Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
307,00 296,00 301,00
GO MT RJ
293,00 301,00 292,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2940,00
Garrote 18m 3360,00
Boi Magro 30m 3970,00
Bezerra 12m 2610,00
Novilha 18m 3190,00
Vaca Boiadeira 3300,00

Atualizado em: 23/4/2021 11:10

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Crédito rural está ameaçado

 
 
 
Publicado em 07/04/2021

A proposta orçamentária do governo federal para 2021 previa R$ 10,3 bilhões para subvenções econômicas na agropecuária, incluindo crédito agrícola, seguro rural e apoio à comercialização. Porém, o relator-geral do Orçamento, Marcio Bittar (MDB-AC), cortou R$ 2,75 bilhões (cerca de 26%) desse valor, que caiu para R$ 7,55 bilhões.

A medida preocupa o setor, que esperava um Plano Safra 2021/22 robusto o suficiente para dar suporte à expansão da atividade no Brasil. De acordo com o Ministério da Agricultura, nem os R$ 10,3 bilhões seriam suficientes para atender toda a demanda do próximo ciclo.

Além do aumento na área plantada, também há uma alta de pelo menos 20% nos custos de produção. Em alguns produtos e regiões, os gastos subiram ainda mais nos últimos 12 meses. Isso exigirá mais recursos por hectare plantado, tanto para crédito como para o seguro rural.

Também pesa a perspectiva de aumento na Selic. É esperado que, até o fim deste ano, a taxa básica de juros chegue a 5% ao ano. Desta forma, a subvenção do crédito – principalmente para a agricultura familiar – precisará de mais dinheiro no Plano Safra.

Em janeiro, quando ainda não se sabia exatamente como ficaria o Orçamento de 2021. O Ministério da Agricultura havia solicitado à pasta da Economia R$ 15 bilhões para equalização no Plano Safra 2021/22. Foi, inclusive, a ministra Tereza Cristina também tinha solicitado esse valor no ciclo 2020/21, mas o setor foi contemplado com apenas R$ 11,5 bilhões na época.

De acordo com o Instituto Pensar Agro, o governo federal deve vetar parte do Orçamento aprovado pelo Congresso Nacional, sendo forçado a enviar um Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN) para corrigir as distorções causadas pelos vetos.

“Somente após a sanção da Lei Orçamentária Anual (LOA) e o eventual envio desse PLN é que será possível traçar uma estratégia para tentar corrigir as distorções apontadas”, diz a entidade.

Onde foram feitos os cortes?

Percentualmente, o maior corte se deu no Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). O governo federal havia previsto cerca de R$ 3,85 bilhões para equalização, mas o valor foi reduzido em 35%, caindo para R$ 2,5 bilhões. Já os recursos para equalização do crédito rural para pequenos e médios produtores foram cortados em 28,4%, saindo de R$ 4,389 bilhões para R$ 3,142 bilhões.

O montante destinado à equalização do Prêmio do Seguro Rural (PSR), que era para ser de R$ 1 bilhão, ficou em R$ 976 milhões. Já o dinheiro destinado a apoiar a comercialização ficou 6,9% menor do que o previsto pelo Executivo: R$ 7,5 bilhão contra R$ 10,3 bilhão.

Plano Safra em risco?

O economista-chefe da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Antônio da Luz, afirma que a situação fiscal do Brasil é bastante delicada. Por isso, a entidade acredita que o governo federal precisa enxugar gastos para equilibrar as contas públicas e não gerar problemas ainda maiores no futuro. Ele acredita que isso, querendo ou não, passa pela agropecuária. “Se não ajustarmos as finanças, à medida que piorar, seremos cobrados em impostos”, diz.

Mas o economista não concorda com a forma como o corte foi feito. Para ele, o Congresso Nacional promoveu uma “barbaridade”. Segundo Antônio da Luz, os parlamentares cortaram recursos para itens essenciais, na expectativa de que isso gere um colapso em todo o sistema. Assim, deputados e senadores poderiam aproveitar o caos para se promover, usando recursos das emendas parlamentares para ganhar a gratidão do agronegócio em momentos de crise.

“Tudo isso em um ano de vésperas de eleições. Não tem ajuste fiscal, o que tem é um populismo fiscal, de baixa categoria, do mais baixo nível”, dispara o economista.

Antônio da Luz afirma que a agricultura familiar sentirá um forte golpe se não houver mudanças no Orçamento. “É um setor muito sensível, delicado, qualquer variação pode dar um problema grave. Esse produtor, se ele não conseguir uma determinada quantidade de crédito, ele não vai produzir. Ele não tem de onde tirar recursos, não tem as opções que outros produtores [médios e grandes] têm”, destaca.

E o economista lembra que os produtos da agricultura familiar são consumidos principalmente no mercado interno. Logo, caso o setor tenha problema e a produção caia, a sociedade vai pagar a conta, na forma de aumento de preços.

Além disso, a agricultura empresarial terá que avançar com as fontes de financiamento independentes dos recursos públicos.

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) diz não medir esforços para fazer a recomposição orçamentária do Ministério da Agricultura, especialmente, no que diz respeito à agricultura familiar. “O governo federal já foi acionado para que consigamos construir uma solução neste sentido”, diz a bancada, em nota.

Na semana passada, a Casa Civil e a Secretaria de Governo, já sob o comando da ministra Flávia Arruda, realizaram reuniões para buscar uma solução para o Orçamento de 2021. Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, o texto aprovado pelo Congresso é impossível de ser cumprido. Com informações do Canal Rural.
 

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[22/04/2021] - Arroba: frigoríficos pagam mais em Mato Grosso
[22/04/2021] - Em SP, frigoríficos seguraram as compras
[22/04/2021] - CEPEA: preço firme para a carne bovina
[22/04/2021] - Mercado espera alta para a carne bovina
[22/04/2021] - Frigoríficos novos querem exportar para sobreviver
[22/04/2021] - IMEA: custo de produção do milho subiu em MT
[22/04/2021] - Bolsonaro: Brasil deve receber por preservação

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[22/04/2021] - Governo argentino dita regras na venda de carne
[20/04/2021] - Arroba tem pequena alta em Mato Grosso do Sul
[20/04/2021] - Arroba: frigoríficos voltam a oferecer menos em SP
[20/04/2021] - Exportações brasileiras de carne seguem fortes
[20/04/2021] - Importações chinesas de carne cresceram 11%
[20/04/2021] - Exportações podem tirar o Brasil da crise
[20/04/2021] - Governo suspende imposto sobre milho e soja
[20/04/2021] - Preço do milho não dá sinais de trégua
[20/04/2021] - Marfrig acelera adoção do transporte ferroviário
[20/04/2021] - Pecuaristas argentinos temem volta das cotas
[20/04/2021] - A hora e a vez do Boi Safrinha
[20/04/2021] - Tereza: recursos do Plano Safra serão recompostos
[19/04/2021] - Frigoríficos tentam derrubar a arroba, sem sucesso
[19/04/2021] - Arroba do boi sobe em Cuiabá
[19/04/2021] - Milho: mercado travado
[19/04/2021] - Agro ajuda Brasil a ter superávit nas contas
[19/04/2021] - Vacinação contra aftosa começa em maio
[19/04/2021] - JBS compra empresa de proteína vegetal na Europa
[19/04/2021] - Ação pede que STF reveja decisão que beneficia JBS
[19/04/2021] - Prévia do PIB indica forte crescimento em fevereir
[19/04/2021] - Alta do IGP-M perde força em abril
[16/04/2021] - Pecuaristas não aceitam preço menor para o boi
[16/04/2021] - Boi: escalas melhoram. Arroba vai ceder?
[16/04/2021] - Exportações do Agro batem recorde histórico
[16/04/2021] - Marfrig nega compra de frigoríficos em dificuldade
[16/04/2021] - Leite: produtores preferem jogar fora a entregar
[16/04/2021] - Impasse no orçamento ameaça Plano Safra
[16/04/2021] - Argentina intervém no mercado de carne bovina
[15/04/2021] - Frigoríficos tentam pagar menos pelo boi
[15/04/2021] - Arroba: frigoríficos conseguem alongar escalas
[15/04/2021] - Abates caíram 60% em Mato Grosso do Sul
[15/04/2021] - Bezerro: relação de troca é a pior da história
[15/04/2021] - Reposição cara pode derrubar o confinamento
[15/04/2021] - CNA pede acordo comercial com a Coréia do Sul
[15/04/2021] - Leite: Conseleite é fundado em Mato Grosso
[15/04/2021] - Novela do Funrural acaba semana que vem?
[14/04/2021] - Brasil pode exportar 35% da carne bovina
[14/04/2021] - Frigoríficos grandes lucram com exportações
[14/04/2021] - Qual a saída para os pequenos frigoríficos?
[14/04/2021] - Arroba: boi China já vale R$ 325 em SP
[14/04/2021] - Frigoríficos seguram as compras em Goiás
[14/04/2021] - Boi subiu 60% em MT, custos também dispararam
[14/04/2021] - Exportações de carne de MT subiram quase 40%
[14/04/2021] - Milho dispara e saca já vale R$ 104
[14/04/2021] - MAPA renova facilidade para pequenos laticínios
[13/04/2021] - Importações de carne da China devem bater recorde
[13/04/2021] - Preço médio da carne exportada disparou em abril
[13/04/2021] - Arroba: boas notícias para o mercado
[13/04/2021] - Scot vê mercado do boi devagar em SP
[13/04/2021] - Rendimento de carcaça melhorou em 2020

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br