novo recorde
[19/11/2020] - Produtores artesanais de carne têm novas regras
[18/11/2020] - Arroba: pecuaristas reagem e travam venda de bois
[18/11/2020] - China defende inspeções em embalagens de carne
[18/11/2020] - CEPEA: leite pode cair até 7% em novembro
[18/11/2020] - Leite: produtores do PR também prevêem queda forte
[18/11/2020] - Produtor de leite sofre com alta nos custos
[18/11/2020] - IGP-M sobe forte, sem sinal de alívio
[18/11/2020] - Dólar cai a R$ 5,30 com otimismo global
[18/11/2020] - Crédito rural dispara 20% no Banco do Brasil
[18/11/2020] - Gripe aviária se espalha por países europeus
[17/11/2020] - Exportações devem bater novamente o recorde
[17/11/2020] - Exportadores protestam contra acusações da China
[17/11/2020] - Argentinos crêem que acusação é para baixar preços
[17/11/2020] - CEO da Marfrig nega contaminação na carne
[17/11/2020] - Arroba: quem aceitou a manobra dos frigoríficos?
[17/11/2020] - Pecuaristas não aceitam queda de preço no boi
[17/11/2020] - Disparada dos grãos anula alta do boi
[17/11/2020] - Até quando vai faltar milho?
[16/11/2020] - Arroba: estratégia dos frigoríficos funcionou?
[16/11/2020] - Carne sobe no atacado, mas negócios travam
[16/11/2020] - Acusação da China não trará problemas ao Marfrig
[16/11/2020] - Frigol reforça time para encarar os grandes
[16/11/2020] - Leite: pecuaristas gaúchos pedem socorro
[16/11/2020] - Leite: produtores contam prejuízos
[16/11/2020] - Milho: impasse no mercado
[16/11/2020] - IGP-10 mostra aceleração da inflação
[16/11/2020] - Ferrovia ganha espaço no Agro de Mato Grosso
[16/11/2020] - Pix: pagamento instantâneo começa a funcionar hoje
[13/11/2020] - FRIGORÍFICOS UNIDOS PARA DERRUBAR A ARROBA
[13/11/2020] - Frigoríficos se queixam do preço do boi
[13/11/2020] - Arroba: hora de tomar cuidado
[13/11/2020] - China: cidade centro da epidemia acusa o Marfrig
[13/11/2020] - China: notificação não assusta mercado do boi

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br