Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
311,00 301,00 302,00
GO MT RJ
301,00 304,00 292,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2850,00
Garrote 18m 3190,00
Boi Magro 30m 3920,00
Bezerra 12m 2380,00
Novilha 18m 2800,00
Vaca Boiadeira 3030,00

Atualizado em: 24/6/2021 10:36

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Custo rural deve subir com falta de chuvas

 
 
 
Publicado em 09/06/2021

A falta de chuvas no Centro-Sul do Brasil deve agravar a crise hídrica já decretada pelo Sistema Nacional de Meteorologia (SNM) para o período entre junho e setembro na região da Bacia do Paraná.

Entre os meteorologistas ouvidos por Globo Rural, é consenso que, mesmo que chova, os volumes não serão suficientes para elevar os níveis dos reservatórios das usinas hidrelétricas, e consequentemente, causarão defasagem na demanda energética.

Outra previsão dos especialistas é de aumento de preços nas contas de energia, água e alimentos. No campo, o custo deve aumentar, e o maior impacto deve ser para a irrigação. Os produtores que sofrerem mais com a estiagem serão obrigados a ter de escolher qual parte da lavoura será irrigada.

Olivio Bahia, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) aponta que os próximos meses serão de extrema atenção.

“O SNM emitiu o alerta de crise hídrica justamente por não haver chuvas previstas para mudar o quadro. É uma situação delicada, principalmente no Centro-Oeste e no Sudeste. No Sul, ainda devem passar frentes frias que ocasionarão chuvas que devem segurar um pouco a situação”, avalia.

"A perspectiva para os próximos meses é muito preocupante, porque sabemos que não serão chuvosos. E, mesmo que chova, os volumes para Centro-Oeste e Sudeste não revertem o quadro. É uma situação delicada"
Olivio Bahia, meteorologista do Inmet

Bahia destaca que hoje, os níveis dos reservatórios estão muito baixos. “Como se fosse uma caixa d'água, no período chuvoso ela enche, e no seco, utiliza-se essa água para geração de energia, consumo humano, irrigação, indústria. O problema é que ano após ano chove menos. Logo, a caixa vai secando cada vez mais”, observa.

A situação tende a não melhorar porque no dia 21 deste mês começa o inverno, estação mais seca do ano. “Não dá para esperar precipitações que reponham os níveis de umidade e dos reservatórios dos próximos meses no Sudeste e Centro-Oeste. Então, os principais alertas se voltam a essas regiões. Vai chover pouco”, concorda Celso Oliveira, meteorologista da Somar.

"Nos próximos três meses, não dá para esperar que tenhamos chuvas que faltaram no verão. Em áreas que sofrem mais com estiagem, é possível que não tenha água no segundo semestre para irrigar toda a lavoura"
Celso Oliveira, meteorologista da Somar Meteorologia

Ao longo de 2021, Goiás, Minas Gerais e São Paulo, três Estados que compõem a chamada "caixa d'água", receberam baixíssimos volumes de chuva. “Com isso, não foi possível ter uma reposição do nível dos reservatórios e, agora, o problema é que entramos no período seco. Assim, ficaremos na dependência das térmicas e eventuais chuvas na região Sul”, afirma Oliveira.

Nessa época do ano, o normal é ter chuvas mais fortes entre Itaipu (PR) e o Rio Grande do Sul. Até maio, as chuvas foram muito fracas e isso preocupa o setor elétrico. “A questão é o segundo semestre. Se o Sul continuar a receber poucas chuvas, significa que ele vai demandar energia, e não tem de onde tirar. Você vai ter que usar mais reservatórios do Sudeste, que já estão baixos para suprir o Sul”, acrescenta Celso Oliveira.

"No Centro-Oeste e Sudeste passaremos por um período seco, que é normal. De setembro em diante, as chuvas voltam, porém, continuarão irregulares e abaixo da média"
Luiz Renato Lazinski, meteorologista

Luiz Renato Lazinski, meteorologista que mora em Curitiba (PR), ressalta outro obstáculo causado pelo desabastecimento das usinas. “A questão do abastecimento de águas para as cidades é um ponto crítico. Aqui em Curitiba estamos em racionamento de água há mais de seis meses. São 36 horas com água e 36 sem”, destaca.

Preços da energia, água e alimentos

Em razão dos baixos níveis dos reservatórios e perspectivas de chuvas irregulares e abaixo da média, será necessário a utilização de termelétricas para compensar o fornecimento de energia, e isso eleva o preço, com efeitos no valor da água e nos alimentos.

“A gente espera que não, mas muito provavelmente os preços dos alimentos também devem aumentar, porque os produtores vão pagar mais caro na água para irrigação”, alerta o meteorologista do Inmet.

"Nos próximos meses, não tem chuva para reverter a situação hídrica. Teria que chover entre o sul de Minas Gerais e Goiás e, nessa época do ano, seria inédito, não vai acontecer. Não vejo possibilidade de colapso, mas se a virada de 2022 for igual a 2021, aí sim teremos um caos"
Alexandre Nascimento, meteorologista da Rural Clima

“Pelo menos até outubro, está decretado preços super altos de energia. Os impactos da escassez hídrica são fulminantes”, afirma Alexandre Nascimento, meteorologista da Rural Clima. A partir do momento que a escassez é decretada, as usinas têm o poder de mexer em defluência mínima, que nada mais é que segurar a água, explica Nascimento.

“A prioridade é preservar água para não faltar energia e isso causa impacto para o agricultor. Agora, ainda não vejo possibilidade de colapso, mas se a virada de 2022 for igual 2021, aí sim teremos um caos”, finaliza. Com informações do Globo Rural.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[24/06/2021] - Arroba: frigoríficos não conseguem pressionar
[24/06/2021] - Queda do dólar pode travar exportações de carne?
[24/06/2021] - Pecuarista lucrava mais com arroba mais barata?
[24/06/2021] - Arroba em dólares bate recorde histórico
[24/06/2021] - Guedes prevê queda maior para o dólar
[24/06/2021] - Leite: alta pode garantir maior margem ao produtor
[24/06/2021] - Polícia prende quadrilha que roubava gado em SP
[24/06/2021] - Ricardo Salles pede demissão do ministério
[24/06/2021] - Substituto de Salles é ligado ao Agro
[24/06/2021] - Tereza: Ricardo Salles fez um bom trabalho
[24/06/2021] - Comissão aprova novas regras para demarcações
[24/06/2021] - BC revê para cima previsão de alta do PIB
[24/06/2021] - MAPA muda modelo da GTA impressa

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[23/06/2021] - Golpistas dão prejuízo de R$ 30 mi a pecuaristas
[23/06/2021] - Arroba: frigoríficos seguem cautelosos em SP
[23/06/2021] - Leite: referência subiu mais de 5% no RS
[23/06/2021] - Preços dos lácteos dispara no Paraná
[23/06/2021] - Preço do milho tem queda forte em Goiás
[23/06/2021] - IPEA prevê PIB maior para o Agro
[23/06/2021] - Plano Safra será 6% maior em 2021
[23/06/2021] - Tereza quer mais verba para seguro rural
[23/06/2021] - Argentina: governo libera exportações, com limites
[23/06/2021] - STF não vai interferir na reforma agrária
[22/06/2021] - Estiagem pode travar PIB do Agro em 2021
[22/06/2021] - Arroba: sinais preocupantes vindos da China
[22/06/2021] - Arroba: frigoríficos paulistas fora das compras
[22/06/2021] - Exportações de carne ensaiam recuperação em junho
[22/06/2021] - China: rebanho de suínos está recuperado
[22/06/2021] - Milho: produtores pedem ação do governo
[22/06/2021] - Milho: preço cai ao menor valor desde março
[22/06/2021] - Plano Safra: liberação do dinheiro pode atrasar
[22/06/2021] - Expointer 2021 será realizada com público presente
[21/06/2021] - Arroba: indicador do CEPEA bate recorde histórico
[21/06/2021] - Arroba: ágio para o boi China chega a R$ 9
[21/06/2021] - Os dólares trazidos pela exportação de carnes
[21/06/2021] - Governo argentino fecha acordo com pecuaristas
[21/06/2021] - Leite: produtor deve receber 5% a mais
[21/06/2021] - Minerva vai exportar pratos prontos aos EUA
[21/06/2021] - Marfrig vai construir unidade no Paraguai
[21/06/2021] - Milho: compradores acreditam em quedas maiores
[21/06/2021] - É hora de vender milho?
[18/06/2021] - Arroba: dá para receber mais pelo boi
[18/06/2021] - Arroba: frigoríficos paulistas saem do mercado
[18/06/2021] - China dará subsídio a produtores rurais
[18/06/2021] - O que virá no próximo Plano Safra?
[18/06/2021] - Milho: preço sobe após se aproximar de R$ 80
[18/06/2021] - Brasil vai importar milho dos EUA
[18/06/2021] - Dólar cai abaixo dos R$ 5 nesta sexta
[17/06/2021] - Pecuaristas dos EUA não querem depender da JBS
[17/06/2021] - China está comprando menos carne do Brasil
[17/06/2021] - Arroba: mercado preocupado com vendas à China
[17/06/2021] - Arroba: boi já vale mais em Goiás
[17/06/2021] - Queda do dólar pode derrubar a arroba do boi
[17/06/2021] - Custo de produção do leite continua a subir
[17/06/2021] - Combater desperdício de alimentos é prioridade
[17/06/2021] - Guedes: governo precisa reduzir encargos
[17/06/2021] - Herdeiros da BRF aprovam sociedade com Marfrig
[17/06/2021] - Construção de ferrovia depende de consulta a índio
[17/06/2021] - Câmara adia projeto que altera demarcações
[16/06/2021] - Agro brasileiro bateu recorde de exportações
[16/06/2021] - Arroba: frigoríficos pagam mais que a referência
[16/06/2021] - Arroba: boi volta a subir em várias praças
[16/06/2021] - Confinador precisará fazer muita conta em 2021

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br