Cotações Mapas Notícias em seu e-mail
Precisa vender? Mais de 6.000 visitantes diariamente esperam pelo seu produto aqui no Pecuaria.com.br. Clique aqui e veja como e facil anunciar!
Arroba do Boi - R$ (À vista)
SP MS MG
259,00 262,00 247,00
GO MT RJ
244,00 243,00 278,00
Reposição - SP - R$
Bezerro 12m 2400,00
Garrote 18m 2770,00
Boi Magro 30m 3290,00
Bezerra 12m 2100,00
Novilha 18m 2540,00
Vaca Boiadeira 2840,00

Atualizado em: 27/10/2021 11:01

Cotações da Arroba: SP-Noroeste, MS-Três Lagoas, MG - Triângulo, GO - Região Sul, MT - Rondonópolis, RJ-Campos
Clique aqui e veja cotações anteriores

 

 

 

 


 
Receba, diariamente, em seu
e-mail nosso boletim com os assuntos que mais interessam
ao profissional do setor.

Clique aqui e inscreva-se gratuitamente.


Adriano Garcia
MTb 10252-MG

 

Arábia Saudita retira embargo ao Brasil

 
 
 
Publicado em 16/09/2021

Um dia após o Ministério da Agricultura anunciar que a Arábia Saudita havia suspendido as importações de carne bovina de cinco frigoríficos de Minas Gerais, o governo saudita confirmou, nesta quarta-feira (15/9), que o embargo foi retirado.

Apesar de ter sido divulgada somente nessa terça (13/9), o país já havia parado de comprar carne de estabelecimentos do estado desde o dia 6 de setembro.

A Saudi Food and Drug Authority (SFDA), agência governamental que regula alimentos e medicamentos na Arábia Saudita, divulgou uma lista atualizada com os estabelecimentos brasileiros autorizados para exportar carne bovina ao país.

Os cinco frigoríficos mineiros que haviam sido vetados pelos sauditas já estavam em "verde" na relação divulgada, ou seja, com permissão concedida para vender os produtos.

Haviam sido suspensas a importação de carne bovina dos frigoríficos: Plena Alimentos S/A, em Pará de Minas, Supremo Carnes, em Ibirité e Campo Belo, Dimeza Alimentos, do Grupo Fricon, em Contagem, e a MaxiBeef Carnes, de Carlos Chagas.

A agência saudita não havia informado o motivo da suspensão. O Ministério da Agricultura, no entanto, confirmou que a interrupção estava relacionada ao caso de encefalopatia espongiforme bovina (EEB), o mal da "vaca louca", uma vez que um caso da doença foi identificado em Minas e outro no Mato Grosso.

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) já havia concluído que os casos identificados em Minas Gerais e Mato Grosso não representavam risco para a cadeia de produção bovina brasileira.

Questão comercial

Para o analista de economia e política Miguel Daoud, a restrição imposta pela Arábia Saudita foi levada mais pelo lado comercial do que sanitário. O especialista disse que a interrupção foi estratégica, com intuito de negociar preço. Na visão de Daoud, como a demanda por carne bovina brasileira é grande, os sauditas não tiveram força para alterar os valores.

“São estratégias comerciais. A Arábia Saudita se valeu da interrupção do fornecimento, não por questões sanitárias, mas, sim, por questões comerciais, mas viu que nesse momento essa estratégia não vai funcionar e retomaram a importação”, analisou.

Agora, o Brasil deve se concentrar no diálogo com a China no sentido da liberação da exportação de carne bovina para o país. As vendas estão suspensas desde o dia 4 de setembro, seguindo o protocolo que determina a suspensão de embarque das carnes em caso de identificação da "vaca louca".

Miguel Daoud aposta que as restrições devem ser retiradas em até 10 dias. “Devem voltar. Mais cinco, seis dias essa situação volta. No máximo em 10 dias volta, não vai demorar mais do que isso”, projetou.

Números expressivos do setor

As cifras envolvendo a negociação de carnes de frigoríficos de Minas Gerais são bastante expressivas. O estado apurou receita de US$ 586 milhões somente de janeiro a agosto deste ano envolvendo acordos de carne bovina fresca, refrigerada ou congelada.

O valor representa um aumento de 20,1% se comparado com o mesmo período do ano passado, contribuindo, ainda, com 2,2% do total de vendas externas do estado, que somaram US$ 26,663 bilhões.

Outros tipos de carnes, como de aves e miudezas, frescas, refrigeradas ou congeladas também registraram números consideráveis nos oito primeiros meses do ano: foram US$ 167 milhões em vendas, um aumento de 38,4% em relação ao mesmo período de 2020. Com informações do Canal Rural.

  Compartilhe Compartilhe esta matéria    Imprimir

 


   Leia também:
 
[27/10/2021] - Arroba: frigoríficos querem desconto de até R$ 10
[27/10/2021] - Preço futuro do boi segue pressionado
[27/10/2021] - Marfrig está atendendo chineses por outros países
[27/10/2021] - Surge mais uma gigante do leite?
[27/10/2021] - Leite: conta não fecha, segundo produtores
[27/10/2021] - Leite: Deputados organizam apoio ao produtor
[27/10/2021] - Desemprego volta a cair

Regras para a publicação de comentários


   Notícias Anteriores
 
[26/10/2021] - China libera primeira carga de carne brasileira
[26/10/2021] - Não há oferta de carne para atender à China
[26/10/2021] - Arroba: preço firmou mas mercado travou
[26/10/2021] - Carne caiu no atacado mas segue firme no varejo
[26/10/2021] - Pecuarista segura o boi para não vender barato
[26/10/2021] - Agro confirmou exportações de US$ 10 bi
[26/10/2021] - Brasil gerou mais de 300 mil empregos em setembro
[26/10/2021] - IPCA registra primeira queda no preço da carne
[25/10/2021] - Técnicos do MAPA já se reuniram com chineses
[25/10/2021] - Preço da carne ainda não acompanhou queda do boi
[25/10/2021] - Arroba: semana fechou com cotações estáveis
[25/10/2021] - Milho: compradores seguem esperando baixa
[25/10/2021] - Falta de fertilizantes pode demorar a se resolver
[22/10/2021] - Frigoríficos têm a maior margem de lucro em 2 anos
[22/10/2021] - China promete solução rápida para o embargo
[22/10/2021] - Confinadores amargam prejuízos
[22/10/2021] - Arroba: referência fica abaixo de R$ 270
[22/10/2021] - Consórcio de máquinas agrícolas cresceu 20%
[22/10/2021] - Dólar dispara com incerteza nas contas públicas
[21/10/2021] - Embargo chinês: o tiro que pode sair pela culatra
[21/10/2021] - FAESP cobra ações do MAPA contra embargo chinês
[21/10/2021] - Arroba: frigoríficos dizem ter bois suficientes
[21/10/2021] - CEPEA: preço do boi caiu mais que a carne
[21/10/2021] - Leite: preço no Brasil está maior que no exterior
[21/10/2021] - Marfrig será maior acionista da BRF
[20/10/2021] - Embargo chinês é estratégia comercial
[20/10/2021] - Frigoríficos devem parar produção para a China
[20/10/2021] - Queda do boi não chega ao preço da carne
[20/10/2021] - Arroba: pressão de baixa continua em SP
[20/10/2021] - CVM nega acordo na venda da Bertin à JBS
[20/10/2021] - Queda do boi já reflete na inflação do Agro
[19/10/2021] - Tereza pode ir à China para resolver embargo
[19/10/2021] - Exportação: volume exportado caiu, mas preço subiu
[19/10/2021] - Arroba: frigoríficos voltam a pressionar
[19/10/2021] - IMEA: queda da arroba foi maior que a expectativa
[19/10/2021] - IGP-M volta a registrar deflação
[19/10/2021] - Agro pode ganhar força com mais ferrovias
[18/10/2021] - Exportações do Agro bateram US$ 10 bi em setembro
[18/10/2021] - Arroba: preços pararam de cair
[18/10/2021] - China: produção de carne suína é a maior em 3 anos
[18/10/2021] - Leite: produtor tenta reduzir custos
[18/10/2021] - Milho: preços em queda
[18/10/2021] - Milho: custo de produção sobe em Mato Grosso
[15/10/2021] - Arroba: frigoríficos continuam derrubando o boi
[15/10/2021] - Ataques a entidades do Agro causam indignação
[15/10/2021] - Deputado da FPA pede investigação de vandalismo
[15/10/2021] - Atividade econômica perdeu força em agosto
[15/10/2021] - JBS faz novo investimento nos Estados Unidos
[15/10/2021] - Alemanha tem caso atípico de vaca louca
[14/10/2021] - China terá carne barata quando mercado reabrir?

     Clique aqui para ver o índice geral de noticias


 

 

 

Adicione seu site Comprar e vender Atendimento ao anunciante Mais buscados

Venda para a pecuária brasileira através da Internet!
Clique aqui e veja como anunciar no Pecuária.com.br